sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

o Amor e o Ódio



Bom dia galera, tudo em paz por aqui...

Nos grupos de apoio o meu amigo Chico Saldão, comentou algo que me fez refletir e entender de que modo esses sentimentos Amor e Ódio, contribuíram para a a perpetuação da MINHA rendição e ajudando a alimentar a doença da adicção do meu ente querido.

Durante muito tempo meu Amor que era capaz de "salvar" foi um facilitador pra vida da adicção ativa do meu marido, ele cometendo insanidades e eu evitando que ele sofresse as consequências destas tudo em nome do Amor que tudo suporta.
Então depois de um tempo, passei a sentir Raiva da quela situação, eu Odiava viver daquela forma, e por consequência esse Ódio que eu sentia, fazia com que eu descontasse todas as minhas frustrações em cima do meu marido.
Esses sentimentos alimentavam ambas as doenças, tando a dependência como a codependência, no Amor eu facilitava e no Ódio eu o incentivava a continuar a se matar.
Em algumas situações passei a agir com indiferença, explico:
Se ele está desempregado devido a dificuldade de se manter em um emprego, e acaba conseguindo uma nova oportunidade, eu não preciso sair soltando fogos de artificio, o trato como trataria a qualquer pessoa.
Se ele fica desempregado, devido a sua doença, eu não preciso ofende-lo, humilha-lo, apenas permito que ele sofra as consequências de se estar desempregado, assim como qualquer outra pessoa.

É desse tipo de indiferença que falo, nem Amor de mais e nem Ódio.

Quando o Dú me ligou e eu questionei "Por que vc me liga tanto, o que você quer me explica que não entendi", ele respondeu "Quero resolver a minha vida"

Como durante nosso relacionamento eu sempre tentei resolver as coisas dele, ele acostumou e por isso fica me enchendo o saco, minha resposta foi: A vida é sua resolva como achar que deve resolver.
Sem raiva e sem pena, apenas permitindo que ele aprenda e cresça.
Talvez isso tenha contribuído pra ele parar e pensar no que realmente é melhor pra ele e te-lo feito pela primeira vez entender que se ELE não mudar a vida dele NÃO VAI MUDAR.

Portando se ele quer ter a família dele de volta, morando na mesma casa, terá que ter condições para isso.

É ruim isso?

Pra mim não, por respeito e amor a ele estou dando a oportunidade dele crescer e por respeito e amor a mim, estou aprendendo a ser feliz independente do OUTRO e de suas escolhas.

Um ótimo dia e fiquem com Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário