quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Nosso "inimigo" nosso espelho



Quando eu ouvia essa frase, eu entendia que tudo que eu não gostava em uma pessoa, significava que eu tinha essas mesmas características, sim algumas podem ser, mais ao parar pra analisar nem tudo que eu não gosto no outro eu realmente tinha em minha personalidade, então eu estava interpretando essa frase de maneira equivocada.

Ontem em uma situação com o "homi", pude perceber que na verdade nossos "inimigos" ou as atitudes dos outros que nos incomodam na verdade nos mostram aonde estão nossas fraquezas, porque se algo me incomoda, me incomoda porque permito, se eu permito, permito por algum motivo e se eu não posso mudar o outro, não tenho que aprender a aceitar, ou ignorar, tenho que olhar pra mim e ver o que eu preciso fazer pra me modificar pra que determinada situação não me incomode mais.

Ontem ele com sua instabilidade emocional, da pessoa que estava enxergando a vida de uma nova maneira, voltou a se lamentar isso me incomoda (a lamentação a mesma de sempre) eu desligar o telefone, fingir que não ouço, apenas me ajuda a fingir que nada acontece e eu quero aprender a lidar com isso, não somente por causa dele, mais porque lamentações seja de quem for ultimamente tem me irritado e o que eu tenho feito, me isolado porque estou sem saco pra ouvir apenas lamentações e geralmente as mesmas.

Eu vivo em um mundo, onde não existe vida perfeita, não existe ninguém perfeito e sim haverá lamentações em alguns momentos, ignorar só me afasta das pessoas, ficar dando conselho é cansativo e sinceramente na maioria das vezes não funciona, aprendi a ouvir mais e falar o minimo possível.

Então preciso encontrar em mim o que está me causando esse desconforto e tirando meu equilíbrio.

Depois que desliguei o telefone e passe a refletir, me veio na cabeça a minha própria imagem, de quando vivia situações as quais não suportava e ficava reclamando, esbravejando, me lembrei de como era dificil viver aqueles períodos, me lembrei que aos poucos eu fui achando as respostas que eu buscava e a transformação começou de dentro pra fora, e mesmo depois desse tempo eu ainda tenho muitas dificuldades.

Me coloquei no lugar dele, não esquecendo que EU NÃO POSSO E NEM DEVO, fazer nada por ele, apenas tentei imaginar como ele se sentia e consegui compreende-lo ao me olhar no passado, não lhe dei conselho, apenas repeti as palavras que ele mesmo havia dito a uns dias atrás e ele desligou, não liguei de volta o deixei ele quieto com suas frustrações, com suas tristezas, com suas dúvidas e que ele fique livre pra escolher o caminho que irá trilhar pra lidar com a vida dele como ela está.

A transformação é lenta, e muitas vezes ela não avança tanto, algumas pessoas passam a vida toda e nem um passo dão e outras avançam um pouquinho mais, preciso compreender isso e aceitar que é assim, quando compreendo e aceito não tenho pressa e não cobro dos outros o que não devo: que melhorem, afinal cada um sabe de si.

Ainda tenho dificuldades em relação a um rompimento total com ele, não por medo de perde-lo, não por medo das consequências, mais por me pegar em uma situação e não saber sair dela, me perdendo.

Então percebo que ainda restou a ansiedade em querer viver o futuro, a fé em um poder maior e que ele me guiará e me ajudará a superar o que vier pela frente.

A serenidade em viver o presente.

Se é bom ou ruim ainda não sei, sei que ninguém vive sozinho, mais uma coisa gravou em mim, eu não sei, não consigo e não confio em deixar minha felicidade nas mãos de ninguém

Nenhum comentário:

Postar um comentário