segunda-feira, 27 de abril de 2015

Eu de novo

Por Kel.

Esses dias andei pensando: vou escrever um romance....vai q...eu disparo de vender e fico rica...kkkk

Uma ficção....de como é difícil aceitar não ter o que se quer, e como descobrir uma nova maneira de viver.

Acabei de ler dois livros que estão vendendo a beça, romance adolescente: Se ela ficar e a continuação Pra onde ela foi.

Por um momento voltei aos meus vinte e poucos anos e aos meus sonhos românticos...rs...e me dei conta de como eles estão looooonnnnnggeeee de se realizar....a realidade é outra bem diferente, tá mais pra drama ou história de superação...rs

Que coisa né....em alguns momentos da vida nos pegamos paradas olhando pra quem fomos, pros velhos sonhos...e da uma saudade.....uma saudade do que poderia mais não foi...rs...

Bate uma tristeza e uma visão de mundo assustadoramente real, que por um breve momento tira toda a inocência desse momento...e te chama a responsabilidade....a luta...ao crescimento...a vida...ao agora

E o meu agora, embora tenham momentos maravilhosos, de contado com Deus, com seu amor, também traz grandes desafios....de ter que sonhar com os pés no chão...






35 comentários:

  1. Me identifico totalmente com esse seu momento (embora faça algum tempo que não leio romances adolescentes rs). A minha cabeça era um eterno romance adolescente rs... A dura realidade me fez amadurecer e ver que as coisas estão bem longe do sonho... Ainda penso que talvez um dia a gente tenha uma relação mais normal, uma família, etc... Mas será? Quando olho pro agora vejo que não tenho muitos motivos para acreditar nisso. Embora meu coração queira e teime em meio que acreditar nisso. Em partes. Muitas vezes me imagino também sozinha, vivendo bem e feliz, realizada e plena. Leve, tranquila (que nem a argentina rs). Sei lá... kkk

    ResponderExcluir
  2. Bom dia

    Essa história toda de dependência química me faz sentir uma enorme falta da sensação de paz! Tem dias que estou melhor, outros pior, mas paz mesmo faz tempo q não sinto... Sei que não sou responsável por ele, sei q tnho que me dedicar a mim em primeiro lugar, mas é difícil dormir e imaginar q a pessoa q vc ama, ou sei lá oq nem sei mais s é amor, está bem... se está em casa, em segurança, longe de gente má, longe do risco de ter um tréco...
    Dói ver um cara inteligente, q vc tem certeza q se ficar longe dessa merda consegue subir na vida de novo.
    Mas ele acha q consegue largar sozinho, só q esse largar sozinho tem uns 15 anos já. Internou uma vez em 2008, NA, psiquiatra, remédio, redução de danos... tenta tdo, massss nada ele segue firme, acha q pq ta bem "sarou", q pode ter a vida de antes. Beber, amizade com quem não dev, mentir...
    Acho q eu não desisti ainda pq uso a doença dele como desculpa para continuar e tbem tenho medo q ele morra, tenho pavor dsso.
    Enfim... isso foi um desabafo rs.

    Bjs

    Duda

    Obs. "E." temos mais uma coisa em comum, tbem sou engenheira rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, seu comentário parece que fui eu que escrevi a uns meses atrás... e o seu homi é idêntico ao meu kkk... Bem que falam que as histórias se repetem mas poxa! Quer um conselho? Coreeee rs... Desculpe a brincadeira, é só pra descontrair rs... Mas vamos manter contato, sua história tem muito em comum com a minha MESMO.

      Excluir
    2. Me identifico!
      Falei isso há pelo menos uns 2 anos e meio atrás...
      Querida, nada que vc fale, que vc faça, que vc tente irá mudá-lo! Eles só mudam sozinhos... ou pelo amor, vendo vc e os pais sofrerem e que ele mesmo sofre e que esse é um caminho ilusório... ou pela dor, os famosos 3 C's clínica, cadeia ou cemitério.
      É triste e desencorajador, sim... mas mesmo com tudo esse tornado nas nossas vidas, há vida lá fora! Vc pode se amar, ser feliz, ter forças para seguir...
      Busque ajuda no Naranon... os grupos são libertadores, se puder terapia individual... aqui nos blogs e conheça a doença e se conheça! A felicidade está em nós, não no outro. Nossa felicidade independente das escolhas do outro!
      Não cheguei a esse patamar, mas aprendemos depois de muita pancada o caminho... estou em busca!
      TMJ
      bjsss

