segunda-feira, 5 de maio de 2014

existem Crocodilos no mar

"Até aquele momento eu tinha apagado minha mãe e meus irmãos de minha vida, não por que eu queria, mas era preciso, pois ninguém consegue amar outra pessoa sem antes aprender a amar a própria vida"

Palavras de Enaiatollah Akbari, 21 anos que vive atualmente em Turin

No curso de Pedagogia indicaram o livro "Existem Crocodilos no Mar" para leitura e realização de uma atividade.

Uma história incrível, de um menino que aos 10 anos foi  deixado pela mãe em um país estranho para que não fosse morto ou escravizado pelo Talibã, e nessa aventura ele cruza o continente Asiático até chegar a Itália aos 18 anos aproximadamente e assim poder finalmente começar a viver.

Não temos a dimensão dos problemas que existem além das paredes de nossas casas, das ruas de nossos bairros e cidades.

Não imaginamos o que talvez seja o limite da dor humana e a força que temos para lutar pelos nossos sonhos e conquista-los.

Imaginamos que ter um dependente químico na família é a pior dor que poderíamos sentir, muitas vezes isso pesa tanto sobre nossos ombros que não vivemos apenas aprendemos a sobreviver

Não estamos nesse mundo para salvar a ninguém, apenas pra nos salvar de nós mesmos.

Durante anos, vivi para salvar quem não queria ser salvo

Durante anos lutei para mudar que não queria e quem eu não podia mudar

Durante anos me machuquei por escolhas alheias e achei que eu não tinha o direito de viver de forma diferente

Esses anos trouxeram grandes prejuízos e grandes aprendizados.

Ainda estou "limpando a casa" da bagunça que ficou após me permitir vivenciar as consequências de escolhas alheias, e essa limpeza ainda irá durar pelos próximos 3 anos para somente assim voltar a construir

A você que convive com um dependente químico o que posso dizer, ame o ame muito, mais aprenda a usar a RAZÃO para equilibrar esse amor.

Histórias românticas, contos de fadas são lindos nos enchem de esperança e nos fazem flutuar, eis o perigo de apoiar nossa felicidade em tais histórias, pois a vida é feita de escolhas e consequências, tudo que plantar irá colher cedo ou tarde.

Não tenhamos medo de olhar atrás da cortina do desconhecido, pode assustar mais somente conhecendo o inimigo que podemos lutar contra ele.

Desejo a vocês

Serenidade necessária para aceitar o que não posso mudar
(Não posso mudar o outro, as escolhas do outro, a doença do outro não posso mudar o outro)
Coragem para mudar o que posso
(Posso mudar somente a minha vida, escolher por mim, aprender sobre mim e colher o que foi plantado por mim)
E sabedoria para distinguir uma da outra


Obs: Comigo e com ele as coisas seguem normal, até então não houve mais descontrole, mais ainda não vejo mudanças, continua buscando fugas pra não enxergar a realidade e a responsabilidade por muda-la.
Busca fuga em momentos de lazer, no trabalho, na família, mais ainda não se prontificou a se olhar no espelho sem máscaras para poder modificar e se fortalecer contra sua própria doença.
Até quando ele viverá fugindo de si mesmo? Não sei essa escolha será dele
O que sei e já decidi é que não vou nunca mais abrigar uma pessoa debaixo do mesmo teto que não consiga ter vida própria, que não compreenda que a felicidade depende dela e de mais ninguém, não quero um filho como marido, quero um companheiro que divida e some, e não me tenha como a responsável por sua felicidade e recuperação, seja com um adicto ou não.

Bom dia a vocês



Nenhum comentário:

Postar um comentário