terça-feira, 8 de outubro de 2013

aonde o Sol brilha?



Bom dia galera...tudo em paz por aqui...

Ontem fui embora pensando sobre alguns comentários do post anterior, onde me foi dito que da pra se falar coisas belas sobre a recuperação e que ultimamente eu andava meio pra baixo...e me fez refletir, não galera não é necessidade de aceitação..heheh tenho uma qualidade, sou aberta a ouvir as pessoas e prestar atenção no que elas tem a me ensinar, então reflito e vejo qual aprendizado devo tirar daquilo, se não guardo quem sabe um dia sirva.
E refletindo conclui, não, não estou pra baixo, apenas venho relatando a realidade a partir do meu ponto de vista.
A beleza da recuperação?
Me peguei pensando o que representa pra mim a beleza da recuperação e não consegui atribuir nada que seja externo, nada que venha do outro, a essa beleza.

Comparei minha vida antes e depois da minha recuperação e materialmente falando não mudou muita coisa, as pessoas ao meu redor também não mudaram, o Dú continua limpo mais com o comportamento igual ao de antes com pequenas e sensíveis melhoras.

Então não consegui descrever aonde esse sol da recuperação brilha em minha vida olhando pra fora.

Mais quando eu parei e olhei pra dentro de mim, ai sim pude ver o sol brilhar.

Enxerguei como me transformei, e como a cada dia eu tento depender menos do outro pra me sentir bem.
Me lembrei da minha última partilha na quinta-passada no AE aonde eu disse: Pra mim hoje sinceramente não me importa se ele está usando drogas ou não, o que me preocupa é se eu saberei respeitar meus limites.

Me surpreendi com essa observação, com esses minutos de reflexão.

Me supreendi ao ver que ainda tenho muitas dificuldades em lidar com o outro, mais sinceramente e dai?
Estou aprendendo

Me surpreendi na liberdade de sentir que eu adquiri, de sentir meus sentimentos sem me preocupar se estou agradando ou desagradando a alguém

Me surpreendi ao olhar no espelho e ver como tenho qualidades e como posso falar delas sem em sentir incomodada.

Me surpreendi ao reconhecer como olho pros meus defeitos sem vergonha e entendo que são imperfeições as quais eu poço e irei lutar pra melhorar.

É muito bom ser normal...kkkk...sem precisar ser "adorada" ou "odiada"..hehehe

Em recuperação é possível ser feliz  ao lado de um dependente quimico

Em recuperação é possível ser feliz respeitando meus limites ao lado de quem for

Bjus e fiquem com Deus

Um comentário:

  1. Olá Kel, tenho acompanhado seu blog, porém nunca havia comentado. Eu também já convivi com um DQ e digo que foi a pior experiência da minha vida. Mesmo afastada há 7 meses as feridas ainda estão aqui e acredito que sempre estarão. Gosto do seu jeitão, da sua maneira de ver a questão. Vc é muito realista, acho que não tem como florear, a dependência química é algo horrível mesmo. Mas, vejo em vc muita esperança, persistência, muita força e muita vontade de mudar. Não vejo seus relatos como negativos, é que cansa mesmo. Lendo seu post anterior, o comentário da Vanessa Dias caiu como uma luva para mim: “Olhar para o passado sim, mas deixa-lo lá aonde está, e não trazer o lado triste sempre atona, se não viveremos sempre tentando mudar algo que não pode ser mais mudado.”. Enfim, eu ainda não me conformei. Bora lá tentar... Acho que vc realmente faz a sua parte da melhor maneira que pode. Muita paz e serenidade. Bjs M.V.

    ResponderExcluir