quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

no final qual é o foco:DINHEIRO, PODER E SEXO



Bom dia galera!!

Conversando com uma amiga, ela estava relatando que o curso de engenharia civil que ela faz, mudou a grade de forma que segurassem os alunos durante o maior tempo possível, visando o lucro que esses trariam para a instituição, é sabido que geralmente os cursos de engenharia chegam ao final com menos da metade dos alunos devido a dificuldade das matérias, e o que essa faculdade fez, jogou as matérias mais difíceis pro quarto ano, prejudicando o desenvolvimento do conteúdo aplicado.
Como o professor dessa matéria relatou, infelizmente ele não pode dar todo o conteúdo, tem que "pegar leve" senão ninguém acompanha, resultado profissionais não capacitados se formando

Minha cunhada que é professora da rede pública, diz que no 5ºano do ensino básico, ela dá matéria de 2º ano, pois os alunos não conseguem acompanhar, devido a lei que dificulta a reprovação do aluno.

Imagino que incentivar um mundo com pessoas ignorantes, não é vantajoso, visto que essas pessoas irão direcionar a história, decidir, tomar novos rumos

Então perguntamos, que planeta deixamos aos nossos filhos?

Complicado, então vou além e me questiono pra que isso?

Quem em sã consciência acha realmente isso vantajoso, quem leva vantagem?

Qual a finalidade?

Bom, as pessoas interessadas nessa "cadeia" querem uma só coisa DINHEIRO

Pra que?

Pra viver com conforto, ter status e poder

Pra que?

Pra satisfazer todos os seus desejos, íntimos o que na maioria sempre tem o SEXO no meio

Ai quando dizem que pra melhorar tem que piorar muito ainda, sou obrigada a concordar, pois enquanto essas pessoas que estão em cima dessa cadeia, não sofrerem na pele as consequências desses atos egoistas, não tem porque mudar...

Enquanto isso a sociedade vive assim, se debatendo pra não morrer afogada dentre tantas desigualdades, há quem não suporta e corre por fora pra alcançar o topo da cadeia, o que gera violência, mortes, pessoas adoecidas...

Bem vindos ao mundo em que vivemos

Nenhum comentário:

Postar um comentário