quinta-feira, 23 de julho de 2015

Existe vida após a codependência! =D

Por E.



"Por amor
Quantas loucuras eu já fiz
Pra não deixar de ser feliz,
Eu me atrevi a te esquecer

Meu amor,
Quase morri de solidão
Quando tentei tirar você do coração
Me senti sozinho, tudo fora de lugar
Feito um passarinho, sem ter asas pra voar
Tive tanto medo de sofrer e te perder
Felicidade, que saudade de você"
- Zezé de Camargo e Luciano                          (Auê, sofrência! huahua... Não mais! rs)

Oi gente! Hoje me dei conta de duas coisas: 1) Hoje fazem 3 meses que terminei (Só? Parece muuuito mais!) e 2) Eu ainda não tinha falado aqui do ponto final definitivo... As últimas postagens em que falei do homi a gente tinha brigado (como sempre acontecia) mas não tinha nada tão definido ainda... As postagens que vieram depois foram falando da temática drogas/codependência mas sem falar da nossa relação... 

E hoje estou aqui pra dizer que SIM, existe vida após a codependência! Vida, felicidade, realização! Infinitas possibilidades! Sem traumas! Foi uma experiência difícil? Demais! Mas era o que eu precisava para crescer, evoluir, melhorar como pessoa, amadurecer, aprender a me amar e a me valorizar! Sou muito grata por tudo que vivi, e principalmente pelo que estou vivendo agora!

Fiz um texto a uns 3, 4 meses atrás falando do quanto eu já tinha mudado após 5 meses de blog e da Kel na minha vida (e claro, todas vocês)... Mas agora, estou ainda muuuuito melhor! Não sinto mais falta NENHUMA do meu ex... Sério! 

Eu tenho certeza que quem está se separando agora e ainda está triste vai ler isso e pensar: "ah, se já esqueceu assim tão rápido é porque não amava de verdade". Eu certamente a um ano atrás diria isso rsrs... Coda é uma espécie muito românticaaaa (as que não estão em recuperação)... Conheço a raça rs... Mas o que quero te dizer é que eu amava meu ex tanto quanto vocês... Ou que eu era tão louca quanto você que acabou de descobrir que codependência é uma doença e que caiu nesse texto de paraquedas e que esse papo de recuperação ainda soa meio estranho... 

E., você tá me chamando de doida? Tô. Kkkk... Mas relaxa, eu também já fui...

Eu já fiz cada loucura por "amor"... Já passei noites sem dormir e fui trabalhar no outro dia igual zumbi... Já fui em cada quebrada buscar e/ou procurar o homi... Já fui na cracolândia (a famosa de SP), já fui em várias biqueiras (de manhã, de tarde e de noite), já até dormi na casa de um traficante... Sim, dormi! Pois tava tão exausta que não aguentei ficar acordada esperando o homi... Ir embora e deixar ele lá? Nem pensar!!! Eu era igual cão de guarda... Já comprei droga pra ele usar em casa e não ficar na rua... Já enchi a cara com ele na tentativa dele ficar só na cerveja... Já fui trabalhar de ressaca... Já descontei minhas frustrações, minha depressão, na bebida e na maconha (sim, fui maconheira rs)... Quando isso já não era suficiente comecei a usar cocaína junto com o álcool... Foram só 2 vezes, mas na 2ª eu despertei... 

