sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

O tratamento com ibogaína: como foi

Bom dia pessoal!

Quando fomos para a clínica realizar o tratamento com a ibogaína parecia que era pra dar tudo errado. Chegando lá a clínica tava cheia, tivemos que ficar num hotel na cidade vizinha. No carro, quando nos buscaram o R. (assim que vou me referir a ele) disse que já estava sentindo os sintomas da abstinência. Tinha 5 dias que ele estava limpo, há mais de um mês ele não ficava tanto tempo assim. Devido a isso, mandaram ele tomar a primeira dose lá no hotel mesmo. Quando chegaram com o remédio eu já tava aguniada e ele também. Ele ficou tonto e se deitou. Parecia que tava sonhando mas tava acordado. Ficou assim por um tempo, meio delirando, as vezes quieto, as vezes falava alguma coisa. Depois de umas 2 horas voltou ao normal, então saímos para comer (já era de tarde e não tínhamos almoçado).

Enquanto andávamos na cidade, veio um bêbado falar com a gente na praça sobre um rodeio que estava tendo. Era só o que faltava né! Já pensou ele me largar no hotel e ir pro rodeio? Com certeza acharia droga fácil... Enfim comemos e voltamos pro hotel. Chegando lá ele me confessou que passando em frente a um bar ele olhou para uns caras e passou pela cabeça dele: "aposto que se eu falasse com um desses caras eles saberiam onde conseguir droga". Felizmente ele não fez nada disso, até porque a 1ª dose já deu uma aliviada na abstinência.

Aí a noite, pegamos uma carona com um pai e seu filho que também estavam no hotel e fomos conhecer a clínica. Lá eles também dão um chá chamado ayhuasca. Não é obrigatório, toma quem quer, inclusive os acompanhantes. É o mesmo chá tomado em rituais xamanicos, no Santo Daime, dentre outros grupos religiosos. No entanto lá é feito da maneira mais neutra possível, para que qualquer pessoa de qualquer religião possa experimentar sem problemas. Como ele já tinha começado a tomar a ibogaína, não podia tomar ayhuasca, mas eu podia e tomei. Foi uma experiência mágica. Vou tentar descrever um pouco do que senti: lembrei do meu passado e presente, entendi muita coisa da minha personalidade, defeitos, família, etc... Senti uma conexão com o ser superior, senti que ele não é uma pessoa com super poderes que vive no céu olhando a gente, mas que ele é simplesmente tudo, a natureza, o universo, tudo é Deus e ele está em tudo, até em nós seres humanos, somos parte dele. Me senti parte desse todo e consequentemente vi que não estava sozinha, mas sim amparada. Vi que é inútil se revoltar contra Deus pois tudo que nos acontece foi porque nós permitimos através de nossas escolhas. Senti muitas outras coisas mas é difícil explicar com palavras... Passei muito mal também, vomitei, mas depois me senti bem, como se algo ruim tivesse mesmo que sair. Fui pro hotel me sentindo bem, toda zen, mas aí o bonito não suportou me ver com tanta serenidade e começou... Perguntou o que eu vi, mas antes que eu falasse direito já começou a me criticar, zombar, etc... Ficou bravo e foi dormir na outra cama que tinha no quarto aff...

No outro dia acordou azedo, mal falava comigo. Felizmente nesse dia nos buscaram cedo para a clínica. Eu já tava com medo dele dar um piti e desistir. Enquanto esperávamos o terapeuta chegar para fazer o reset ele se afastou de mim e se isolou num canto da chácara. Fiquei conversando com as mães que acompanhavam seus filhos e deixei ele pra lá. Teve uma hora que ele disse: "tem certeza que vai gastar esse dinheiro todo pagando esse tratamento pra mim? Porque depois eu não vou ficar mais com você". É claro que aquilo era manipulação da brava, tava doido pra causar uma briga e sair dali correndo fumar uma pedra. É claro que a vontade foi de dar um soco na cara dele, mas mantive a calma e falei: "tá bom, não importa, eu vou pagar mesmo assim, depois que você tomar faz o que quiser". Depois ele me contou que naquela hora tava morrendo de ansiedade, torcendo pro terapeuta chegar logo, com medo de desistir. Apenas na parte da manhã ele fumou um maço inteiro de cigarro, que geralmente dura um dia.

Ele foi pro quarto tomar o remédio. Fiquei toda ansiosa lá fora. Apesar de ter aparentemente mantido a calma na resposta fiquei morrendo de medo que ele realmente cumprisse com o que falou. Infelizmente ele se acostumou a descontar toda sua raiva e frustração em mim e no nosso relacionamento. Porque? Por que eu deixei, corri atrás dele muitas vezes, me humilhei, e dei a ele esse poder. É meu ponto mais fraco e ele usava isso pra me desestabilizar. Naquele momento eu estava nervosa pois quando ele saísse daquele quarto eu finalmente conheceria o homem por trás do dependente, e tinha medo do que poderia encontrar. Será que ele pararia finalmente com essas palhaçadas, me valorizaria e ficaríamos bem ou será que ele realmente não me amava, estava comigo só por algum interesse e agora terminaria comigo?

Continua na próxima postagem...



 

6 comentários:

  1. Quando as pessoas entenderem que Deus é tudo está em tudo..e o que acontece conosco é porque permitimos...experimentaram a liberdade e a paz... NAMASTÊ :)

    ResponderExcluir
  2. Sim... Na verdade eu já pensava isso, mas quando tomei o chá eu realmente SENTI isso. É muito louco, não dá pra explicar... Foi uma sensação de paz interior muito grande. Mas o chá não faz milagre, logo em seguida eu estava em uma situação de estresse e minha serenidade foi pro ralo... rsrs. Aí que eu vi que ela tem que ser trabalhada a todo momento. Quanto mais estamos bem, ou lutando para ficar bem e fazer a coisa certa, mais somos tentados, assediados, tudo acontece pra tentar nos derrubar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizem sei lá se são os Budistas...sem desequilíbrio não há aprendizado...rs..e se vamos aprender até morrer...da pra ter uma idéia de como é a vida...rs

      Excluir
  3. Oii, vc continuou essa postagem em outro lugar? N estou encontrando.

    ResponderExcluir
  4. Sim: http://dependenciaecodependencia.blogspot.com.br/2015/01/tirando-as-drogas-o-que-sobrou.html

    ResponderExcluir
  5. A pessoa tem que ficar quantos dias sem usar drogas para tomar a ibogaina

    ResponderExcluir