sexta-feira, 20 de setembro de 2013

ter filhos com um Adicto




Bom dia galera...

Essa semana esse tema deu o que falar aqui no blog, quando eu resolvi escrever sobre isso, eu estava passando por uma situação complicada e a forma com que expus o assunto foi um tanto quando agressiva.

Gostaria de deixar claro que não mudei de opinião, porque agora estou calma, sim ainda penso que se formar uma familia com uma pessoa que tem a doença da adicção requer alguns esforços a mais como os que citei, tentar ser o mais independente possivel e ter uma rede de apoio para caso um dia vc venha a faltar, os filhos estarem bem amparados.

Isso é triste mais é a realidade, afinal adicção é uma doença a qual não existe cura, então se vc descobre que seu companheiro tem uma doença seja, adicção, cancêr, seja qual for que coloca o seu estado emocional e sua vida em risco, vamos convir que é melhor se previnir para não sofrer caso ele falte.

Todos temos direito a escolher o que quisermos pras nossas vidas, e não devemos julgar a opção do próximo, mesmo porque não sabemos o histórico de vida daquela pessoa, a verdade muda quando mudamos de janela.

Seria o ideal se pudéssemos planejar tudo em nossas vidas? Seria maravilhoso, mas não temos o controle sobre nada, a não ser a nossa mente.
Por isso devemos deixar de planejar? Não, mais devemos saber compreender as pessoas que tem dificuldades com isso, admiro as pessoas que conseguem se planejar e seguir a risca, eu já planejei coisas que deram certo e coisas que abandonei, ainda me deixo levar muito pelo meu emocional isso me atrapalha, mais to lutando pra aprender a controlar.

Porém achar que o mundo deve ser igual a o que "julgamos" correto, já é meio complicado, a essas pessoas que por ventura sofrem e nós que estamos de fora enxergamos a superficie e talvez entendemos aonde está o erro, não nos cabe apontar o dedo e acusar-lhes, nos cabe nos aproximar e oferecer compreensão, amor, e ajuda quando solicitada.
Falando de mim, minha primeira gravidez, foi esperada, não tão planejada, mais aconteceu de uma forma consciente, já a segunda não.
Eu não planejava ter filhos naquela situação, o Dú na ativa, me lembro que fui no médico pois queria colocar Diu, ela me aconselhou a parar com o anticoncepcional, porque eu já tomava a muitos anos, e esperar a próxima menstruação para que eu colocasse o DIU.
Quando eu paro com o remédio, o meu ciclo desregula, nesse periodo me previni com camisinha e quando não tinha, usava o método "popular" tira antes...rs
Não deu pra esperar a próxima menstruação, eu engravidei.
Foi um choque pra mim,  imagina naquela situação ter filhos, contei pra minha melhor amiga que me disse: Você acabou com a sua vida e começou a chorar por mim, dizendo o que eu tinha feito...Fiquei triste mais compreendia ela, ela não estava errada era loucura, mais aconteceu e agora?
Depois de uma semana essa mesma amiga me procurou, me pediu desculpas chorando e disse, uma vida é um presente me perdoa por ter dito aquelas coisas, você sabe que pode contar comigo para o que precisar.
Foi essa amiga que acompanhou e fotografou o parto da minha filha.

Agora queria dizer as meninas que estão namorando um adicto, as mulheres que estão grávidas de adictos, a vocês que estão vivendo o que já vivi.

É uma situação delicada, mais complicada por conta da doença da adicção.

Mais vocês não precisam SOBREVIVER  a essa situação, VOCÊS PODEM VIVER E SER UM EXEMPLO DE SUPERAÇÃO.

Se estas planejando se casar com seu amor adicto, é bom que se proponha a ser uma mulher independente, pois sabemos o quanto a adicção é uma doença traiçoeira, não duvide dela e não use essa palavra NUNCA MAIS ELE VAI USAR, não se esqueça É SÓ POR HOJE.

A você que tem filhos pequenos, que está grávida, lhes digo Filho é uma dadiva, um presente, viva e curta o SEU MOMENTO....se supere, que seu filho quando crescer olhe pra você e se orgulhe da mãe batalhadora que ele teve, SEJA O EXEMPLO DE SUPERAÇÃO...e ele com certeza irá se espelhar em você se tornará um vencendor.

