quinta-feira, 29 de maio de 2014

desligar-se



Lendo sobre o desligamento li em outro blog CLIQUE AQUI uma definição de um autor desconhecido, então me lembrei da forma como vivenciei esse desligamento e ainda o vivencio.

No primeiro ano de relacionamento após a descoberta da adicção  eu literalmente vivia a vida dele, me lembro que foi justo quando consegui progredir profissionalmente e praticamente nem colhi os frutos dessa conquista, porque todo o dinheiro que entrava era pra tentar viver momentos bons ao lado dele pra que assim ele não usasse drogas, poderia ter investido em mim, em um curso de graduação em algum bem, mas eu gastava em passeios, baladas, tudo para estar junto dele, logo planejei engravidar pra realizar o sonho dele ser pai e ter uma familia

Passado esse ano após meu filho nascer eu havia realizado todos os sonhos DELE, não que essas conquistas como família, filhos, casamento não fizessem parte dos meus planos, sim faziam, mas se fosse diferente, eu teria feito as coisas com mais calma, me planejando junto ao meu parceiro, mas devido a adicção e a codependência eu me anulei porque eu tinha pressa em salva-lo e assim realizei todos os seus sonhos.

Ainda assim não era o suficiente para ele largar as drogas, o comportamento dele começou a me afetar diretamente, pois morávamos debaixo do mesmo teto, então além de eu me esforçar pra realizar os seus sonhos eu também passei a ser acusada porque eu não era o suficiente "boa" pra que ele fosse feliz, nessa fase comecei a me revoltar, porque eu não aceitava essa culpa, então começaram as brigas, ele me cobrava e eu não aceitava, era impossível qualquer dialogo com ele, as palavras ditas por mim eram completamente distorcidas e assim ele se colocava como vitima e eu a agressora, assim demostrava para as pessoas que  eu era a culpada  pelo uso de drogas.

Nessa época eu quis ir embora, porque realmente eu não queria prejudica-lo e queria viver em paz, mas ele com suas personalidades me "convencia" a permanecer hora era um anjo e se não funcionava então era um monstro, usava do terror psicológico pra me manter ao seu lado.
Foram pelo menos uns 4 anos convivendo com essa dupla personalidade, me machucava demais não saber quem era ele realmente, eu não o conhecia e admitir que ele era aquela pessoa inescrupulosa que as vezes dava as caras me machucava demais eu preferia fugir de mim mesma e enxergar somente as suas qualidades.

Tipo há não é tão ruim assim ou afinal ninguém é perfeito e também o amor aceita os defeitos do outro

E assim me enganei durante uns 4 anos, minha mente me enganava, mais minha alma gritava de desespero e queria ser livrem viver em paz, queria sorrir, minha alma morria aos poucos, eu não entendia exatamente mais sabia que aquilo não era amor, eu não tinha respostas, não via saídas.

7 anos se passaram, eu consegui iniciar o desligamento sem entender do que se tratava esse desligamento a única coisa que eu sabia era que eu queria ser feliz e Deus foi abrindo as portas

Encontrei esclarecimento nos blogs, nos grupos com a minha madrinha, em cada porta que Deus abria eu me agarrava com unhas e dentes e por mais que dolorida fosse passar por ela, eu me espremia e passava.

Usei a raiva no inicio pra me manter firme, quando sai de casa, eu precisava respirar e a raiva que eu sentia por tudo que ele havia me feito me mantinha firme em minha decisão, eu não voltaria de forma alguma a dividir minha vida com ele.

8 anos depois, após conseguir um espaço pra respirar pude aos poucos me desfazer das armaduras que eu havia aprendido a usar, parei de feri-lo com as armas que eu tinha pra lutar e então pude enxerga-lo como realmente ele é.

Hoje eu sei que não somos partes um do outro somos inteiros.

Hoje consigo enxergar quem ele realmente é, ele não é um príncipe e também não é um sapo, assim como eu não sou uma bruxa ou uma santa.

Somos seres humanos, imperfeitos em busca de nossa felicidade nesse mundo caótico.

Aprendi a perdoar de verdade, a mim e a ele.

Aprendi a ouvir meu coração e tenho aprendido a aceita-lo feliz seja ao meu lado ou de outra pessoa.

Hoje eu aprendi o que realmente é o amor, embora eu ainda esteja aprendendo o que é amar


Deixo uma reflexão, quem somos nós nessa imensidão?



Fiquem com Deus

Namastê


Um comentário:

  1. É essas dessas armaduras que preciso me livrar, tenho tantas coisas na manga guardada, pronta pra ferir sem dó caso ele tente me magoar....mas na verdade acho que só eu sinto dor e ele nao...mas é totalmente errada essa visão...Gosto dos seus posts rs....me faz refletir.! Beijos.

    ResponderExcluir