      Excluir
  3. Ahhh viajei no desabafo e perdi o foco kkk

    Estou vivendo essa história tem 1 ano e já sinto uma enormeeeee saudade de mim msma... eu me achava cobra criada kkk, mas era mto inocente na verdade, nada vivida, não enxergava as mentiras das pessoas em geral, inclusive de gente próxima a mim, hj dói ver q as pessoas não são como eu pensava... Dói ver q meus sonhos eram totalmente adolescente rs, a culpa nem é do meu "homi" kkk.
    Não sou mais uma menina, tnho 36 anos, to bem apanhada ainda rs, bonita, mas tnho medo da solidão. .. vivi por mto tempo assim, tnho mtos traumas tbem... Já fui obesa, fiz redução, tnho uma história bem complicada antes dele aparecer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, eu acho que já disse aqui, acredito que toda codependente já tinha tendência a virar uma bem antes de conhecer o adicto. Eu antes vivia atras de um namorado que me completasse. Na verdade, eu buscava um sentido na vida. Procurei nas igrejas e nada, então passei a procurar nos homens. Me sentia sozinha então projetava nos namorados tudo que me faltava: companhia, amizade, carinho, amor, felicidade. Enfim... Quando uma mulher assim insegura, traumatizada, sem auto estima, encontra um dependente químico junta a fome com a vontade de comer kkk e o resultado é a codependência.
      Que bom que tem saudade de você. Mate essa saudade. Se permita fazer o que gosta. Tire horas, dias, só pra vc. Não se importe se ele vai gostar ou não. Se ame... Por mais que você tenha medo dele morrer, aceite que pra isso acontecer ou não, NÃO depende de você. Você não vai conseguir evitar. Só ele pode. Sei que é difícil ouvir isso e aceitar, no fundo bate aquele "mas ele precisa de mim". Eu sei, relutei muito tempo pra reconhecer que não dependia de mim, que eu não podia fazer mais nada...

      Excluir
  4. Olá Duda...seja bem vinda...trabalho tb na área de construção civil..kkkk...é viver perto de uma pessoa que consegue ser o melhor e o pior...é realmente um grande desafio...rs..só quem vive pode imaginar bjus

    ResponderExcluir
  5. Alguém aqui conhece um homem com 65 anos de idade que tenha usado drogas e tenha parado completamente ha 30, tem filhos, viveu uma vida linda e sóbria, construiu familia e está aposentado, tranquilo e feliz? Eu não.

    Janete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim!
      Como vcs sabem meu pai era traficante e usuário. Era na época o maior traficante do sul, falo em estados tá SC e RS...
      Na primeira clínica que internei meu amado o responsável lá era "amigo do meu pai" hoje ele tem perto dos 65 anos...
      Saiu da dependência aos quase senão 40 anos...
      Voltou a faculdade, se formou em biomedicina, fez pós e doutorado em DQ, medicamentos, tratamentos etc...
      Ao me ver disse, vc me lembra uma pessoa do passado...
      Algum tempo depois ele e meu dq conversaram e ele mencionou de quem eu era filha...
      Quandoo me viu só faltava me pegar no colo... eleadora meu pai.
      Então ele saiu, reconstruiu sua família, hj ajuda DQ e não se aposenta sei lá porque...
      Ah, uma curiosidade e particularidade...
      Sua esposa caiu na dependência, tentando fazer com que ele parasse... hoje ela ainda é dependente, ele cuida dela...
      Um dia comentou comigo e com meu dq... aqui na clínica eu descanso em casa eu trabalho...

      Depois tenho um outro exemplo de um outro amigo do meu pai, que faz parte da minha igreja, ele é pastor...
      Se converteu na prisão, quando saiu perto dos 40 foi assediado por traficantes para servir de mula, sua família passava fome, mas ele seguiu firme... se converteu hoje é pastor, cuida do desafio jovem da nossa igreja e muitos outros trabalhos com dq
      Hoje ele deve ter perto dos 60 anos (tem a idade do meu pai)

      E tenho o marido da minha prima limpo há 18 anos...
      Saiu da DQ perto dos 35 hoje tem cinquenta e poucos...
      No auge da ativa pensava em matar a esposa e o filho...
      hoje tem 1 industria, 5 filhos lindos, ama minha prima e bom marido...
      E tbm se converteu e hoje prega na igreja

      Janete... existe! Basta acontecer o famoso despertar... se for verdadeiro e de coração... Deus dá o melhor caminho para a recuperação!

