quinta-feira, 5 de março de 2015

Resumo do que me aconteceu enquanto estive sumida...

Por E.

Olás... Tanto tempo sem postar, resolvi aparecer para contar o que aconteceu nesse tempo sumida... Apesar que ninguém sentiu a minha falta... rsrs... Brincadeira...

Bom, no carnaval o homi foi pra clínica tomar a 2ª dose de ibogaína, mas não sem antes a mãe dele vir e levá-lo pela mão... Não sem antes também me pedir, praticamente implorar que eu fosse com ele. Eu não fui pois já estava de passagem comprada para o dia seguinte ir para a casa dos meus pais, viagem essa que eu já estava adiando a 6 meses... Ele insistiu muito, disse que não estávamos mais juntos mas que eu poderia ao menos fazer essa última coisa por ele. Eu disse que não poderia, que não adiaria novamente, até porque quando eu me dispus a ir com ele na clínica ele me enrolou e falou que não precisava, depois saiu pra rua e foi usar novamente. 
Fui pra casa dos meus pais, foi muito bom, mas passou rápido. Quando voltei e cheguei na rodoviária ele tava lá me esperando. Tinha falado com ele no face no dia anterior e ele disse que me esperaria lá pra me contar como foi a experiência (principalmente com a ayahuasca, pois dessa vez ele se permitiu isso) e que não desistiria de mim. Também estaria voltando da clínica no mesmo dia, e tinha que vir resolver as questões de demissão do trabalho dele. Quando nos vimos balancei. No começo falamos em manter do jeito que tava, sem nenhuma relação, para ver o que ia dar. Mas depois isso foi ficando difícil de aceitar com ele ali na minha frente (e vice versa), e acabamos concordando em namorar a distância. Ele ficou de quinta até segunda comigo, resolvendo suas pendências. Nesse tempo eu meio que regredi... Assimilei culpas que não eram minhas, ele falando coisas como "tenho medo de ficar com você, você não está me passando confiança, tenho que saber se você quer isso mesmo pra você, se algo ruim acontecer, se você vai me ajudar", etc. Ele se assustou com minha mudança de postura, por não ter ido atrás dele na rua e inclusive por algumas vezes não ter deixado ele entrar em casa (quando estava ameaçando minha segurança). Eu fiquei oscilando, tinha horas que me sentia mal e chorava e só queria ele por perto, de qualquer jeito, e em outras eu ficava firme e falava: "não, eu não sou culpada pela sua recaída, não, eu não poderia ter evitado"...
Mesmo assim, antes dele ir embora ficou combinado entre nós que ele voltaria a morar aqui comigo. Que só ia na casa da mãe passar uns dias mas no fim de semana nos veríamos e ele voltaria. Na segunda pós carnaval, quando ele realmente foi, parecia que parte de mim tinha ido junto, foi horrível, adoeci (de verdade!). Tive dor de garganta, febre, dor de cabeça, mal estar...
No decorrer da semana os sintomas foram diminuindo, mas não passaram... No decorrer da semana também fui falando o que estava travado: que eu queria ficar com ele mas tinha dúvidas sim, tinha medos sim, que eu não posso dar uma garantia como ele queria, que eu podia até colocá-lo de pé mas quem tinha que andar era ele... etc. No começo ele aceitou isso numa boa, depois começou a remoer o assunto, a por empecilhos, a falar que já que tô cheia de dúvida que isso deixava ele inseguro, e que assim não dava...
No fim das contas, ele disse que não era mais pra eu ir lá na casa dele no fim de semana. Eu tentei fazer ele enxergar que aquilo não fazia sentido, que desse uma chance pra gente conversar, enfim... Mas eu era como um cachorro latindo... Cansei de latir e dei livre arbítrio. Não quer que eu vou? Tá bom, não vou. E fiquei bem com isso!
Só que aí, adivinhem o que aconteceu? Na sexta a noite ele recaiu... No sábado bem cedo, umas 6h, ele me liga, diz que recaiu, parece desesperado, diz que a mãe dele falou que não quer mais ele lá... etc... Pede pra eu ir, mas só se eu quiser. Eu digo que vou dormir um pouco primeiro, mas aí tento e não consigo dormir... Aí me levanto, tomo café, lavo a louça da semana que tava acumulada e resolvo ir. Eu senti vontade mesmo de ir, não fui só porque ele pediu...
Enquanto eu esperava o ônibus na rodoviária, ele tava lá tomando ayahuasca e me ligou pra contar, disse que sentiu como se Deus desse vários sinais a ele através das pessoas mas ele não estava vendo... E depois disse que viu uma luz branca muito forte, como se o teto do quarto não existisse e ele só visse essa luz divina...
Chegando lá, ele tava muito empolgado com o que viu com a ayahuasca. Eu não estava feliz com a recaída, claro, mas também não estava triste, eu tava bem... E fiquei feliz com as coisas que ele disse que viu com a ayahuasca, por ter tido uma experiência mais espiritual, mas também não estava iludida...
Foi bom estar com ele, mas senti que sei lá... não faz mais tanta falta como antes... Nem a atração física é tão forte mais como era (e como é a dele por mim). Cheguei em casa e fiquei tranquila de estar sozinha, sem drama... Não senti vontade de ligar toda hora, não tem nem assunto...
No domingo eu falei alguma coisa do tipo que aprendi alguma coisa por não estar comendo carne (nem lembro o que era), aí ele falou assim que estou muito aprendiz de tudo, mas pra eu tomar cuidado com isso, pra não ficar demais, que tudo que é demais fica chato... rs... Eu nem liguei...
Mas vejo que ele é daqueles que não quer expandir sabe, só quer ir até certo ponto. No caso dele só quer "curar" a dependência química... Eu mandei vídeos pra ele, textos, para ver se abre a mente, se se interessa por algo extremamente interessante, mas ele não vê nada...
Não tem nem interesse de abrir...