Ele estava recaído e nada fazia ele parar... Já tinha largado emprego, ficava sumido de casa dias... Eu já não aguentava mais passar por tudo isso sozinha... Não aguentava mais a minha vida... Não tinha vocês ainda e já não tinha mais ninguém com quem contar... Pois todos diziam "sai dessa" e eu não ouvia ninguém, então me afastei de todos, até de mim... Fui me anulando, anulando... Não queria nem pensar mais quem eu era e pra onde eu tava indo porque sabia que tava tudo uma merda mesmo... Então ele me pediu pra tomar uma cerveja com ele, pra aliviar a vontade de usar. Enchemos a cara, como quase sempre fazíamos, e depois cheiramos (pela segunda vez). Não ponho a culpa nele... Ele nunca me ofereceu droga, pelo contrário, nem gostava que eu usasse... Eu que quis mesmo, eu que tava tão desanimada de viver que não tava nem ligando pra porra nenhuma mais... Queria fugir, igual a ele... Continuamos bebendo, bebemos muito... De noite eu passei mal, vomitei... Lembro de alguns momentos ele cuidando de mim, colocando um balde do lado da cama pra eu vomitar... Mas cochilei... Acordei era noite ainda mas ele já não tava lá... Eu me desesperei! Pra piorar não achei a chave do portão, pensei que ele tinha levado e me deixado trancada! Comecei a gritar desesperadamente, um vizinho ouviu, veio falar comigo (até hoje tenho vergonha desse vizinho kkk). Acho que não falei coisa com coisa, só lembro que ele foi muito amável. Não lembro a hora que ele foi embora, mas acho que ele me tranquilizou, pois depois achei a chave e abri o portão, mas nessa hora ele já não tava lá. Nem sei se era o vizinho mesmo ou um anjo, sei lá... Eu dormi de novo, e quando acordei, já de manhã, me lembrei de uma música que eu tinha ouvido uns dias antes:

 "Hoje cedo, quando eu acordei e não te vi, eu pensei em tanta coisa. Tive medo, ah, como eu chorei! Eu sofri em segredo, tudo isso hoje cedo" Hoje cedo - Emicida (part. Pitty)



Quando eu ouvi essa música pela primeira vez ele ainda estava limpo e eu achando (como sempre me iludia) que talvez nunca mais tivesse que passar por aquilo... De acordar e ele simplesmente não estar ali. E você saber exatamente porque e ter que guardar isso pra você, em segredo... Ir trabalhar, conversar com as pessoas como se estivesse tudo bem, mas por dentro você está em trapos... Sei lá se alguém de vocês se acostumou a ter o familiar na ativa... Eu NUNCA me acostumei! Cada recaída, cada dia de uso era uma dor dilacerante e o desespero de não ter notícias quase me matava... E nesse dia, acordando com uma ressaca desgraçada, tanto moral quanto física... Revivendo aquela desgraça toda de novo e pior, eu caindo junto... E vendo que nem eu caída, vomitando fez ele ficar alí do meu lado... Eu vi que tinha que fazer alguma coisa. Só depois disso veio a ibogaína, contato com a Kel, com a Janete, blog, ayahuasca, espiritualidade, tentar virar o Buda, ligar o foda-se, outra recaída, casas separadas, muito foco em mim e finalmente a separação definitiva...

O caminho continua, claro! Ainda tenho muito que melhorar em mim mesma para ser cada dia mais feliz, realizada, próspera, segura... Mas um ciclo muito importante chegou ao fim, pois finalmente comecei a aprender a ME AMAR!

Por que resolvi contar tudo isso agora? Por eu ter chegado a pouco tempo e por não postar muito, as vezes pode parecer que minha recuperação foi muito rápida, que não sofri tanto quanto vocês, que me desapeguei muito fácil... Mas não é verdade... Eu sofri muito! Foram quase 4 anos de apego, falta de amor próprio, loucura e obsessão. Sim, eu era obcecada por ele, literalmente. Quando ele terminava comigo (e isso acontecia com muuuuita frequência) eu entrava em desespero, não focava em mais nada, meu mundo parava e só voltava quando eu conseguia fazer as pazes com ele de novo... Eu já desejei morrer muitas vezes, pensei em me matar, pensei em matar ele... Já dei soco na cara dele, já dei vassourada, já tranquei ele em casa que de raiva ele chutou uma porta de vidro e rompeu o tendão principal do pé... Já saí atrás dele de madrugada de pijamas... Já armei barraco na rua e em casa... Já chamei polícia... Os vizinhos já chamaram a polícia por causa dos meus gritos... Já deixei minha mãe na rodoviária chorando (ela é durona, nunca chora e nós moramos a 14h de distância) pra ir atrás dele, mesmo ela pedindo pelo amor de Deus pra eu não fazer isso...

