quinta-feira, 30 de abril de 2015

O mundo está doente

Por Kel.

O mundo adoeceu, pirou!!!

Não somos capazes de viver em harmônia, insistem em dizer que isso é do ser humano, que é assim mesmo, que é utopia imaginar um mundo vivendo em paz...

O que tentamos fazer para amenizar os problemas é viver apagando incêndio, lutamos...guerreamos...contra: religiões, fome, drogas, desigualdade social, direitos...guerreamos

Guerreamos e lutamos...COMO VIVER EM UM MUNDO EM PAZ...se a única solução que nos é viável é a GUERRA?

Se todos desistissem de guerrear?....Se deixassem o curso seguir?

Se todos conseguissem simplesmente amar....talvez o amor um dia iria envergonhar aquele que humilha....aquele que usa do poder e da força pra dominar!!!

Nossa luta, nossa guerra apenas alimenta o sistema vigente....apenas da mais poder a eles....apenas nos aprisiona mais, nos fazendo dar murros em ponta de faca...

Desperta o amor dentro de você

Daqui não levamos nada mesmo...

7 comentários:

  1. O problema que eu vejo de deixar o curso seguir é que infelizmente o "sistema" (demiurgo, matrix, etc...) não permite que isso aconteça... Eles controlam tudo e fazem as coisas serem como são... Por isso as pessoas que tem consciência disso ou não, mas que sentem vontade de lutar devem sim lutar. Lutar que eu falo não é com violência, mas pelo amor, assim como Gandhi... Fazer pequenos gestos no dia a dia, ou se engajar numa causa social... Enfim, é trabalho de formiguinha mas se uma pessoa for ajudada já valeu a pena... Se ninguém tivesse lutado no passado hoje provavelmente nós mulheres ainda não poderíamos votar ou trabalhar... Mas para esse tipo de luta, é preciso amar o próximo. Do contrário, pra que né? Ficar na zona de conforto é muito mais fácil.

    ResponderExcluir
  2. Talvez eu não tenha dito da forma correta, não digo que não se deve fazer nada, não se deve lutar no sentido de guerra, lutar separando irmãos, quando digo que devemos apenas despertar o amor é isso...despertar o amor não seria viver zen...mas por amor auxiliar...mas por amor...contagiando com amor...e não guerreando...como vc disse pequenos gestos no dia a dia...uma causa social...e não alimentar ainda mais a divisão... ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendi que você quis dizer isso! Só achei que valia a pena complementar =) Agora relendo ficou parecendo mesmo que eu estou querendo dizer que você disse que seria não fazer nada... Mas não foi isso rsrsrs.... que confusão rsrs

      Excluir
  3. Concordo plenamente!
    É exatamente por isso que acho que as igrejas tem uma papel fundamental na sociedade, por exemplo os grupos de jovens (qualquer igreja) se reúnem para arrecadar donativos, para fazerem limpezas em bairros onde há enchentes por causa do lixo... enfim qq coisa assim nesse sentido... despertam os jovens das partes menos favorecidas, onde há criminalidade marginalidade...
    Eu creio que seja por ai o caminho, as pessoas deveriam despertar esse amor nelas próprias e começar o incentivo a mudança com as crianças e pré adolescentes... ensinar esses jovens a ter uma outra visão da vida...
    E junto irmos às ruas lutar contra esse governo corrupto, que continuem roubando (que isso não vai acabar nunca) mas que façam creches para que as crianças não fiquem em casa, sozinhas, sem um direcionamento, aprender a viver na rua, sem educação, sem princípios... Lutas para que se criem mais obras sociais, isso além de ajudar gera empregos... lutar pela educação, profissionalização...
    Não adianta apenas dar amor ao próximo, deve ser dar condições para que as pessoas melhores suas condições de vida, suas realidades, seus desejos e conceitos... e isso e educação é incentivo... Não adianta fazermos uma reforma política, se não houver pessoas capacitadas e com amor ao próximo para fazer acontecer...
    Mas uma coisa é certa se cada um cidadão que trabalha, quem tem o mínimo de condições de sobreviver e ter um pouco de conhecimento e educação fizer sua parte em benefício do próximo as coisas vão melhorar... a passos de tartaruga, mas tendem a melhorar!
    Lembro que quando entrei na faculdade de economia, 60 % dos meus colegas e eu queríamos ser políticos, éramos visionários... queríamos mudar o mundo. Depois vendo tanta corrupção, tanta bandidagem os conceitos e a visão mudam, se um ao quarto período ainda queria ser político era muito!
    Eu tinha só 17 anos.
    Hoje ainda tenho essa vontade, mas vejo que se eu fizer aqui na minha comunidade, ajudar um adolescente a voltar para escola já estou sendo vitoriosa... Então acho que é isso que devemos pregar... a ajuda, o amor a mudança daquilo que nos é possível... um aqui, outro ali... juntando, serão grandes feitos!!

    ResponderExcluir
  4. Sharon, isso que você falou das igrejas achei muito bacana... Infelizmente tem igrejas que não tem nada disso... Pelo menos a que eu ia na juventude (Maranata) era só culto, louvor e convidar o povo pra ir na igreja, não faziam nada pelo social, pela comunidade, nada nada... Acho que por isso que me revoltei kkkk... Na católica quando eu fui também (sei que nas católicas dependem do padre, da paróquia, sei que tem muitas que ajudam).

    ResponderExcluir
  5. É... de fato é bem frustrante quando buscamos um espiritual em uma determinada igreja e elas não faz sua parte social... não querendo criticar, mas já criticando, acho que ai não existe Deus! Querem mais pessoas apenas para atrair pessoas que doem seus dízimos, suas ofertas e não fazem nada em prol do próximo.
    Aqui as que frequentei sempre tiveram... Luterana renovada, espírita, Esperança Cristã e agora a Assembléia de Deus!
    E a católica, fora as doações nunca vi ter grupos que saiam p ir em bairros oferecer serviços...
    Estou querendo me envolver mais nas obras da igreja, há muito para ser feito!

    ResponderExcluir
  6. Dependendo da paróquia tem sim Sharon... Tem a pastoral da saúde, tem grupos de jovens, a casa da esperança que é clínica de dependentes químicos é católica... além das doações de cestas básicas. Ah, eles também cedem espaço para grupos como NA, Amor Exigente, etc...

    ResponderExcluir