Assim como uma leitora que acompanha meu blog, é filha de adicto, mais hoje pelo que ela descreve, é uma mulher batalhadora, que planeja e se preocupa em dar uma vida estável e saudável para seus filhos...

Um enorme abraço a todas vocês e fiquem com Deus



7 comentários:

  1. Oi companheira, acho que ja disse aqui que super me identifico com você. Tenho dois filhos também, um menino de 4 anos e uma menina de 1 ano. Eu também tive um choque quando descobri a segunda gravidez, pois já sabia da doença do meu marido. Só não abortei porque sou extremamente contra tirar uma vida, ainda mais de um ser que não tem culpa de nada. Passei boa parte da gravidez com medo, a apesar de muitas promessas do adicto. Mas hoje, quando vejo minha filha, linda e saudável me pergunto como pude me arrepender de ter gerado ela? Olha, sei que fui uma das que colocaram fogo no seu post, rss. Mas fiz pq apesar de tudo que eu passo AMO ser mãe e nunca me arrependeria de ter feito as escolhas que fiz, justamente por eles existirem hoje.
    Beijo grande, SPH !!

    ResponderExcluir
  2. Imagina vc não botou fogo expôs sua opinião...eu acho bom quando existe um debate, porque aprendemos e crescemos...sem graça é quando eu escrevo e ninguém comenta...gosto de trocar idéia aprendi muito com o fua que aconteceu...até fiz esse post com a mesma idéia mais com palavras diferentes...bjus e obrigada por acompanhar, continue voltando por aki....

    ResponderExcluir
  3. Gente, claro que depois que acontece é necessario seguir adiante. Mas que dá pra evitar uma gravidez tranquilamente isso dá. Existem métodos seguros e o "método popular" citado aqui não é um deles. Só acho que filho é uma responsabilidade muito grande e mesmo vc sendo um exemplo de superação, uma mãe maravilhosa etc, a figura do pai ainda é importante e a sua ausência e/ou presença ainda vai existir na vida da criança e vai acompanhá-la. Então tenham cuidado na hora de escolher o pai para os seus filhos porque não dá pra ser autosuficiente na criação deles. Eu sempre me pergunto como ficariam os filhos caso acontecesse alguma coisa com vcs, já que por causa da adicção não se pode contar como os pais ou confiar neles.

    ResponderExcluir
  4. Claro João vc está certo...mais quantas pessoas no mundo conseguem ter absoluto controle de tudo...entende? É nesse ponto que não da pra prever, quantas mulheres se casam sem saber da adicção de seu marido, pois existem pessoas que escondem durante muito tempo o problema, enquanto os prejuizos não forem grandes, eles levam uma vida aparentemente normal...ai só descobrem depois de anos, onde ja tiveram filhos...esse não foi meu caso...mais existem milhares de casos como este, por isso nãoa conselho a quem namora arriscar, mais se caso a pessoa queira mesmo assim então que faça ciente do que irá precisar se esforçar..bjus

    ResponderExcluir
  5. e pras mulheres que ja tem filhos, não desistam de vcs...vcs conseguem

    ResponderExcluir
  6. Eu me referia aos casos onde já se sabe do problema.

    ResponderExcluir
  7. Estou namorando um adicto em recuperação a 5 meses e ele está limpo a 2 anos,eramos amigos e agora namorados e só por hoje , também busco uma qualidade de vida no grupo Amor Exigente, não é fácil,meu namorado as vezes me leva a um estado de loucura, mas as vezes me propõem momentos maravilhosos, antes implicava com ele por tudo , hoje penso mais antes de agir e falar, penso o problema não sou EU e sim a adicção, no começo era muito mais difícil,pois eu também queria tudo do meu jeito, hoje sei que a minha FELICIDADE e o meu BEM ESTAR depende de mim , se eu conseguir me manter bem comigo mesma , consigo me relacionar melhor com as pessoas ao meu redor.

    ResponderExcluir