Enfim... exemplo é que não falta de provas que eu era doida varrida kkk... E isso é só um breve resumo heim rsrs... Pois o simples fato de você deixar de viver a sua vida para viver em prol do outro já é a maior de todas as loucuras! 

Se eu pude me levantar, qualquer um pode. Confie em si mesma! Acredite! Peça ajuda! Quem acredita sempre alcança!

Nenhuma dor dói pra sempre... Só dói enquanto você permite... 

Tive que sofrer para aprender... Mas parei de sofrer quando pensei: "até quando"? Eu não aguentava mais nenhum minuto. E você, vai sofrer até quando?

Beijos, fiquem com Deus... Namastê!

16 comentários:

  1. Muito bonito seu depoimento e vai ajudar muita gente. Quando conversamos pelas primeiras vezes e pelo seu nivel de codependencia e de entrega à doença eu senti que seria muito dificil a sua recuperação, que poderia demorar muito ou nem acontecer. Mas você me surpreendeu com a virada, com seu desejo e sua superação. Não foi fácil mas assim como na dependencia quimica, querer é tudo. E você entendeu isso e foi à luta. É um orgulho e um prazer poder apreciar isso. É possivel! E agora, olhando de fora da gaiola dá pra dizer: a porta estava aberta, bastava querer sair.

    Janete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Janete! A porta sempre esteve aberta mas eu não queria sair. Achava um desaforo! Eu já tinha levado várias porradas da vida me avisando: "tira a mão daí! Vai cuidar da sua vida! ". Mas eu não ia, teimosia demais! Ignorava meu guardião na alta. Até que me deixaram levar um tapão bem grande, aí não teve como mais eu ignorar kkk... só comecei a me recuperar depois que ele jogou o tratamento com a ibogaina no lixo. Digo que a ibogaina não salvou a vida dele, mas salvou a minha. E.

      Excluir
  2. é nega..uma bela de uma caminhada...e há quem pense que só existe a dependência emocional em relacionamentos com adictos...não...conheço muita "codependente" que se relaciona com "normóticos"...rs..."O codependente acredita que sua felicidade depende da pessoa que tenta ajudar, e assim se torna dependente dele emocionalmente, sendo excessivamente permissivo, tolerante e compreensivo com os abusos do outro, mesmo que este seja excessivamente controlador, perfeccionista e autoritário. É comum que o codependente coloque as necessidades do outro, acima de suas próprias. É comum que desenvolvam duplo vínculo."...enfim...você conseguiu... :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que nada! É só ouvir as musicas mais ouvidas no momento.... so tem sofrencia rs... ontem mesmo o tal do Pablo foi no Jô! A sociedade ta doente fia...Eu mesma sempre falo que não me tornei coda por causa dele, ele só me ajudou a descobrir que isso tinha nome e que é uma doença. sempre fui codependente dosoto. Já sofri em relacionamentos com normóticos tbm. Já sofri por solidão e achava que só seria feliz se achasse um homi pra me completar. .. aí veio a vida é falou: "ah é? Vamos ver se aprende...." e mandaram o dq... kkk... Por isso eu disse, foi exatamente o que eu precisava p crescer... tive que chegar no extremo da loucura e do sofrimento pra me libertar dessa crença desgraçada no amor romântico. .. Por isso tomei raiva de contos de fadas.... kkkk .... E.

