terça-feira, 11 de novembro de 2014

Resposta

Comentário no post anterior de um leitor ou leitora:

Pra mim estar no relacionamento é estar com alguém, independentemente de morar junto ou separado.

A impressão que eu tenho quando leio os seus posts é que, apesar de não morarem juntos, vc nunca se afastou dele como diz. Me parece que mesmo não vendo ou falando com ele ele ocupa grande parte dos seus pensamentos e vc não consegue se desvincular, tanto que ele e a dependência química são os assuntos do blog.


Já faz quantos anos que vc vive assim, esperando ele se recuperar e enquanto isso vivendo de migalhas? Relacionamento é troca, mas pelo visto vc mal pode contar com ele. 

Eu sei que é fácil pra quem está de fora falar, mas acho sinceramente que se vc não ligasse de ficar sozinha já teria terminado definitivamente há muito tempo. Porque é muita coisa para se aguentar e o que um dq mais dá é motivo legítimo para o afastamento.

Também sei que é duro ouvir isso, mas a chance de recuperação é pequena e casamentos acabam por inúmeras razões. E acho que a possibilidade de alguém que vive um relacionamento assim se separar e não se arrepender é muitíssimo maior do que o contrário.



Bom respeito sua opinião, afinal o que você conhece de mim, não passam de 10 á 30 minutos do meu dia o qual dedico a escrever no blog, não é duro ouvir opiniões contrárias, não pra mim, é bom nos faz refletir, observar e não viver se auto-enganando.

No atual momento a única coisa que existe de confuso pra mim, mas que não me descabelo quanto a isso são o porque da ascenção e queda dos meus sentimentos em relação a ele, mais sem crises...isso é apenas uma interrogação que carrego e que graças a Deus não me afeta tanto, aprendi a lidar com a vida e suas interrogações.

Eu realmente me afastei totalmente dele na sua segunda internação, ele ficou acho que uns 5 meses internado e depois que ele saiu mesmo com a insistência me mantive afastada por mais alguns meses, estava super bem comigo mesma, isso é muito claro pra mim, estar sozinha realmente não me incomoda, pelo contrario sinto é falta, já que com minha rotina e filhos pequenos isso sinceramente não sei nem o que é, queira você acreditar ou não. 

Já citei algumas vezes aqui no blog, mas torno a repetir, a única forma dele ter contato com os filhos, enquanto estes são pequenos é através de mim, ou sim eu posso pedir uma visita assistida a cada 15 dias com uma assistente social, porque sozinhos e ainda pequenos infelizmente a situação não me permite confiar, e você pode listar infinitas possibilidades de se fazer isso sem eu estar presente, acredite já tentei mas não da...rs..não tem como, a familia dele não ajuda, etc, etc.

Já disse e torno a repetir, como escrever sobre dependência quimica e codependência sem citar o dependente químico em questão? Escrevo no blog porque gosto, falo sobre o que eu  vivo, sobre o que entendo e acredito que ajude algumas pessoas, isso que me faz escrever, gasto em torno de meia hora do meu dia no máximo com isso, não ganho nada em troca, nem anúncios tenho no blog, você disse: Me parece que mesmo não vendo ou falando com ele ele ocupa grande parte dos seus pensamentos e vc não consegue se desvincular.
Bom descrevendo a minha rotina, então você tira suas conclusões se ele ocupa grande parte dos meus pensamentos:
- Acordo as 4:30hs, arrumo as crianças, as coisas das crianças, me arrumo, levo eles na escola vou ao trabalho
- Chego no trabalho as 7:00hs, escrevo no blog enquanto tomo café, as 7:30hs mais ou menos, depois começo a trabalhar, enquanto trabalho ouço palestras no you tube, audiobooks, sobre vários assuntos, ultimamente tenho pesquisado bastante sobre viagem astral, técnicas projetivas, pedagogia, chackras, outras religiões, psicologia infantil, história das religiões, da filosofia, da educação.
- No horário do almoço estudo pedagogia, a tarde volto a rotina do trabalho e estudos ouvindo palestras.
- Saio as 16:00hs, pego meus filhos na escola, chego em casa, cuido deles, olhar agenda da escola, fazer lição, dar banho, janta, brincar e colocar pra dormir no máximo as 22:00hs...assim se passa a semana
- O pai deles passa em casa umas 3 vezes na semana e fica umas duas horas, aproveito quando ele está lá pra tomar banho mais sossegada, descansar um pouco, bater um papo com ele, etc.
Finais de semana
- Sábado de manhã faxina na casa, até terminar e dar banho nas crianças são umas 15:00hs, o pai deles passa lá fica das 14:00 ás 18:00hs depois vai trabalhar, eu fico com as crianças, aproveito quando da estudo, assisto filme, leio livro ou durmo.
- Domingo normalmente levo as crianças a algum parque, ou shopping, ou ficamos em casa, o pai deles está presente nesse momento, ficamos junto depois ele vai trabalhar.

