quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Novidade no blog!

Olá!
Temos novidade no blog: quem escreveu esse texto que você, leitor (a), está lendo não foi a Kel. Eu sou a E. Também sou esposa de um dependente químico. Acompanhava outros blogs de outras esposas, por comentários dela encontrei seu blog. Mandei um e-mail para ela em um momento muito difícil: meu marido estava na pior recaída que ele já teve na vida e eu estava procurando informações sobre clínicas de internação involuntária. Naquele momento era a única coisa que eu poderia fazer, pois ele estava ficando 3 dias fora de casa direto, sem comer nem dormir. Quando aparecia ficava no máximo 2 dias comendo e dormindo, mas quando eu saía sabia que não o encontraria em casa quando voltasse. E assim foi mais de um mês. Parou de ir no trabalho, não queria ser internado mas não parava de usar.
Ela respondeu meu e-mail muito atenciosamente, me deu nome de clínicas, mas me falou também do tratamento com ibogaína. Eu já tinha ouvido falar no início do ano passado, mas como era pouco divulgada não levava muita fé que realmente funcionasse. Cheguei a pesquisar na internet mas não encontrava muitas referências, só o que sabia é que o preço era alto e a promessa praticamente milagrosa: tirar o vício. Até conversei com meu marido na época, mas ele é muito mais incrédulo do que eu... Acabei deixando pra lá, até começar a ver notícias falando sobre o assunto novamente em jornais e até uma pesquisa da UNIFESP comprovando sua eficácia. Foi bem na hora certa.
Quando o "homi" (rs) apareceu quase 4 dias depois, eu já tinha todas as informações. Perguntei como ele tava usando esse tempo todo se eu não dava dinheiro pra ele. Vale ressaltar que no começo dessa recaída ele usava o dinheiro que eu dava pra passagem (pra ir trabalhar), depois como parou de ir trabalhar e eu parei de dar dinheiro, ele começou a pedir emprestado nos comércios que costumávamos ir (padarias, mercados, pizzaria, etc) e até para vizinhos que mal cumprimentamos, chegou a deixar carteira com documentos "penhorada" em bocas e botecos. Mas a essa altura ele já não tinha mais nada, nem credibilidade. Apesar do desespero pela droga, achava pouco provável que roubasse, pois quando ele usa fica bundão, com medo de tudo, apavorado. Tem medo até de mim que tenho metade do tamanho dele... Então ele me disse que outros estavam bancando pra ele (como ele já cansou de fazer quando tinha dinheiro). Primeiro achou um cara que tinha acabado de vender o carro e tava fumando o dinheiro todo. Depois ele começou a andar com uns caras que roubavam e chegavam com o bolso cheio de dinheiro, celulares, etc... Quando um saía o outro chegava com mais e mais droga, assim sempre tinha, nunca faltava, e ele não conseguia ir embora. É claro que mais cedo ou mais tarde eles iam querer algo em troca, e ele tava com medo pois sabia que os caras eram perigosos, mas não conseguia sair de lá. Até que teve uma hora em que todos saíram e deixaram ele sozinho. Segundo ele, largou um monte de droga que tava em cima da mesa e saiu correndo pra não perder a coragem. Quando nos encontramos vi que ele tava desolado. Tava lutando contra si mesmo mas estava perdendo feio. Eu falei pra ele ter calma que tudo ia dar certo. Ele me perguntou: "como?". Totalmente desesperançado. Aí eu contei da ibogaína, disse que sua eficácia foi comprovada por pesquisa da UNIFESP, que as chances são muito boas. E ele topou se tratar.
Foi realmente uma luz no fim do túnel. Eu já não aguentava mais, a mãe dele já não aguentava mais e ele também já não aguentava mais ver sua vida indo por água abaixo, perdendo tudo que conquistava, nos ver sofrendo e aos poucos indo junto com ele pro fundo do poço... Já estava pensando em não voltar mais, ficar direto nas ruas. Sei que muitos fazem isso com pouco tempo de vício, largam tudo e vão pra rua. Mas ele já usava há 10 anos (!) e até então nem cogitava a ideia. Na verdade, ele vivia se enganando, achando que ia conseguir parar. Ficava meses limpo só na raça mesmo, mas uma hora ou outra manipulava tudo para a  recaída acontecer. A vida dele era assim, em ciclos: o que ele conquistava em meses destruía em poucos dias. Roupas, sapatos, celulares, notebook, bicicleta, óculos (até de grau), salário: tudo tinha o mesmo destino. Estudos? Profissão? Futuro? Tudo estagnado... Mas nesse momento ele começou a cair na real e ver que não ia conseguir parar sozinho, ele não tinha forças pra isso. Como não tinha esperança nos tratamentos convencionais, pensou em sumir de vez para pelo menos parar de nos atrapalhar. Mas a ibogaína veio para ajudar no ponto chave: para quem quer parar não sentir mais as crises de abstinência era tudo que ele precisava. Quer dizer, tudo não. Ele tem que continuar em tratamento, tem que mudar a cabeça, entender a si mesmo para parar de fazer armadilhas para ele mesmo cair, procurar prazer nas coisas boas da vida, aprender a lidar com problemas e decepções... É um caminho longo, mas a ibogaína o proporcionou dar o primeiro passo para frente, ao invés de vários para trás, como estava fazendo a anos...
 Bom, acho que para um primeiro momento já falei demais... rsrs
Eu já escrevi em outros blogs sobre outros assuntos,  planejava começar a escrever sobre dq e codependência, mas sempre adiava. Comentando isso com a kel, generosamente ela me convidou a dividir com ela seu espaço. A ela meu muito obrigada! Espero contribuir positivamente com o blog e continuar aprendendo cada vez mais.
Até a próxima...