      Bjsss amada

      Excluir
    2. No início da caminhada de recuperação de meu ex-DQ, frequentei salas de NA junto com ele.
      Conheci alguns, sim. Limpos há mais de 20 anos.
      Todos beirando os 50 anos.
      Além disso, meu ex-concunhado também está limpo, sereno e em recuperação há cerca de 15 anos, ou mais.
      Mas, é sempre importante lembrar que isso depende, única e exclusivamente, da boa vontade deles de permanecerem limpos e encontrarem uma nova maneira de viver.

      Excluir
    3. No início da caminhada de recuperação de meu ex-DQ, frequentei salas de NA junto com ele.
      Conheci alguns, sim. Limpos há mais de 20 anos.
      Todos beirando os 50 anos.
      Além disso, meu ex-concunhado também está limpo, sereno e em recuperação há cerca de 15 anos, ou mais.
      Mas, é sempre importante lembrar que isso depende, única e exclusivamente, da boa vontade deles de permanecerem limpos e encontrarem uma nova maneira de viver.

      Excluir
  6. É eu na verdade não conheço ninguém com mais de 50 anos...que tenha usado ou use drogas...acho que a única pessoa em torno dessa idade que posso falar que conheço é meu pai ....enfim...não tenho como ter opiniões..do que eu não conheço...e os relacionamentos que conheço de tantos anos...(a não ser aqueles que passam em reportagens) na verdade se estendem por zona de conforto...talvez o teu madrinha possa ser considerado um relacionamento de sucesso...mas tb não conheço a fundo pra opinar...enfim não conheço casal algum que viveu o tal "feliz para sempre"

    ResponderExcluir
  7. Será q o problema todo é esse? Trab na área da construção civil? Eu sempre achei q só tinha doido nessa área kkk.

    Janete, vc não acredita na recuperação de um dq?

    Em muitos momentos eu não acredito... qd entrei nessa história eu não sabia q ele era dq, estava numa fase legal, mas de uns 6 meses pra cá foi só piorando... ta num momento péssimo.

    Duda

    ResponderExcluir
  8. Não sei meninas...eu estava lendo o que vcs escreviam e me veio na cabeça essa pergunta.... casado ou não...alguém de nós já viu alguém de idade e com saúde que tenha usado drogas na juventude, mas usado de verdade, de fundo de poço como os nossos, não experimentado maconha apenas, e que tenha parado e feito uma boa vida? De repente me bateu isso e fiquei aqui remoendo os pensamentos....pelo menos eu, nunca vi. Alcoolistas, eu já vi, mas que apenas bebiam. Pelo menos uns 3 ou 4 eu conheço.

    Janete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janete, os casos que mencionei acima são casos de uso intenso e de fundo de poço, com direito a prisões, crimes etc.

      Excluir
    2. Janete, os casos que mencionei acima são casos de uso intenso e de fundo de poço, com direito a prisões, crimes etc.

      Excluir
  9. madrinha...olha parece uma visão meio pessimista minha...mas quando me lembro das pessoas com mais de 50 anos...todas a maioria pelo menos...me passam cansaço da vida....coisa triste né

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk não, assim não....eu conheço alguns cheios de vida....o pessoal de 50 ou mais tá cheio de gás pra queimar! Os bailes de terceira idade e as excursões do SESC estão aí pra provar! A velharada ta curtindo a vida tanto que as empresas de turismo estão apostando nessa faixa, quem mais viaja e curte são eles, opa, somos nós. Mas o que me clareou de repente é que não vejo dependentes quimicos que tenham chegado a essa idade em boa forma ou que tenham se recuperado, que tenham voltado a uma vida "normal", com emprego, casa, talvez familia, filhos, aposentadoria....não to vendo nenhum. Se nossa esperança é que eles façam, que cheguem, cadê os que chegaram?????

