sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Muito prazer!!!

Bom dia!!

O "homi" fez o tratamento com a íbogaina, ainda não encontrei ele, mas deu pra perceber algumas mudanças bem significativas em seu comportamento, um deles era a sua insegurança.
Antes de tomar a ibogaína, ele se comportava de maneira insegura, me ligava se eu não podia atender, achava que eu estava estranha e por isso não dava atenção, se eu tinha um compromisso e não pudesse estar com ele em um determinado período ele ficava me dizendo e o que eu faço sozinho, não gosto de estar sozinho...
Depois da dose de ibogaína que na clinica onde ele ficou, chama de "reset", outro homem, me ligava e não questionava nada, não se mostrou inseguro, ele sabe que tenho prova no sábado, não se mostrou preocupado em ficar sozinho...a princípio uma bela mudança...bom vou falar mais a respeito na segunda-feira, pois ainda eu nem o encontrei pessoalmente, então segunda conto sobre o tratamento a clínica, etc etc.

Hoje vou falar como eu me senti com essa mudança, tudo o que eu sempre quis, que ele não precisa-se de mim e se sentisse bem por si só, mais quando de fato vivênciei essa mudança, caraca estranhei, deu um aperto no peito...pensei comigo..oxe ta doida....o que ta acontecendo contigo?...porque esse aperto?...

Como de costume aprendi a aprender com meus sentimentos e comecei a esmiuçar minha cabeça pra achar respostas a respeito do que eu estava sentindo, totalmente contraditório do que de fato eu queria.

Enfim cheguei na seguinte conclusão:

Tanto eu quanto ele, quando nos conhecemos, eramos pessoas emocionalmente imaturas, que buscavam a sua felicidade fora de si, eu na bebida e nele e ele na droga e em mim.

Simbiose perfeita, nos completávamos e chamávamos isso de amor....(eu penso que amar amar mesmo ninguém ainda nesse planeta aprendeu...rs).

O tempo passou um monte de coisas aconteceram, eu parei de beber, comecei a amadurecer emocionalmente, passei a buscar minha felicidade dentro de mim, mas ainda tinha esse laço, esse último laço que nos prendia a uma forma doentia de amar, essa dependência dele por mim de certa forma por mais que incomodasse, é bom se sentir necessária a alguém, parece que nossa vida ganha mais sentido, por isso que ao romper esse laço doeu, mais foi bom....me libertei

E agora esse laço desfez, o que restou? Um homem, uma mulher e dois filhos.

Eu continuo a buscar meu crescimento pessoal, emocional e espiritual
Ele agora tem a chance de escolher buscar o seu crescimento em todas essas áreas.

Agora estamos livres para caminhar, livres porém lado a lado.

Agora é hora de nos conhecermos, nos apresentarmos, "namorarmos, noivarmos e casarmos", sonharmos, planejarmos e conquistarmos.

Sim essa é minha proposta de vida, fazer tudo como manda o figurino, cada um cumprindo com seu papel e não a mamãe aqui carregando filho barbado no colo.

Se vai dar certo, não sei, não sei nem se estarei viva até o final do dia

Mais aprendi que só por hoje eu posso acreditar, e o que tiver que acontecer, acontecerá, eu aprendi a contornar os obstáculos da vida.

Então Du, o que posso lhe dizer?

Muito prazer em te conhecer

2 comentários:

  1. Que legal querida!! Parabéns por essa iniciativa dele! Que os anjos digam amém e tudo dê certo!
    Viva oque em para viver, sejam felizes!
    Conte tudo sobre ibogaína... estou sempre a espera de novas informações! Meu marido tá internado há 42 dias, são 42 dias limpo! Está melhorando a cada dia... mas não se sabe do futuro! Crer eu creio e deixo nas mãos de Deus, mas é bom ter um plano B!!! bjsss

    ResponderExcluir
  2. Vibrações positivas com as bênçãos do Poder Superior.
    Bj grande, lindona!

    ResponderExcluir