8 comentários:

  1. Seja bem vinda nega...esse espaço é de todos...tmj sempre... :)

    Quanto mais pessoas expondo suas derrotas e suas vitórias, mais conseguimos aprender uns com os outros...abração e eu que agradeço por topar escrever aqui...bjus

    ResponderExcluir
  2. Tá... mas não entendi... ele topou fazer o ratamento com a Ibogaína?
    Já fizeram?
    Conseguisse um lugar mais barato com a mesma eficácia?
    Porque onde eu pesquisei e liguei é caro!
    E pra nós no momento está além das nossas possibilidades... Ganhamos razoavelmente, os dois... mas as contas adquiridas, etc etc... nos deixam com as possibilidades limitadas!
    Esse sábado vamos em porto alegre (estamos em santa catarina) consultar com um psiquiatra que tratou uma pessoa próxima a família e hoje a pessoa está bem há 3 anos. è uma luz no final do túnel!
    Bjs obg por compatilhar
    TMJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ele já fez e continua tomando as doses de manutenção. Não dei mais detalhes pois o texto já tava ficando muito grande e vou continuar escrevendo em outras postagens, contando todo o processo...
      Fizemos no mesmo lugar que o da Kel, na Mentes Livres. O preço não é barato, mas é mais baratos que nos outros lugares. Nós também não teríamos condições, o que ajudou é que foi justo em dezembro, aí usei o 13º e também o irmão dele me ajudou pagando uma parte.
      O que eu sei é que se conversar eles podem parcelar... Qualquer tratamento pode funcionar, depende muito do querer deles. Mas gostei da ibogaína porque ela tira a vontade de usar, e isso ajuda bastante. Boa sorte a vocês, tomara que dê certo! Beijos e de nada, obrigada você por ler.
      TMJ

      Excluir
  3. Leio, tudo sempre, todos os dias... posto e questiono e pergunto tbm! kkkk
    As vezes penso que vou ficar louca... em outras acho que a depressão vai tomar conta! E em muitas mais me fortaleço e sei que Deus está no comando e assim seguindo, até onde Deus permitir!
    bjsss

    ResponderExcluir
  4. Sharon, não sei quanto vcs vão gastar nesse psiquiatra, mas tomando por base o que eu já gastei, o tanto de medicação forte que eles gostam de passar, que no fundo são substituições de drogas e que no final das contas meu filho acabava abandonando, porque cansava de andar feito um robô dopado, e o tanto que eu perdi a fé na eficácia desses profissionais no tratamento da dependencia quimica, isso eu falo no antes e durante, porque no depois, na recuperação e manutenção a terapia é importante, talvez vale à pena pesar tudo e colocar na ponta do lápis. Conversando com um amigo psiquiatra ha mais de 30 anos num estado do norte do país, ele me confessou que em todos esses anos de profissão nunca conseguiu tirar um DQ das drogas...apenas ia levando como podia, ganhando tempo, mantendo medicando e ganhando suas consultas. Perguntei se ele não se sentia mal com isso e ele disse que não, que fazia o que estava ao alcance dele, o que é possivel.