Como ando sem grana nem que eu quisesse seria possível sair com amigas, porém quando aparecem oportunidades baratas eu acabo indo, e na maioria das vezes sozinha, porque ele respeita esse momento de estar com amigas.
Lhe digo que se ele ocupa meus pensamentos, ocupa em uma proporção saudável dentro do meu dia a dia, nem que eu quisesse...kkkkk poderia ser o contrário

Quanto a viver de migalhas..talvez seja isso que você tire como conclusão, não podemos esquecer que a forma de se relacionar das pessoas são diferentes, existem mulheres que bucam maridos ricos que possa lhe sustentar, existem mulheres que buscam companheiros que divida tudo, existem mulheres que não queriam nada a mais que uma noite, existem mulheres que querem sua independência e querem apenas contar com uma pessoa pra alguns momentos.
O que é certo? O que é migalha? A familia margarina, serviria de referência?
As minhas vivências me fazem esperar de uma pessoa apenas o que ela pode dar, isso não significa que eu viva de migalhas, eu apenas vivo e sou feliz como estou hoje, ser feliz não significa não viver momentos difíceis, ser feliz é ter um caminho e ter escolhas a serem feitas e quando se escolhe e se está em paz com a escolha feita, isso é ser feliz..
Não vivo uma vida conformada e paralisada, eu vivo de verdade todos os sentimentos a mim apresentados, aprendi a não fugir mais deles, aprendi a aprender com eles.

Quanto a recuperação da dependência química...há eu sei beeeemmm sobre as estatísticas, não me iludo, não sei se ouviu falar sobre a ibogaína, foi divulgado um estudo pela UNIFESP, que da resultados animadores, com chances de mais de 50% de recuperação, alguns estudos garantem 80%....ele está pensando a respeito, quem sabe??

Acredito que pude esclarecer alguns pontos, caso tenha mais alguma dúvida ou questionamento, ou apontamento, podemos sim voltar a discutir a respeito, afinal não existe crescimento, não existe mudanças sem discordâncias, eu gosto disso :)

Obrigada pela participação e fique a vontade para comentar

12 comentários:

  1. Acrescentando...sou apenas um ser nesse imenso universo, não sou exemplo e nem tenho a verdade absoluta, compartilho minhas experiências e sou grata a todos que de alguma forma acompanham minhas idéias, meus diálogos internos que muitas vezes exponho aqui...rs...convido a todos que tenham vontade a comentar sempre que quiserem serão bem vindos

    ResponderExcluir
  2. Ai ai ai...
    Só acho que é muito fácil alguém nos dizer o que fazer e tirar conclusões a respeito de nossa vida e de nossos sentimentos...

    Continue vivendo sua vida, nega...
    Só você e o Poder Superior sabem dos anseios do seu coração.
    Você, e apenas VOCÊ é responsável por suas escolhas e as faz sabendo disso.

    Siga me frente e não desista de acreditar que o melhor está por vir...
    Tamujuntas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é muito fácil falar sem estar vivendo a situação, eu mesmo reconheci isso. Só participo aqui porque a dona do blog é bem aberta a opiniões alheias.

      Ninguém é obrigado a concordar com tudo.

      Excluir
  3. Hahahaha, vc é ótima Kel!
    E vc disse tudo "esperar das pessoas o que elas podem dar", acho que seríamos tão mais leves se conseguíssemos viver a vida assim!
    Bola pra frente mulher!
    Ps.: "família margarina"???? hahahaha, vc é demais!
    Bjos
    #TamoJuntas
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Nenhuma família é perfeita e família de comercial de margarina acho que é uma coisa muito rara mesmo, se é que existe. Só acho triste passar a vida atrelada a alguém com quem não se pode contar, ter confiança, dividir as responsabilidades. E eu definitivamente não estou falando de ter um companheiro de pagar conta.