      Excluir
    2. Gente, eu sei que a porcentagem de dependentes que se recuperam e passam a ter uma vida normal é bem pequena, mas tem outra coisa: a quantidade de pessoas que usam drogas pesadas hoje, mais especificamente cocaína e crack, a facilidade que se tem de conseguir essas drogas hoje é muito maios do que a 40, 50 anos atrás... por isso é raro ver alguém que tenha hoje 50 ou 60 anos que tenha usado crack desde os 20... A epidemia mesmo de crack não tem tanto tempo assim... pelo menos no Brasil. Posso estar errada, não tenho certeza de datas mas acho que é mais ou menos isso...

      Excluir
  10. kkkkk que bom...pq me peguei pensando nas pessoas próximas...e só me lembrei de pessoas meio de saco cheio da vida..kkkk.....é madrinha...matematicamente falando sabemos que menos de 3% se recuperam e conseguem seguir uma vida normal....a grande maioria...se perde....não devemos deixar de ter esperanças..mas devemos ter beeeemmmm claro...que não da pra deixar nossa felicidade depender disso...rs

    ResponderExcluir
  11. Amo ler livros principalmente romances espíritas... viajo literalmente nas histórias é emocionante ler...fico eufórica e é uma das coisas que realmente me dão prazer e me distraí é ler.... me faz voltar ao passado de quando eu era jovem cheia de ilusões, me faz ser mais madura no presente em que eu vivo e me permite sonhar com um futuro melhor. . bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla... viajo tbm... leio muito Zibia Gasparetto... ontem terminei mais um, Nada fica sem resposta!
      bjs

      Excluir
  12. Bom, em 1980 quando eu andava pelo centro de SP já se via a cracolândia, menor do que é hoje, mas ja estava lá e era horrivel, isso já se vão 35 anos....o pai da minha sobrinha que tem 35 anos morreu de overdose ha mais de 20 anos, usava cocaina....meninas, tinha sim usuarios pesados, eles não chegaram até aqui ou então estão bem escondidinhos.

    Janete

    ResponderExcluir
  13. Ata... Janete, além desses que se recuperaram e vivem bem...
    Tenho dois exemplos ruins...

    Tem uma conhecido do meu dp que tem 52 anos e tá na ativa...
    não tem mais os pais, já faleceram (acho que de desgosto... eita língua!! kk) Nunca casou não tem filhos e atormenta a vida da dona do salão que vou. Amiga tbm da minha madrinha, presenciei cenas terríveis as quais passei tbm com meu adicto.

    Uma outra mulher conhecida minha, tbm vai no salão o marido tbm está na ativa aos 47 anos
    Ela já deu um tiro nele no auge da sua insanidade...
    Brigaram, se agrediram ela pegou a arma e atirou, foi presa...
    Eles tem dim dim.. então saiu rapidinho... mas a vida deles é um inferno! E ela o ama! estão casados há 25 anos

    E me lembra tbm o caso de um vizinho de uma colega de trabalho, que com 50 anos tbm dp - cocaína tbm
    Teve um começo de infarto, o médico disse se continuar morre... ele parou!
    Isso fazem uns 2 anos

    Bom... minha cidade tem 190 mil habitantes...
    Do meu circulo de conhecidos na faixa etária referida temos 3 pessoas que sairam e estão bem hj com os seus 55 a 65 anos
    E temos 2 continuam no uso
    E um que parou senão ia morrer
    Se enquadra no 3%...

    bjss

    ResponderExcluir
  14. Também conheço algumas pessoas que estão limpos há anos, reconstruiram suas famílias e hoje se dedicam em ajudar outros dependentes químicos. Como no caso da sharon eles são pastores. Alguns podem achar meu comentário preconceituoso ( mas não é acreditem) é só a minha forma de pensar atualmente, eu não acredito em recuperação sem Deus, pode ser a melhor clínica a pessoa pode ter a maior força de vontade se o dependente não se voltar (se aproximar, pedir ajuda) para Deus, não existe recuperação... acredito que além de ser um problema " físico" a dependência química é um problema espiritual, daí cada entende da, sejformaa forma que aprendeu a entender, relacionado o vício a um " espírito maligno" ou problemas "vidas passadas" e etc.... vício é tudo aquilo que foge ao nosso controle e que causa dano ou constrangimento é uma força muito além do que podemos imaginar, falo isso porque quando converso com meu dependente ele diz que é impossível imaginar o tamanho da força que o atrai para as drogas, mesmo querendo parar (força de vontade e tratamentos) quando vem a abstinência nada consegue impedir de usar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla eu concordo em genero, numero e grau....os 3 ou 4 alcoolistas que eu conheço que chegaram a uma certa idade tendo parado ha pelo menso 20 ou 30 anos e conseguiram realmente refazer a vida, são pessoas que se engajaram em alguma igreja e lá estão desde sempre.

