terça-feira, 25 de março de 2014

fragmentos de Mim mesma



Quem sou eu?

Simplesmente não sei, não tive a oportunidade de conhecer a Rachel, do que ela realmente gosta, o que ela sonha, o que lhe faz feliz.

Sempre busquei a felicidade em afetos, em relacionamentos, procurava fora o que em algum lugar no passado faltou ser preenchido

Por isso esse sentimento que domina o meu peito.

Medo da solidão, não de ficar sozinha entendam bem, da solidão.

Eu havia aprendido a lidar com a solidão fugindo dela...por meios artificiais, quase uma dq...rs...

Mas no meu caso, melhor do que a droga, era ter uma "droga" que pudesse me abraçar, me beijar, e me fazer feliz.

Minha felicidade sempre foi vinculada ao estar com alguém, não importa se por um pouco tempo, mais viver sem carinho, sem troca pra mim é algo horrivel.

E quando conheci minha "droga" de preferência, foi a melhor sensação que tive na minha vida, nada, simplesmente nada pode substituir os primeiros meses de relacionamento que tive com meu atual marido, era mágico, amor a primeira vista, cumplicidade, paixão, tesão, era simplesmente tudo.

Como abrir mão de alguém que te leva as nuvens?

Como deixar de usar drogas?

Somente quando insistimos em tentar vivenciar os momentos da primeira dose,  quando percebemos que nunca mais será a mesma coisa, e começamos a enxergar os prejuízos que essa insistência traz pras nossas vidas que pensamos em parar.

Pra sobreviver a um relacionamento assim, vivemos abrindo um (parenteses) nessa história, nesses ( ), vivemos momentos de trégua, momentos "normais" para respirar e voltarmos ao ciclo.

Se você tem dúvidas que o que sente pelo seu companheiro é amor, se pergunte você pode viver sem ele?

Se a resposta for, não eu não posso viver sem ele.

Então digo com toda certeza, isso não é amor, é apenas uma necessidade emocional, porque você ainda não aprendeu nem a se amar e ninguém consegue dar o que não tem.

Um bom dia e fiquem com Deus

9 comentários:

  1. Forte a postagem de hoje.

    Mas lhe pergunto? E quando você sabe que pode viver sem a pessoa, já viveu alguns meses sem a pessoa, mas sempre volta no mesmo ciclo vicioso de reatarem, mesmo sabendo que as vezes é insistir no erro.!

    ResponderExcluir
  2. te pergunto esses meses, ficou só? e meses é um espaço muito curto de tempo tb..

    ResponderExcluir
  3. Não....rs. E quando ele quis voltar, nem deixei que ele sofresse, de cara logo aceitei.

    ResponderExcluir
  4. bom falando de mim...kkkk...descobri na terapia que essa necessidade de sentir algo por alguém...e de querer reviver uma situação que sei as chances de darem certo são muito pequenas...é um vazio emocional...kkk até uma semana atrás eu não entendia pq não podia chamar esse vazio de amor, na teoria eu até sabia...queo amor não faz sofrer e blablabla...mais não sentia...então não é feio admitir...EU NÃO SEI AMAR...PQ EU NEM SEQUER SEI FAZER ISSO POR MIM...como posso amar alguém..kkkk claro que no meu peito esse vazio ainda interpreta esse sentimento como o amor...e claro que eu ainda crio na minha cabeça cenas dele trocando ficha de 10 anos limpo e a gente chorando abraçado..kkkk..nega aprendi a valorizar minhas pequenas conquistas...então só por hoje eu to começando a entender o que realmente é o AMOR...rs

    ResponderExcluir
  5. Nossa, rsrs, acredito que eu entendo por amor o fato de não conseguir me separar, ficar longe dele, de ter sonhos ainda em termos mais filhos e etc....mas quando me vejo desanimada até para beijar, eu vejo que nao o amo...ou alguma coisa está errado. Quando estou perto, chega uma hora que fico incomodada, quando estou longe...sinto falta...que coisa de doidooo rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  6. da medo né dizer..não é amor...rs..como assim não é amor??..como pode não ser amor...afinal te pergunto o que é o amor?..Se ele não machuca e quer bem, se ele faz feliz e nunca entristece...quem foi capaz de amar assim?..acredito que está na hora de revermos alguns conceitos...e nos admitirmos imperfeitos como somos...e com humildade pedir..PODER SUPERIOR ME ENSINA A AMAR...bjaum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. E sempre ouvi dizer que amar é uma decisão e não um sentimento....que ele me ensine então a entender isso.! Bjs

      Excluir
  7. nega..eu não acredito que amar seja uma decisão..eu acredito que amar é algo a se aprender..um sentimento de plenitude....nos preocupamos demais com os rótulos que inventam pras pessoas pro sentimentos...o que importa de verdade...é nos aproximarmos o máximo possível desse ensinamento amar ao próximo como a ti mesmo...devagarinho a gente chega la

    ResponderExcluir
  8. e eu senti que a relação de vcs com o DQ é a mesmissima deles com a droga....fica uns meses sem e de repente resolve voltar....sente falta, sabe que faz mal, que não deveria, mas se sente vazio sem ela....

    Janete

    ResponderExcluir