    Eu não te conheço e o que leio aqui é uma fração pequena de vc, mas a impressão que eu tenho vendo muita gente que tem um relacionamento com DQ é que passam a vida se doando, estando a disposição, tentando ajudar, resolvendo os problemas, se adequando a caprichos, se resignando, e nunca recebem nada em troca. E relacionamento é troca, é pode contar com o outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é verdade relacionamento é troca...um relacionamento com DQ realmente não é fácil, embora nenhum seja, mas seria hipocrisia a minha dizer que é igual....é muito complexo pra se entender...porque além do caráter está envolvido a doença que afeta diretamente o comportamento...a confusão de sentimentos em relação a essa convivência...realmente é algo muito complexo...eu as vezes me pergunto se seria melhor não ter vivido tudo isso...racionalmente falando...diria que não...com certeza minha vida estaria mais estruturada...financeiramente falando..eu acho...emocionalmente talvez mas pés no chão...mas por outro lado não teria crescido o que eu cresci...ainda seria talvez aquela menina que vivia na matrix iludida com as coisas do mundo material...é difícil se contabilizar uma visa que ainda não terminou...mas uma coisa que de fato eu aprendi é encontrar a felicidade dentro de mim...coisa que tantos escritores, estudiosos, religiosos tentam nos mostrar através de textos, frases, pensamentos....nesse ponto eu acredito que ganhei e muito... bjus :)

      Excluir
  5. Mostrar detalhesKkkkk essa foi boa...acha que li Taoismo no wikipédia somente...kkkk mais ta certo como disse no comentårio não  exemplo pra niguém sou só mais um ser humano nesse universo...aceitar opiniões não quer dizer tomar como verdade para minha vida..eu não posso afirmar a verdade sobre a vida dr ninguém como dizem a vdd muda conforme a janela..afinal quem sabe sobre mim mesma sou eu....e gostaria de agradecer a participação de todas...acho que talvez eu precise aprender a ser mais gentil..pq vira e mexe confundem minha sinceridade com arrogância..é isso boa noite pessoas...fiquem com Deus e Namastê

    ResponderExcluir
  6. Liberando um comentário que não sei porque não apareceu, eu não modero os comentários, a minha resposta está acima: Na vdd acho que a dona do blog não eh nem um pouco aberta a opiniões alheias. Pois, ela parece sempre ter uma justificativa para discordar e parece sempre querer ter razão. Ai fica se dizendo espiritualizada, achando que descobriu a América porque leu na Wikipédia sobre o taoismo. Aff - Anônimo

    ResponderExcluir
  7. Gente, que anônimo mais mal humorado! Kkkkkkk
    Cada um é responsável por suas escolhas e o julgamento das atitudes do próximo demonstram que as dele não são tão legais assim. Quem cuida de um belo jardim, não desprende tempo espiando e criticando o jardim do vizinho!
    Mais leveza nesta vida minha gente!
    ; )

    Ps: sou um anônimo bem humorado! E torço para que o seu marido se recupere!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bota mal humorado nisso!

      Passo 1: somo s impotentes perante as escolhas do outro.

      Kel...
      Esse blog é seu, e você tem o direito de expressar suas emoções da forma que sentir vontade.
      Quem não concorda (com você ou com qualquer uma de nós), que não volte aqui.
      Não dá holofote para esse tipo de comentário não, nega...

      tamujuntas!
      bjs

      Excluir
  8. Kel, eu queria aproveitar seu espaço para pedir a você e todas as blogueiras que moram em são paulo, se conhecem alguma clínica de confiança que façam internação involuntária e que não seja absurdamente cara? Se alguém souber de alguma que tenha um tratamento sério, por favor, me mandem por email: ellen_7272@hotmail.com

    ResponderExcluir
  9. Nós mudamos com o tempo, nossos sentimentos mudam, nosso jeito de ver a vida muda, nossas necessidades mudam...
    Somos seres humanos diferentes, vivendo fases diferentes, criados de formas diferentes... Por que haveria um "jeito certo" de viver, não é mesmo?
    O "jeito certo" é aquele que nos traz paz e nos faz felizes.
    Por isso digo e repito, "deixe o mundo no silencioso e ouça o seu coração". Já sofri muito em razão de opiniões alheias, hoje sigo aquilo em que acredito e só.
    Opiniões são bem vindas, mas a decisão final sempre cabe a nós, afinal, seremos nós mesmas que arcaremos com as consequências. Não é?
    Grande beijo, Kel!
    Fica com Deus!

    ResponderExcluir