terça-feira, 17 de setembro de 2013

contra Fatos não há Argumento!



Bom dia galera....

Gostaria de repetir um conselho que deixo as meninas que namoram com adictos e pensam em um dia constituir familia junto a eles.

Se sua escolha é essa, faça essa escolha consciente de que, você não poderá contar com essa pessoa 100% pra nada na sua vida, então a forma de ter um relacionamento e se prejudicar o minimo possível são essas: faça planos que você possa realizar sozinha e que caso o outro queira vir junto OK, caso ele não possa, você consiga prosseguir, só assim sua vida ao lado dele poderá se tornar possível...esse negócio de amor e uma cabana só em filmes.
Se prepare pra em situações extremas: criar filhos sozinha, sustentar a casa sozinha, ter grana pra pagar clinica, ter psicológico forte pra não cair em manipulações, estar emocionalmente muito bem resolvida pra poder impor limites  ver quem você ama se matando, muita mais muita humildade pra pedir socorro, porque com certeza uma hora você ira precisar.

Não julgo quem escolhe esse caminho, não mesmo se sua felicidade está ao lado do seu amor seja como for corra atrás, EU FIZ ISSO, porém eu não sabia de nada disso ai em cima.

Então me prejudiquei, me machuquei e expus pessoas a sofrerem junto comigo, então eu agradeceria se um dia alguém tivesse me dito isso, pelo menos teria entrado nessa guerra já preparada e armada, pra não me ferir tanto.

O que digo ai é um julgamento? Não é um fato e contra fato não há argumentos, em desculpem mais eu "mato a cobra e mostro o pau", seguem exemplos de grandes mulheres que estão ao lado de adictos e sobreviveram a guerra mesmo sem armaduras, mais que aprenderam a se defender e hoje continuam com "seus amores", mesmo eles sendo adictos

Poly: amandoumdependentequimico.blogspot.com.br

Mulher de adicto, mãe de  3 filhos, bem sucedida profissionalmente, escritora, palestrante, hoje ela tem consciência de como deve se proteger da doença da adicção ela é uma mulher independente

Dona barriga: cartasaoadicto.blogspot.com.br

Mulher de adicto, mãe de 1 filho, mulher inteligente, culta, viajada, bem sucedida profissionalmente, membro do Naranon, ela também tem consciência de como deve se proteger da doença da adicção ela é uma mulher independente

Emily: amandoeajudandoumdependentequimico.blogspot.com.br

Mulher de adicto, mãe de 2 filhos do primeiro casamento, ficou viúva e lutou pra criar seus filhos sozinhas, casou com um adicto, e também lutou sem armaduras e aprendeu na dor a se proteger, mulher de fibra leoa que luta pelos seus filhos como ninguém, mulher independente

Cici: modificaramimmesma.blogspot.com.br

Ex mulher de adicto, mãe de 1 filha, trabalhadora e determinada, escolheu se separar com o marido limpo há 3 anos, escolheu o caminho da SUA felicidade, sem medo de julgamentos, amiga, mulher inteligente e independente...te amo nega

*************************************************
Sem blog..kkk
Companheira de AE, casada há 25 anos com um adicto que somente há 4 anos está em recuperação, batalhadora, bem humorada, inteligente, abriu mão de ser mãe pois sabia que aquele mundo ELA não teria condições de criar um filho, hoje ela é feliz com suas escolhas

Kel...euzinha

Mulher de adicto, mãe de 2 filhos, trabalha desde os 14 anos hoje com 32,  bem sucedida profissionalmente, independente, determinada, inteligente muito bem humorada e que aprendeu olhar pra realidade sem ter que pinta-lá de cor de rosa pra conseguir ser feliz


Somos sobreviventes, sim sobreviviamos em um mundo o qual desconhecíamos onde só existe destruição o mundo da ADICÇÃO...e hoje estamos aprendendo a VIVER.

Felicidade é opção de escolha de cada um, se você quer abnegar a sua vida em prol de alguém, isso é lindo, avaliemos esses exemplos:

Madre Tereza, Dalai Lama, Chico Xavier,  JESUS CRISTO...

Todos são exemplos de abnegação da propria vida pelo seu próximo e todos tem algo em comum reparem

Nenhum deles tem filhos, pois eles tinham consciência do caminho que escolheram, e sabiam que não era fácil eles escolheram por ELES e não obrigariam ninguém a segui-los caso ester não quisessem

Quando você pensa em ter filhos, você precisa ter a responsabilidade de saber que durante um período eles serão sua responsabilidade, é justo arrasta-los pra uma vida de abnegação e sofrimento sem lhes dar a oportunidade da ESCOLHA?
Ser uma mulher independente caso queira constituir família ao lado de um adicto é o minino que você pode fazer pelo seu filho, caso deseja ter um.

Antes de julgar tenha argumentos pra ver se o que julga e aponta tem sentido, senão quem perde a credibilidade é você mesmo.

Voltando a minha tarefa de descrever qualidades, escolhi a leitora Rafaela Leite

Rafaela: sincera e direta (desculpa não descrever mais, a unica coisa que conheço de ti é o que escreveu em seus comentários no post anterior)

Bom dia a todos vocês

E fiquem com Deus

18 comentários:

  1. Sou mãe de DQ em recuperação e não tento tampar o sol com a peneira, a vida ao lado deles é dificil. Casais "normais" sem esse problema também vivem suas crises mas são situações rápidas e com dialogo e amor tudo se resolve. O problema da DQ é duradouro, provavelmente pela vida toda mesmo que em recuperação. Os defeitos de carater permanecem e não dá pra fingir que isso não afeta a familia toda. É SIM uma vida bastante diferente do sonho de toda menina, de amor, companheirismo e divisão de problemas e alegrias. É uma vida solitária. O amor tudo pode mas ao fazer essa escolha a mulher deve estar consciente do que está escolhendo. Minhas norinhas - as namoradas que meu filho teve até agora, sempre converso abertamente e exijo que ele tb o faça....procuro ajuda-las e defende-las qdo vejo que a situação fica mais pesada.