      Excluir
  3. Oi, E., vim conhecer seu blog. Estou há cinco meses afastada do ex e bloqueando as reaproxiamações dele, com muita dificuldade. Ainda dói. Especialmente quando ele faz um contato só pra me desprezar. Não sei se é uma forma de chantagem ou de me desprezar mesmo. Mas ainda tenho esperança de dias em que a lembrança não trará dor. L

    ResponderExcluir
  4. Oi L, te "cutucar" é uma forma de saber se ainda tem algum poder. Se vc esboçar qualquer reação, ele saberá que tem. Só isso. Então, como eu sempre digo, continua quietinha aí na sua "toca".
    Bjusss

    Janete

    ResponderExcluir
  5. A Janete tem toda razão L. É como dizem, eles são mestres da manipulação. Eles nos cutucam para que a gente reaja. A gente tá acostumada a só reagir né... Se eles fazem uma coisa boa reagimos com felicidade, se fazem algo ruim reagimos com raiva, etc... Mas estamos sempre reagindo de acordo com as atitudes do adicto. Isso não está certo, pois nos coloca nas mãos deles... Temos que parar de reagir pois eles fazem de tudo para chamar atenção, mas a única coisa que eles não sabem lidar é com a indiferença. Não responda as provocações, finja que você nem liga que ele vai ver que não é mais importante pra você. No início isso vai fazer ele ir ainda mais atrás, pois vai tomar um susto. Com meu ex foi assim. Ele já tava acostumado a dar seus chiliques e depois eu tava lá atrás dele. Mesmo quando eu não tava, bastava ele dizer que se arrependeu e vir atrás de mim que eu perdoava. Quando eu cansei da palhaçada e saí fora de vez, parei de procurar e não quis mais mesmo, ele ficou revoltado, queria a coda de volta de qualquer jeito. Até que chegou uma hora que ele voltou ao uso e me deixou "em paz". As vezes ainda aparece pra dar um oi, só pra dizer que está vivo, e solta coisas do tipo: "vou me cuidar para um dia te procurar novamente". Mas aí eu pergunto o que ele está fazendo para se cuidar e a resposta é a mesma de sempre: nada. Não tá fazendo tratamento, não tá trabalhando, não para de beber... Enfim, não vou viver minha vida baseada em expectativas, chega. Tô muito bem comigo mesmo e pretendo ficar cada dia mais...
    Começa fingindo que não liga pras provocações dele e quando você assustar nem vai ligar mais de verdade... Volte a fazer as coisas que você gostava de fazer e parou por causa dele... Procure novos interesses, comece um curso novo, passe a frequentar outros lugares, conheça gente (não necessariamente paqueras, simplesmente conheça pessoas novas), entre pra uma academia ou faça um esporte... Mude o foco pra você, se abra para experiências novas, se descubra, se conheça... Logo logo o que ele disser ou fazer não vai mais te afetar... Bjos

    ResponderExcluir
  6. Eles são iguais os cachorros. Ignora o cachorro, não dá atenção a ele. O que ele faz? Algo pra chamar atenção. Ele pode demonstrar carinho, pulando em você, te lambendo ou pode começar a latir, ou pode fazer xixi dentro de casa (mesmo já tendo aprendido que não pode), ou rasgar o sofá. Ele não liga se sua reação será de alegria ou de raiva, se vai dar carinho ou brigar com ele. O importante é que de um jeito ou de outro você vai reparar nele, vai dar atenção (nem que seja pra brigar). É a mesma coisa!

