terça-feira, 20 de janeiro de 2015

A favor ou contra?

Bom dia pessoas...

Ultimamente vivemos muitos questionamentos: devemos legalizar as drogas? Liberar o aborto? Pena de morte?

Tenho a impressão que o caminho não seria bem esse, sim ok, esses questionamentos precisam de respostas, mas sabe o que vejo nessas discussões, pessoas brigando pela sua opinião pessoal, que envolve normalmente costumes, dogmas e muitos achismos.

As opiniões são distorcidas para justificar o lado que a pessoa defende, não se tem um diálogo sincero, aberto livre de opiniões, não se avalia as consequências, se avalia o incomodo de ter que vivenciar o que se é contra, pra não estender muito o post vou falar apenas sobre a legalização das drogas, vejamos:

Algumas drogas são ilícitas, o consumo só aumenta junto com a violência, pessoas morrem, muitas pessoas não apenas o usuário, morre o menino que desde cedo viu no crime a oportunidade de conquistar seus sonhos, morre o pai de familia que trabalha e é assaltado por alguém que quer usar drogas e precisa roubar pra consumir, morre crianças com bala perdida nas guerras de traficantes, morrem policiais em tiroteios com gangues, familias se despedaçam ao perder alguém em qualquer condição que citei acima e quem lucra? Quem de verdade vive uma vida tranquila em cima do sangue dessas pessoas?
Não, não é o traficante do morro, esse morre cedo ou vai preso, enfim...quem lucra é quem tem muito dinheiro pra financiar tudo isso, as grandes quantidades de droga que entram no país e depois são distribuídas nas bocas, quem compra armamento pra que seus soldados continuem a defender seus pontos de venda e assim eles possam continuar a vender o que infelizmente muitos cidadãos de bem buscam para seu lazer, posteriormente seu vício.
Isso é o que acontece quando a droga é proibida.

Agora vou falar de drogas lícitas, vamos citar como exemplo o álcool.

A droga que mais mata no mundo reportagem Isto é (Clique aqui)

A única coisa que difere o álcool das demais drogas é que não existe tráfico, não existe traficante, não existe prisão pra quem vende ou consome, não existe sangue derramado em guerras de gangues,
Mas existe mortes por acidentes, mortes por doenças, mortes por brigas, quem lucra com isso tudo?
O empresário que vende o álcool que por ser legalizado o tal empresário não leva o nome de traficante e nem precisa se armar ou formar exército pra defender seus pontos de venda e continuar a lucrar.
Ele tem ao seu lado a publicidade que incentiva o consumo de tal droga para que eu e você possamos nos sentir livres, felizes...

Alguém já viu um container desses dentro de um posto de gasolina?



É Brasil, será que os diretores dessa empresa, os publicitários que tiveram essa idéia em algum momento se preocuparam com o número de mortes causadas em acidentes por embriaguez?

Pra quem tiver curiosidade em consultar, veja o número de mortes ligados a embriaguez na direção (Clique Aqui)

O que quero dizer com isso?

Não adianta ficarmos nos debatendo, nos ofendendo, colocando a religião no meio e ficarmos brigando...sou contra...sou a favor.

Não é isso que vai reduzir o consumo ou evitar mortes, não sou eu quem digo isso, os dados falam por si, basta uma pesquisa rápida no Google, basta assistir os noticiários na tv.

Precisamos entender o que leva uma pessoa a ter a necessidade de anestesiar a sua consciência, porque quem usa drogas, seja ela lícita ou ilícita na verdade está em busca do amortecimento da consciência...da vida.

Essa pessoa busca algo que lhe de uma sensação a qual ela não encontra em si mesma.

As pessoas carregam vazios dentro de si e não existe uma receita de bolo capaz de preencher, não adianta somente aceitar Jesus, ótimo pra alguns isso funciona, mas pra outros não, alguns se encontram no esporte, outros na luta por alguma causa.

Somos seres humanos complexos, alguém já procurou pesquisar sobre a diversidade cultural do mundo?

Essa diversidade precisa ser respeitada, o que nos faz bem o que é capaz de nos preencher não deve ser imposto deve vir de encontro a nossa alma, talvez seja ai que as drogas ganhem a alma de muitos, pois ela não é imposta ela conquista.

Precisamos nos unir, nos olhar sem preconceitos, buscar compreender de verdade o outro e aceitar as suas diferenças, se realmente quisermos ganhar a luta não contra as drogas, mas a luta pela VIDA.

Um ótimo dia a vocês



2 comentários:

  1. Nossa Kel, parabéns! Seu texto me deixou até emocionada! Você disse tudo! E você ainda fala que não sabe expressar bem suas ideias... Matou a pau! É exatamente assim que penso também. É difícil debater alguma coisa pois a maioria das pessoas leva tudo para o lado pessoal, só olha seu lado, colocam religião no meio de coisas que não tem nada a ver. Não buscam a solução do problema, apenas querem impor seus costumes, crenças, "verdades".
    Não sei se legalizar as drogas vai resolver o problema, mas certamente proibir do jeito que é proibido aqui não está resolvendo nada. Quem quer tem livre acesso, a polícia é comprada para não interferir, todo mundo sabe disso, até nos nossos filmes mostra isso e quem já entrou em biqueira como eu sabe que é a realidade mesmo. Prova disso é uma cracolândia instalada no centro de São Paulo. Todo mundo sabe que se tem usuários concentrados ali é porque tem alguém vendendo, e mesmo assim a polícia fica ali próximo a estação Júlio Prestes, só observando para que os noias não ataquem as pessoas que por ali passam, mas só observam o movimento da cracolândia, não entram, lá dentro é terra sem lei...
    Nas comunidades é a mesma coisa. Um traficante só "roda" quando não paga a parte da polícia, e mesmo assim só "roda" peixe pequeno, os grandes não moram no morro, não seguram armas, não encostam em papelote... Os grandes estão engravatados atrás de grandes empresas (muitas vezes de fachada), cargos políticos, etc...

    Enquanto as pessoas continuarem com seus preconceitos sobre as drogas e acharem que beber é normal, mais e mais vão entrar para as garras das drogas. Pois criou-se um mito enorme a respeito da maconha, que ela é a entrada para as outras drogas. Mentira, a porta de entrada é o álcool. Não precisa ir na biqueira comprar cerveja, vende no supermercado, na padaria, muitas vezes até dentro de casa. Passa comercial na tv incentivando com muito glamour, mulheres bonitas. O álcool é associado a diversão, as drogas são associadas a destruição. Só que o jovem é curioso, não é da mesma geração que o pai. Ele vê o amigo fumando um baseado de vez em quando ou cheirando um pozinho de vez em quando e ele não tá destruído. Pelo contrário, ele parece se divertir ainda mais. De fato a experimentação não leva ninguém ao vício, em droga nenhuma. Mas o fato de querer fugir da realidade de novo, se anestesiar de novo e de novo é o que leva ao vício, em qualquer droga. O fato é que essa busca por se anestesiar é incentivada pela nossa sociedade e meios de comunicação. Está nas músicas, está no marketing, está incrustado na cabeça das pessoas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado nega...dessa vez acho que consegui falar sem que a revolta tomasse conta...rs...bjus

      Excluir