      Janete

      Excluir
  15. Usei a expressão " espírito maligno", mas a expressão correta é "espírito obsessor". Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi meninas...nossa que bom saber de histórias de sucesso...eu particularmente conheço apenas virtualmente e estão ai 5 ou 10 anos limpo...mais é muito bom saber que vcs conhecem de perto ao vivo e a cores...Carla...tanto faz as palavras....eu entendo o que quiz dizer...e também acredito que não só a dependência quimica mas todas as doenças tem origem espiritual....que afeta o emocional e por fim o fisico...é tudo uma coisa só....fique a vontade em se expressar no que acredita da forma que quiser...não vou julgar...fiz aquele comentário no post anterior pq quando citei a palavra umbanda pra uma pessoa evangélica ela me cortou e disse me respeita não pronuncia essa palavra perto de mim..pq isso é muito pesado...ai eu fiquei meio revoltada mais já passou...kkk cada um cada um né...e Sharon...saiba que não fui eu que não desisti do meu casamento...há eu desisti várias vezes..kkkk costumo brincar que eu larguei a corda mas ela se prendeu no meu pé...os dqs tem suas particularidades e no caso do meu homi...nunca vi igual...não sei se é bom ou ruim...mais nega não larga o osso...kkkk...ele simplesmente criou raiz..kkkk....e só sai se eu catar o machado e derrubar...as vezes eu queria ficar sozinha....um tempo...mas como já disse pesando tudo...tudo na minha vida e na minha relação com ele...ainda não é a hora...sei lá é como sinto....e obrigada a todas pelo carinho

      Excluir
  16. Obrigada Kel!!! vocês são demais!!! Bjs

    ResponderExcluir
  17. Legal gente! É sempre bom aprender... Todas tem razão. É verdade Janete que não é um problema tão recente assim. Só que atualmente piorou muito então está mais nítido. Eu me lembro de um colega, ele é um pouco mais velho que eu, ele me contou que quando era mais novinho, aquele negócio de adolescente curioso, a galera juntava pra fumar maconha, beber, etc... aí uma época começou a onda do mesclado. Na época, ele diz, eles não tinham essa noção (e até certo preconceito) que se tem hoje de que crack é droga de noiado, pobre, mendigo... Hoje muita gente se afunda em outras drogas mas evita o crack pela má fama que ele adquiriu com o passar dos anos e o crescimento das cracolândias. Como diz a Kel, cocaína já é considerada droga de recreação. O homi tbm quando começou foi assim, de maneira inconsequente e irresponsável... só que uns param, outros não...
    Sobre a questão espiritual, concordo totalmente. O vício é consequência do uso e o uso é motivado por algum vazio. Alguns tentam preencher esse vazio com drogas, outros com sexo, outros comprando sem parar, outros comendo, outros trabalhando... Mas a verdade é que esse vazio só se preenche com Deus, com o Todo, com o Eu interior... Dê o nome que quiser, a religião que quiser, desde que a pessoa se sinta preenchida de amor, é o que importa, pq Deus é isso: puro amor.

    ResponderExcluir
  18. Janete, pesquisei e realmente não tem todo esse tempo que o crack é usado no Brasil... a cocaína sim é mais antiga. Olha:


    MATÉRIA EXTRAÍDA DO SITE DO
    MINISTÉRIO DA SAÚDE

    O crack surgiu nos Estados Unidos na década de 1980 em bairros pobres de Nova Iorque, Los Angeles e Miami. O baixo preço da droga e a possibilidade de fabricação caseira atraíram consumidores que não podiam comprar cocaína refinada, mais cara e, por isso, de difícil acesso. Aos jovens atraídos pelo custo da droga juntaram-se usuários de cocaína injetável, que viram no crack uma opção com efeitos igualmente intensos, porém sem risco de contaminação pelo vírus da Aids, que se tornou epidemia na época.