Vê coisas maravilhosas com a ayahuasca, fica maravilhado, mas aí passa o efeito do chá e cadê a felicidade? Ela some a medida que retorna a realidade... Não adianta falar: "a felicidade tá dentro de você". Não desperta, não enxerga...
Esses dias estávamos muito assim sei lá... estamos ficando mais distantes, sem assunto... Por vezes ficamos mudos no telefone, sem ter o que falar... As coisas que me interessam não interessam a ele, e as coisas que ele se interessa... quais são elas? Não sei, nem sei se ele sabe... Ultimamente passa o dia vendo tv e filmes, e nem daí surge assunto pra falar comigo... Então tá difícil...
 Ante ontem ele veio todo romântico, disse coisas melosas do tipo quer ficar comigo pra sempre, quer ter filho comigo. Eu fui meio ríspida, pois na hora me subiu o sinal de alerta. Opa, peraí! Quer ter filho, então tem que mudar. Não vou ter filho se não tiver segurança, senão depois vou ter que criar a criança sozinha... Se filho fizesse alguém tomar juízo como ele diz (eu já pensei isso, mas já vi provas suficientes que não funciona!)... Depois disso ele passou a ficar mais e mais distante, se eu não ligava ele não ligava... Tava descontando a "patada"...
Em outros tempos eu ia amar ouvir tal "declaração", mas hoje entendo que ela não tem nada de inocente. Ele faz "juras de amor" para eu cair na dele, ficar bem empolgada com a ideia de que "ele me ama" e assim fico submissa, faço qualquer coisa para que nada ameace ou mude o fato de que "ele me ama". Só que esse "amor" é inconsistente, é passageiro, depende do humor dele no dia, do que ele quer no dia, etc... Se ele quer atenção, carinho, "amor", ele me dá um pouquinho disso e eu logo retribuo com um montão... Aí quando estou bem na dele, ele chuta. Aí eu começo a correr atrás para ter de volta aquela certeza que "ele me ama", mas quanto mais eu dou menos recebo. E o ego dele lá em cima né... Só que isso tem mudado, meu jeito de agir mudou, ele percebe isso e não aceita...
Ele não aceita o fato de que eu me basto, de que ele não é mais o centro da minha vida, que eu passei a ter outros interesses...Que não dependo dele, nem do seu "amor", nem de nada pra ser feliz. Inclusive ele rejeita tanto isso que qualquer assunto que eu vá falar com ele sobre despertar, coisas assim, ele enxerga como negativo e se nega a assimilar a ideia... Mais fácil achar que eu tô bitolada, que eu tô exagerando... Do que reconhecer que eu tô feliz assim e querer embarcar comigo nessa nova visão de mundo, nesse novo paradigma. Não! Deixa eu espernear e fazer pirraça no meu velho paradigma, quem sabe a E. antiga volte e me faça "feliz" como antes?
Rsrs... sinto muito meu bem, isso não vai acontecer... 


