terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Eu não CAUSEI, eu não tenho CONTROLE e eu não posso CURAR



Bom dia galera, to eu aqui madrugando  de novo, trabalho..rs..

Dessa vez acho que ele desandou, entrou em compulsão, eu acho...quase certeza.

E agora?

Se desesperar, se entristecer, sentir raiva, sentir pena, cansaço, desânimo?

Dessas palavras acima citadas acredito que as únicas que estão me afetando ainda é o cansaço e a tristeza, nada em grandes proporções.

A vantagem de quando nós familiares buscamos ajuda e autoconhecimento, fica menos pesado lidar com essa doença, com a nossa doença.

Graças ao meu pedido de ajuda,  a minha dedicação a minha recuperação, aos grupos, aos amigos as minhas queridas madrinhas, graças a vocês eu posso dizer que hoje estou preparada pra enfrentar essa realidade, de maneira calma e serena.

E o que fazer agora?

Meus planos eram me separar caso ele recaísse, sim eles continuam.

Nós já não moramos mais juntos, os meios legais só voltam a funcionar ano que vem, e sinceramente minha grana vai ser pra eu viajar com as crianças e comemorar o aniversário de minha filha.

Se ele me pedir ajuda, não vou lhe estender a mão, não dessa vez, ele precisa aprender a valorizar a ajuda que ele recebe.

Ele ainda tem uma confiança muito grande que se recair terá uma mãozinha estendida pra ele, sim vou deixar com que ele sinta o desespero de estar sozinho, já falei com a familia dele e ambos dessa vez estão do meu lado, então quer se internar, quer ajuda SE VIRA.

Ele sabe aonde encontrar ajuda, basta querer ir atrás.

Quando ele desejar a sua recuperação como se fosse o ar que ele precisa respirar pra estar vivo, a gente nem vai precisar correr, arrumar esquemas, a gente simplesmente direciona e tenho certeza que ele vai ir correndo e com as próprias pernas.

Assim espero, sim espero com muita ESPERANÇA.

Claro que tem chances de nada disso acontecer, dele piorar, dele descer mais, dele morrer.

Mas ja abandonei meu cargo de "Deus", não posso controlar, não posso curar ta entregue nas mãos DELE.

Eu aceito minha impotência: Isso me liberta da culpa
Eu entrego nas mãos de um poder superior: Isso me deixa aliviada porque sei que não estou sozinha
Eu confio no poder superior: Confio tanto, e tenho tanta fé que eu sei, ele não da uma cruz maior da que eu possa carregar e nada acontece sem sua permissão.

Enquanto isso oro, vigio e aguardo a hora certa e o momento certo de agir, se assim for preciso.

Um bom dia e fiquem com Deus


Nenhum comentário:

Postar um comentário