quarta-feira, 29 de abril de 2015

Prefeitura de São Paulo faz ofensiva contra 'favelinha' da cracolândia 29/04/15

Por E.


Prefeitura pactua retirada de “favelinha” na Luz e reabre a praça Julio Prestes

Secretaria de Segurança do Estado se comprometeu a evitar o retorno de traficantes ao local. Mais de 30 pessoas foram abrigadas e 88 foram inscritas no programa De Braços Abertos


Reportagens da Folha de São Paulo:

Prefeitura de São Paulo faz ofensiva contra 'favelinha' da cracolândia 29/04/15

Pode ser acessada clicando AQUI.

 Após confusão na cracolândia, ônibus são depredados e pedestres ameaçados

Pode ser acessada clicando AQUI.

Afinal, como a Cracolândia surgiu?





5 comentários:

  1. É mais ou menos isso, me lembro de ter passado por lá em 87, quando minha filha tinha 1 ano, fomos comprar material eletronico na Sta Efigenia e acabamos demorando, de repente estava anoitecendo e saimos meio apressados, caipiras com medo, mas não fomos incomodados por ninguém, os nóias estavam por todos os lados, não se via policiais e as prostitutas estavam por todos os lados. Uma delas se aproximou, e eu cheia de medo, rsrsrsrs. Ela disse: Que bebê lindo, me deixa pegar? Cheia de medo eu entreguei a bebezinha, ela abraçou e ninou um pouco, e devolveu. E fomos embora em paz.

    Janete

    ResponderExcluir
  2. Aff, a postagem ficou horrorosa, com esse texto espremido do lado e essa figura imensa do uai... quando edito o texto não aparece nada disso, aí quando posto fica assim..

    Sim Janete, é aquilo que você comentou no outro texto: "Acredito que a cracolândia, como eu chamei, fosse mais uma cocainolândia, mas eram as mesmas ruas com as mesmas caracteristicas, dependentes quimicos, menores de idade, andarilhos, prostitutas....."

    ResponderExcluir
  3. Ai gentem.... é uma realidade tão triste!
    Como essas pessoas podem ser inseridas novamente na sociedade??
    Não é apenas o governa lançar uma campanha, colocar em prática, retirar de lá os andarilhos, as prostitutas e internar os dependentes químicos... e depois da internação? quem não tem para onde ir, não tem estudo, não tem família... vai pra onde? vai trabalhar em que? vai viver de que? voltam as suas duras realidades nas rua e voltam as mesmas vidas...
    É muito triste!
    Em 2009 eu fui pra faculdade entregar um trabalho e estacionei meu carro há uma rua depois, foram 15 minutos lá. Quando voltei pra pegar eu carro ele tinha sido roubado...
    Como eu trabalhava num setor do banco que só atendia advogados, fiz muitas amizades com advogados, funcionários públicos das justiça do trabalho, infância... delegados, policiais...
    Fiz contatos com as pessoas conhecidas pra me ajudarem a resgatar meu carro e saímos atrás tbm eu, meu primo, e dois amigos... passamos a madrugada varrendo a cidade! A certa altura da madrugada, por volta das 2 da manhã se me recordo bem, fomos para a mina 4 (um bairro bem barra pesada aqui, que pode ser chamar de favela). Recebemos uma informação da polícia que marginais tinham feito um assalto com meu carro e ido pra lá... entramos em ruas escuras, muitas meninas novinhas, menores de idade se prostituindo, usando crack, meninos com 11 anos armados... sujeira nas ruas, casas escuras com 3 a 4 pessoas na frente fazendo ponto... até que encontramos a polícia e nos parou e disse: daqui pra frente vcs não vão que podem despertar traficantes e dar problemas maiores! Andem com o farol baixo, com os vidros meio abertos e devagar... gente eu senti tanto medo ao mesmo tempo tanta tristeza por ver uma realidade como aquela... Quer dizer não era uma cracolândia, era minha pequena cidade de 190 mil habitantes, como realidade sub-humana!
    As vezes me pergunto oque deve ter acontecido com essas meninas?
    Com toda a certeza não frequentaram uma escola, não tiveram chances de ter uma pouco de estudo para conseguirem um trabalho digno, sair daquela realidade...
    Não sei se é o final dos tempos, mas é muito triste e chocante!
    bjs meninas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Sharon, é muito triste mesmo... Nessas minhas loucuras de sair atrás do homi já vi tanta coisa triste... Já fui em algumas favelas aqui e em MG e até na própria cracolândia (não entrei no fluxo, encontrei com ele na porta da estação que é tipo do outro lado da rua)... O que acho mais triste é ver crianças vivendo nessas condições de miséria, muitas já trabalhando pro tráfico... ou se vendendo, usando... enfim, é horrível só de pensar...
      No caso da cracolândia eu acho que esse programa da prefeitura é só pra esvaziar as ruas mesmo, porque tirando os barracos eles tem que enfiar esse povo em algum lugar senão vão migrar pros bairros... Apesar de dar moradia e emprego todo mundo sabe que a grande maioria usa o salário para comprar droga. O programa do estado que tem internações em tese é melhor, mas que nem você falou e depois, ir pra onde? O ideal era a pessoa passar por essa internação e depois ir para o de braços abertos, que dá abrigo e emprego. Mas e a força de vontade pra fazer tudo isso né? E outra, se todo mundo resolvesse ir pras clínicas não ia ter vaga pra todo mundo...

      Excluir