    Janete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso acontece com um primo do meu marido...
      Dopado e groge...
      mas tbm não faz uma terapia e muito menos procura se fortalecer na parte espiritual...
      Sei lá... conf descrevo abaixo na resposta da E. é mais uma tentativa....
      bjsss

      Excluir
  5. Eu concordo com a Janete. Acho que os remédios que estão ao alcance dos psiquiatras hoje não tiram ninguém do vício, só dopam, substituem. E geralmente os dq's acabam largando também... Por isso que no texto digo que a ibogaína veio na hora certa. Nem ele e nem eu não tínhamos mais esperanças que ele fosse conseguir de outra forma. O máximo que a gente conseguia era alguns meses limpo, depois começava tudo de novo... Acho que a terapia pode ajudar muito mais agora depois da ibogaína do que antes. Porque antes ele tinha que matar um leão por dia, lutar contra a vontade. Hoje não existe mais essa vontade, ele só tem que agora aprender a lidar com ele mesmo, aprender a resolver problemas, a passar pelas frustrações sem recorrer a droga como válvula de escape. É muita coisa para se trabalhar mas pelo menos o corpo dele não pede mais aquela substância, então dá pra respirar e voltar a tocar a vida.
    Eu não entendi uma coisa Sharon: vocês moram em Santa Catarina e vão no psiquiatra no Rio Grande do Sul? Como vai ser isso? Vão ter que viajar toda semana? E o quanto ele cobra por consulta? Faça as contas direitinho de quanto vão gastar com isso, quem sabe não dê para parcelar a ibogaína?
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é uma cartada... vamos ver oque vai ser...
      Esse médico é psiquiatra e professor, dá palestras, tem clinica de DQ...
      A sobrinha do meu sogro estava com o filho no auge da ativa, ela desesperada, sem forças... a nora dela a mesma coisa... ele usava cocaína.
      Num belo dia ela estava indo da sua cidade (Ararangua-SC) para Torres- RS visitar um parente e viu uma placa: PROBLEMAS COM DROGAS LIGUE... XXX
      Ela anotou o telefone e no dia seguinte ligou e caiu nesse médico, eles conversaram e ele perguntou se ele tinha vontade parar e ela disse q ela dizia que sim, então ele disse que ela poderia levar o filho na clínica dele, mas que eles estivesse há pelo menos 2 dias limpo.
      E assim ela fez, a consulta durou 1 h e meia e o medico questionou os horários que ele usava, a frequencia, se era só a cocaina, ou era alcool junto, se fumava... fez uma questionário da vida dele e no fim perguntou se era o desejo dele parar... ele respondeu que sim.
      Ai ele passou uma medicação e deixou claro que se ele bebesse ou usasse droga ele ia ter uma infarto fulminante e morreria.
      Fez o pai, a mãe e a esposa assinarem um termo de responsabilidade e os liberou.
      O tratamento com foi 1 ano, retornava no médico a cada 60 dias e hoje fazem 3 anos que está sem usar drogas e já não toma mais a medicação.
      Então é mais uma porta que apareceu pra nós e que eu vou tentar.
      Pra mim por enquanto a Ibogaina é um sonho falando financeiramente... e lógico se a familia se unisse e ajudasse conseguiríamos, mas o pai ja não tem mais esperanças os irmãos não se metem, só dão conselhos e apoio... e eu não tenho como sozinha fazer isso...
      Bom, penso que vai ter mais uma chance pra se livrar disso, agora está nele seguir a risca com os remédios, a terapia e igreja, querendo e seguindo ele consegue!
      Mais uma vez eu estou estendendo as mãos, peço a Deus que me ampare no melhor e no pior e que ilumine ele para que o querer dele seja mais forte que a droga.
      SPH eu acredito e tenho forças para mais uma tentativa!
      bjss meninas

      Apresentação do médico:
      http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4792171E8

      Excluir