"A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original." Albert Einstein


Se quiser se juntar a mim, continuar crescendo junto comigo ok, seja bem vindo. Se não, também não me prenda junto com você. Quer ir? Vamo! Não quer? Fica aí esperneando então.... Não vou te pegar no colo.
Por fim ele falou: "Ou volta como estava antes (eu, a relação) ou não quero mais, a gente termina, pois não é disso que tô precisando agora, isso tá me fazendo mal."
Eu disse: "Não sou robô pra programar direitinho como vou ser e quando... Por que você pode ser todo "atrapalhado", agir hoje de um jeito amanhã de outro, falar o que quiser, etc, etc... e eu tenho que ser uma coisa imutável, parada, perfeita (a seu modo), estática... ?"
Resultado: estamos terminados de novo...
Não vou garantir que foi a última vez, pois já falei tanto isso e depois voltou... Mas vou respeitar o livre arbítrio dele e ver no que dá...
Hoje tentei ligar, chamou até cair e não me atendeu. Depois ele entrou no face e não falou comigo. Beleza, não quer não queira, não procuro mais também. Acha que na pirraça vai me vencer... Mas não é mais assim que funciona. Quem dá as cartas da minha vida agora sou eu. Se quiser é assim, se não quiser, paciência... Cair no jogo dele não, chega...

Falei (na conversa de ontem): você quer uma codependente de novo? Alguém que viva e morra por você, que não tenha vida própria? Vai acabar arrumando outra namorada, ela vai ficar doente, você vai continuar na sua doença e ela na dela... Mas não adianta, não cai a ficha do ser rs...

 Não vou mais insistir nesse relacionamento, se há necessidade de insistir é porque a coisa não tá bem... Se tiver que ser vai se consertar sozinho, se não tiver vai se desfazer... Ok universo, eu quero o que for melhor pra mim. Tô cansada de implorar amor, implorar compreensão... Esperar dos outros não tá com nada! Estou me sentindo muito bem!

E que venham os 24 anos (amanhã é meu niver!) com muita alegria!

Obrigada vida, por tudo até aqui!

=)

 
 

13 comentários:

  1. Eu senti sua falta sim e estava aqui preocupada. Mas sabia que no seu tempo vc ia aparecer pra falar com a gente. Com duas doses de ibogaina ele recaiu muito rápido, não se trata de fissura ou abstinencia, e sim de amor à droga, de decisão interna de não parar mesmo sem a vontade ou necessidade do corpo. Agora mais que nunca vc sabe do que se trata e com o que está lidando, o que pode esperar. Agora a decisão é sua, ainda mais evoluindo na velocidade que vc está e vendo o quanto a pessoa está estática, parada no lugar. Dificilmente a mentalidade dos dois vai aguentar a diferença que vai ficando cada vez mais gritante....escreva e leia isso, vai te ajudar a superar, é pnl tb. Bjussss