    ResponderExcluir
  7. Obrigada pela atenção, meninas! De verdade! L

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado... Continue voltando, e comentando sempre que quiser... TMJ

      Excluir
  8. Hoje foi pior. Antes ele estava doce tentando me reconquistar. Mas quando mantive minha decisão de não voltar, ele me humilhou, me ameaçou, usou meus pontos fracos contra mim. Fiquei triste mas não desesperada como antes. Em que ponto da vida a gente se acostuma a viver ouvindo tanta violência? E no final das contas ainda sobra aquele sentimento do que ele seria, ou do que nós poderíamos sido, sem o efeito da dependência. Só um desabafo. L

    ResponderExcluir
  9. É assim mesmo...essa sensação fica do que poderia ter sido...no ínicio quando me separei...sempre batia a nostalgia do "SE"...se fosse, mas não foi...não a toa os grupos falam muito em viver o só por hoje, não só grupos, mais filósofos, religiosos, espiritualistas nos ensinam que o que temos de verdade é o presente o agora...quando seus pensamentos divagarem...e vc perceber isso...retoma ele pro agora pro hoje..pro momento exato em que vc se encontra...bjus e fique com Deus

    ResponderExcluir
  10. L. o Dep.Quimico nessa fase funciona em ciclos bem definidos e previsíveis, talvez saber disso te ajude porque vc ao perceber pensará: lá vem e não se abalará como desta vez. Eu apelidei carinhosamente de fase docinho e fase amarguinho. Quando a codependente tenta "escapar" das garras da doença e do doente, ele se apavora e faz todo o possível pra traze-la de volta pra dentro da gaiola, então fica tentando sucessivamente as duas fase, que eram o que funcionava quando ela estava dominada. Fase docinho, faz agrados, faz biquinho, chora, faz dodói, comove, promete. Se não funcionar ele rapidamente muda pra fase amarguinho. Ofende, magoa, acusa, agride, ameaça, apela para as mais baixas atitudes pra mexer com pessoa. Se não funcionar logo volta para a fase docinho. Fica firme aí e observa as fases se intercalando. Sem se abalar.
    Beijos,

    Janete

    ResponderExcluir
  11. Agora que saquei alguma coisa de espiritualidade vejo quanta sabedoria tem nos grupos! O "só por hoje", "1º eu, 2º eu, 3º eu", "só posso mudar a mim mesmo"... É uma mistura de tudo que há de mais importante na sabedoria budista, umbandista, etc... Cara, todo mundo tinha que ter acesso a isso, não só nós, "doentes"... A sociedade toda tá adoecida de falta de amor...

    ResponderExcluir
  12. Ola .. me indentifiquei mto no seu depoimemto parecia q estava lendo a mha historia e chorei mto tbm ..
    Bom tenho 23 anos e casada a 2 anos con D.q e cansei cansei e cansei a 3 dias sai se casa eu e meu bebe de 3 meses e confesso q to sofrendo mto pq passei momentos felizes ao lado dle e tbm por dxar ele la sozinho sem ngm ( q é oq maia odeia é ficar só ) triste por tantas perdas ( emprego familiares filhos amigos e agora eu ) me sinto uma monstra por dxar ele la .. mas paro e penso qdo estou la ele nem me enxerga a nao ser pra ver se eu tenho 10 reais a cada meia hra .. e qdo ta se pé oq nao dura mais 3 meses é só revolta tristeza depressao e coisas ruins .. eu o amo mto mas nao tenho maia forca pra lutar por ele e sei q nao vai adianta daqui 3 meses vem outra recaida e outra e outra e mha vida e mnha alegria passando soh peço a Deus força pra conseguir me libertar desse amr .. e q ele algum dia possa viver bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi... Desculpa responder só agora. Espero que veja. Cara, te entendo perfeitamente. Sei o que é isso e o quanto é difícil. Eu só consegui sair depois de ter me ferrado muito, me enganado muito e já não aguentava mais, tanto que tava começando a entregar os pontos... Quando a gente tá assim vive num mundinho paralelo, um universo que parece só existir pra gente e parece não existir nada além disso. Mas existe, te garanto que existe. Minha superação não foi de uma hora pra outra, não foi fácil, não sou melhor do que ninguém então tenho certeza, se eu posso todas podem... Te desejo força e muito amor no coração, principalmente amor próprio... Se quiser entre em contato pelo email... Bjos

      Excluir