    No Brasil, a droga chegou no início da década de 1990 e se disseminou inicialmente em São Paulo. “O consumo do crack se alastrou no País por ser uma droga de custo mais baixo que o cloridrato de coca, a cocaína refinada (em pó). Para produzir o crack, os traficantes utilizam menos produtos químicos para fabricação, o que a torna mais barata", explica Oslain Santana, delegado da Polícia Federal e coordenador geral da Polícia de Repressão a Entorpecentes.

    Segundo estudo dos pesquisadores Solange Nappo e Lúcio Garcia de Oliveira, ambos da Universidade Federal de são Paulo (Unifesp), o primeiro relato do uso do crack em São Paulo aconteceu em 1989. Dois anos depois, em 1991, houve a primeira apreensão da droga, que avançou rapidamente: de 204 registros de apreensões em 1993 para 1.906 casos em 1995. Para popularizar o crack e aquecer as vendas, os traficantes esgotavam as reservas de outras drogas nos pontos de distribuição, disponibilizando apenas as pedras. Logo, diante da falta de alternativas, os usuários foram obrigados a optar e aderir ao uso.

    ResponderExcluir
  19. Gentem... vcssão demais!! muita troca de informações!!Muito bom!!
    Então.. é bem assim mesmo, as pessoas que conheço pessoalmente que saíram do vício, se livraram da obsessão através de Deus, se engajando em uma igreja (geralmente e 100% nesses casos que mencionei em uma igreja evangélica, onde a linha é mais dura, ou seja, ou é Deus ou é o mundo, ou vc muda 100% de vida ou vc vive em pecado conscientemente) E sou a favor disso! Enquanto houverem igrejas, haverão pessoas dispostas a seguir oque é certo e ajudar a resgatar almas, ou seja, ajudar o próximo.
    Meu DQ frenquentava a igreja comigo, ele que me levou a mudar de igreja, foi com ele para a Assembléia de Deus, que é muito rígida e rigorosa como vcs devem saber... eu frenquentava a Luterana Renovada que é muito mais light em questões de hábitos e costumes. Não prego nenhuma igreja, mas sem Deus não somos nada. Eu me sinto muito bem onde estou. Faço coisas que gosto como beber uma cervejinha, uso calças, uso maquiagem, uso acessórios... pq creio que não esteja prejudicando o próximo e isso não irá afetar na minha fé! E meu DQ sempre me falou sigo essa denominação pq é 8 ou 80 então quando eu mudar vou ter que andar um caminho reto... infelizmente ele ainda não quis isso de todo coração, não despertou... Oro por ele todos os dias, não para que seja pastor, mas para que desperte e siga nos caminhos da igreja ali as amizades mudam, a palavra liberta e renova os conceitos e o modo de viver... assim as chances de seguir firme é muito maior!
    bjksss

    ResponderExcluir
  20. Muita gente consegue indo pra uma igreja evangélica. É isso que você falou, a pessoa precisa mudar radicalmente e a rigidez de certas igrejas ajudam nisso. Na teoria bastava a pessoa se conscientizar e se espiritualizar, fosse em qualquer religião. Podia ser até sozinho né porque Deus tá dentro da gente... A igreja nada mais é do que uma reunião de pessoas com o mesmo propósito que é de buscar a Deus, mas ele tá dentro de cada um de nós, não na igreja (templo físico). Porém os dependentes são fracos espiritualmente... se agarraram nas drogas e se afundaram. Precisam se apegar em algo que os dê força. Precisam de algo radical para mudar de vida de vez. Senão fica que nem o meu, quer parar com a droga mas continuar tomando cerveja igual "todo mundo normal" faz.

    ResponderExcluir
  21. Olha ameiii a diversidade desses comentários..kkkkk somos todos UM...rs....

    ResponderExcluir
  22. Acredito que a cracolândia, como eu chamei, fosse mais uma cocainolândia, mas eram as mesmas ruas com as mesmas caracteristicas, dependentes quimicos, menores de idade, andarilhos, prostitutas.....

    Janete

    ResponderExcluir