quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Uma nova visão sobre a prevenção

No livro Mentes Inquietas da autora Ana Beatriz Barbosa Silva que é médica pisquiatra explica que quando pensamos em TDAH, não devemos raciocinar como se estivessemos diante de um cérebro defeituoso...devemos olhar sob um foco diferenciado pois esse funcionamento peculiar na verdade é capaz de ser responsável tanto pelas suas melhores caracteristicas como por suas maiores angustias e desacertos....ela diz também que se tal comportamento não for bem compreendido e bem administrado por eles próprios e pelas pessoas com quem convivem as consequências no agir poderão se manifestar através de diferentes formas de impulsividade....inclusive o uso de drogas...a forma com que irão aprender a lidar com sua impulsividade pode ser uma questão de vida ou de morte.

Ouvimos a cada dia mais crianças serem diagnosticadas com esse transtorno e muitas vezes a primeira abordagem é medicar com remédios fortes ...que consequências teremos no futuro se não aprendermos a enxergar a diversidade das pessoas como algo positivo?
Essa mânia de querer enquadrar todas as cabeças em apenas uma forma de agir formará que tipos de cidadãos no futuro?

Isso também vale a pena ser pensado como prevenção no combate as drogas.

Acesse pelo facebook Drogas: antes, durante e depois.

3 comentários:

  1. A tal Ritalina que se receita a torto e a direito para as crianças diagnosticadas com esse "problema" que nem sempre é realmente um problema, pode ser apenas uma falta de controle na educação, os pais se desesperam por chegarem a um ponto de perda de autoridade e levam aos tais especialistas que sem saber o que fazer passam a medicação que vai "sossegar" o ânimo da criança. Lastimável porque já vi em várias publicações que essa medicação pode na vida adulta ser um primeiro passo para a dependencia quimica. Predispõe o organismo a isso.

    Janete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é....incrivel como quase nada se fala a respeito...preferem jogar pra debaixo do tapete

      Excluir
    2. Pois é....incrivel como quase nada se fala a respeito...preferem jogar pra debaixo do tapete

      Excluir