    Janete

    ResponderExcluir
  2. Também senti sua falta, você está evoluindo e já sabe bem o que quer e logo vai chegar lá. Essa "distância" que está sendo criada entre vocês irá facilitar uma decisão futura. Lembro que quando fazia terapia, eu dizia para minha terapeuta que o meu maior sonho era me separar do meu adicto já que ele não mudava eu desejava muito essa mudança em mim, ela me dizia que eu poderia fazer isso mas com o apoio do meu coração, lutar contra ele era perda na certa. Ela me dizia que para isso acontecer deveria acontecer tudo naturalmente. .... e foi exatamente assim que iniciou o meu processo. ... houve um distanciamento natural (não tínhamos muito o que conversar), depois foi para intimidade. ...daí por diante..... até que ele foi embora. Sofri e me desesperei.... mas aos poucos vejo que estou melhor sem ele.... estava tão doente que não tinha condições de ajudar ele. Confesso que ainda bate um desespero quando falo com ele. Mas dentro de mim sinto que não existe mais volta, não existe mais necessidade de ficar e sofrer. Ainda estou no comecinho, mas tenho certeza que vou alcançar meu objetivo, Já que ele não mudou, mudo eu.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Meninas, não sabem como fico feliz em ouvir isso de vocês!
    Carla, eu também tô no comecinho, como você, e sei que vamos conseguir! Pensa que o pior já passou, agora é só questão de tempo. Se você parar de pensar na falta, na saudade e focar em como é bom estar longe dele, no que você tem aprendido, em como se sente livre e feliz com a sua mudança, em como pode se dedicar mais a você mesma e a seu filho, etc... Só tem coisa boa...
    Janete, eu vi a palestra de PNL e a Amar - a bioquímica do amor e essa última em especial me abriu muito a cabeça... Maravilhoso...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Eu não senti sua falta...kkkk brincadeira nos falamos todo dia né...quase o dia todo...ao acabar de ler seu texto...fiquei com os olhos cheios de lágrimas...feliz demais por ti....e aproveitando...PARABÉNS...FELICIDADES....QUE PAPAI DO CÉU LHE ABENÇOE HOJE E SEMPRE...QUE ASSIM SEJA...TMJ...TE AMOOO

    ResponderExcluir
  7. Você deve tá é enjoada de mim! rsrs Tem como sentir falta não, toda hora tô lá te enchendo o saco rsrs... Obrigada por tudo, pelos parabéns e por tudo... Eu não estaria assim tão bem hoje se não fosse você... Agradeço a Deus por tê-la colocado na minha vida, minha madrinha... Te amo =))))))))))

    ResponderExcluir
  8. Feliz Aniversário, que Deus ou o velhinho do porrete te proteja sempre, que as porretadas sejam cada vez mais leves, rsrsrsrsrs....muita evolução!


    Bjussss


    Janete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porrete nãooooooooo kkkkkkkkk...
      Obrigada Janete =)
      Bjos

      E.

      Excluir
  9. enjoo nada...para...pense eu que enchia o saco da Janete e da Japa...duas madrinha pra da jeito na doença do ser aqui...kkkk...eu agradeço a Deus por ter a oportunidade de ajudar...(.........--.........) abraçooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo... também espero poder ajudar alguém um dia... =)

      Excluir
  10. Nossa!!!! Parabens gata... Só crescimento! Esse é o caminho... Vc decide voltar ou separar de vez... Mas o principal é se amar e se respeitar em primeiro lugar!!! E estar bem com suas decisoes!!!
    Eu to focando em mim... Em estar bem com meu marido na ativa... Afinal e escolha dele nao minha... Estendi as maos tantas vezes e ele jogou fora... Se quiser sair vai sair sozinho... Eu o amo o respeito sou fiel... Mas estou focando em mim mantendo a minha paz e minha serenidade mesmo com ele travado na minha frente! Deus guarde e livre de estar na loucura q eu vivia com brigas barracos!!! Quer fazer merda usar merda usa mas nao me incomode nem se encarne em mim.. Q me deixe quietinha na minha q nao da briga... Quero manter minha paz!!
    E feliz niver querida! Deus te ilumine e te coloque em bons caminhos.. Bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Sharon!
      É, o importante é isso, com eles ou sem, focar na gente, ser feliz apesar de tudo... TMJ
      Bjos

      E.

      Excluir