segunda-feira, 30 de setembro de 2013

dicas para familiares que convivem com um Dependente Quimico




Bom dia galera...

Tudo na santa paz só por hoje.

Pedi a um amigo (conselheiro em dependência química) que já escreveu alguns artigos pra revista Anônimo, que escrevesse algo para os familiares que servisse como informativo e ajuda.

Muito obrigada Anderson pela colaboração, achei muito legal a sua abordagem em tópicos, ficou excelente.(devia escrever um livro..rs..)

É isso ai galera juntos somos mais fortes ;)

Um grande abraço e fiquem com Deus

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Dicas importantes para famílias e pessoas que convivem com um dependente químico.

Importante dizer que são somente algumas dicas ou recomendações baseados no estudo e no conhecimento de casos ao longo de alguns anos de trabalho na área. Não existe uma fórmula para lidar com o problema e para solucioná-lo, mas existem algumas pistas. E é o que propomos aqui:

1- Ame. Ame muito o dependente químico. Acolha-o sempre, com muita misericórdia, mas em hipótese alguma aprove e concorde com o que ele faz de errado. E demonstre isso, no diálogo, nos gestos, nas atitudes. Demonstre o amor, mas também estabeleça limites.

2- Não imponha o seu desejo ao dependente químico, mas leve-o a refletir sobre sua conduta, seu comportamento, seus atos. Não fale com arrogância ou ignorância, embora muitas vezes o dependente aja dessa forma, o familiar precisa agir de forma contrária. Não tente mudá-lo. Você não tem esse poder e ninguém tem. Podemos mudar somente a nós mesmos. O outro nós só podemos amar, compreender e orientar. Orientar significa “não dizer o que o outro tem que fazer”, mas colaborar para que “a própria pessoa veja e decida o que ela tem que fazer”.

3- Evite brigas. As brigas não levam a lugar algum. Pelo contrário, nada se resolve no momento das discussões, muito menos quando o usuário estiver sob o efeito da substância.

4- Procure não entrar no jogo do dependente químico. Em geral, eles são manipuladores, 
chantagistas, e muitas vezes usam até mesmo do problema para sensibilizar familiares e amigos, com mentiras.

5- Não o rotule nem faça julgamentos. Evite expressões como: “Você é mesmo um maconheiro, um craqueiro, um drogado!” “Você não tem mais jeito!” “Você não presta!” Agindo assim com ele, o mesmo se revoltará e consumirá ainda mais drogas.

6- Não fique dizendo o tempo todo: “Você TEM que parar de beber, ou de se drogar”! Em lugar de falas como essa que são impositivas, procure conversar e ajudá-lo a perceber o mal que está fazendo em sua vida e fazer a melhor escolha. Lembre-se, sempre PROPONDO, nunca IMPONDO.

7- Não assuma responsabilidades, por ele. Responsabilidades que são dele e que ele é quem deve dar conta. Ele precisa assumir as consequências dos próprios atos.

8- Evite dar dinheiro. Na maioria das vezes o dinheiro é usado, ou para pagar dívidas com traficantes, ou para comprar novas drogas. Evite presenteá-lo com coisas caras, como celulares, ou tênis de marca, por exemplo, ou mesmo emprestar. Eles podem negociar ou vender tais produtos pelo valor de uma pedra de crack.

9- Não fique focado no problema. O dependente químico não pode ser o centro da sua vida. Não seja dependente do dependente. Isso chama-se co-dependência. Não deixe de viver por causa dele. Mantenha suas atividades, seus compromissos.

10- Ofereça ajuda. Quando ele não estiver sob efeito de droga, diga que está percebendo o estágio do seu problema. Não fale logo de cara em internação, mas que pode ajudá-lo,
levando-o a um profissional, instituição ou grupo de apoio ou auto-ajuda, onde ele poderá conversar, se abrir, e ser orientado sobre seu consumo de drogas.

11- Não pense que só o dependente químico é o problema, que só ele precisa de ajuda e tratamento, busquem vocês, família, a ajuda necessária. Procure também um profissional, instituição, grupo de apoio para familiares. Existem vários grupos como Al-anon (para familiares de alcoólicos), Nar-anon (para familiares de usuários de drogas), Amor-Exigente, Pastoral da Sobriedade, etc. Busquem ajuda e orientação para vocês, família, independente se o usuário buscará também ou não.

12- Busque conhecer sobre a dependência química. A dependência química é uma doença que precisa ser conhecida, entendida e tratada. Por isso leia livros, pesquise em fontes seguras. Mesmo na internet é possível encontrar bastante informação. Se possível, caso haja acesso, faça um curso básico de capacitação em dependência química.

13- Por fim, mas na verdade esta recomendação precisa estar em primeiro lugar, busque um auxílio espiritual, conforme a sua crença religiosa. Busque a Deus na oração pessoal, individual. Peça a Ele força, sabedoria e discernimento. Reze, reze sempre pelo dependente químico, por sua libertação e por sua família. Busque momentos coletivos de oração, de estar em comunidade, na igreja por exemplo. E acredite na capacidade de superação do dependente químico. Acredite que ele pode mudar, mas acima de tudo, acredite no poder que Deus tem de fazer novas todas as coisas. Por isso, nunca pare de rezar, mesmo no desânimo, na vontade de desistir. NÃO DEIXE DE REZAR! CONFIE EM DEUS!


Anderson Luiz Amaral Gomes (Anderson Amaral)
Conselheiro em Dependência Química
São João Nepomuceno - MG

4 comentários:

  1. Muito muito bom! :) Obrigada, Anderson e Kel! ♥ TMJ!

    ResponderExcluir
  2. Dicas valiosas. Kel, obrigada por compartilhar! Bjs Cris do Valle

    ResponderExcluir
  3. Olá Rachel! Obrigado pelo convite para escrever para o seu blog. Espero que ajude a todos que aqui acessarem! Abração! Anderson Amaral!

    ResponderExcluir