    Janete

    ResponderExcluir
  2. Faltou um blog , logo depois do meu, eu não sou
    "Companheira de AE, casada há 25 anos com um adicto que somente há 4 anos está em recuperação, batalhadora, bem humorada, inteligente, abriu mão de ser mãe pois sabia que aquele mundo ELA não teria condições de criar um filho, hoje ela é feliz com suas escolhas"
    kkkkkkkkkk Te amo Kel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk ela não tem blog..é outra companheira..kkkk..mais eu separo perai..bju

      Excluir
  3. Acho que além de se preparar para cuidar de muitas coisas sozinha, é preciso criar um rede de apoio, ter outras pessoas com as quais você possa confiar e contar porque há sempre a possibilidade de alguma coisa acontecer com a gente. A pergunta é: quem cuidaria dos filhos caso o responsável não esteja mais aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito bem levantado...gente é isso que quero levantar, não estou desqualificando ninguém...mais é fato q essa doença terrível adicção tem dessas coisas, a culpa é do adicto, não da ADICÇÃO...se não conhecermos a doença de fato...nos colocamos em risco e a pessoas inocentes que amamos...nem tudo da pra deixar nas mãos do PS, o que cabe a gente resolver a gente resolve o q a gente NÃO PODE..a gente entrega...oração da serenidade diz isso, concedei-me a serenidade para aceitar o q não posso mudar ( a doença), coragem para modificar o que posso (tomar atitudes por mais absurdas e dificeis que pareçam) e sabedoria pra distinguir umas das outras..(como eu adquiro a sabedoria, estudando a realidade ecriando possiveis estratégias) o que não garante nada, mais quem tem mais chances de se salvar o que cre no PS e usa das ferramentas que ele nos deixou ou o que acredita no PS mais simplesmente acredita e não faz nada?

      Excluir
  4. Gostei do post, mas acho que isso tem que ser avaliado. Claro que escolher uma vida ao lado de um adicto, depois que se aprende tanto da doença por livre e espontânea vontade é bem complicado e demanda muita coragem. Mas acho que esse post desmotiva que esta nessa vida, quem quer viver bem ao lado de um adicto. Concordei com a maioria das coisas que foram ditas, mas acho que o adicto é um indivíduo e não deve ser colocado tão generalizado. Os defeitos de caráter são bem grandes, mas não ditam a forma como irão agir o resto da vida.
    Do jeito que você colocou, me pareceu que nenhum adicto deveria ter uma familia, e filhos nem pensar, pois eles com certeza destruiriam ela.
    Conheço tanta história que mostra como a recuperação de um adicto pode ser plena e fazer a diferença em seus defeitos de caráter.
    Me entenda, curto o blog e sigo, sou esposa de um adicto e e ele se encaixa em tudo que descreveu e ajo exatamente como manda o programa.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que não é o post que desmotiva, mas a realidade. Claro que cada caso é um caso e muita gente se recupera, mas os indices de recuperação ainda são muito baixos.

      Com relação aos filhos, eu acho que pai e mãe é sinônimo de cuidado e proteção e, sinceramente, pra que submeter uma criança ao estresse, a decepção e os traumas que a dependência química causa? Acho que não seria justo com a criança. Uma pessoa adulta pode escolher ficar com um adicto, mas um filho não pode escolher o pai ou a mãe.

      Excluir
  5. Olá Vanessa entendo e concordo com seu ponto de vista, é que na verdade esse post não está relatando histórias de recuperação...e tb como o blog acaba falando muito do momento que vivo, infelizmente os momentos não tem sido lá com muitas coisas positivas...estamos passando por uma fase muito mais muito complicada, onde infelizmente pelo q vejo e pelo que conheço da doença dele....ele ta com o pezinho no buraco...claro que existe recuperação, claro que existem histórias felizes de casais que deram certo...assim como vc e assim até como uma história que a Cicie contou no blog dela...sim existe, mais essa ainda não é a minha realidade, não perco a esperança, não sei se ficaremos juntos ou não, sendo bem realista acredito que ele ainda precisa bater no fundo do poço o q infelizmente estou vendo que não aconteceu...então ficar e esperar..sabendo das consequências que isso tras..ou abrir mão...to seguindo o que manda o segundo passo entregando nas mãos de quem pode e no erceiro confiando...o que tiver que ser será e eu sei que no final de tudo serei feliz..bjus e obrigada pela visita e comporeensão

    ResponderExcluir
  6. a pra esclarecer, quando digo vida de abnegação, não quero dizer a escolha de viver ao lado de um adicto, mais a escolha de viver ao lado dele, dependendo totalmente dele, expondo os filhos a depender totalmente dele também, sabendo que infelizmente nem sempre será possível contar com ele...as vezes vejo mulheres jogando toda a responsabilidade pro PS, "que o PS não irá permitir que nada de ruim aconteça, que o PS não ira permitir que anda falte...fia num vai trabalha e hanhar seu pão pra ver se a comida vai surgir em cima da mesa...é apenas nesse sentido que me refiro a abnegar a vida em prol do adicto...de resto da pra se ter uma vida sim deixei os exemplos ai em cima...de pessoas que hoje conseguem viver...querem apostar na felicidade ao lado do seu grande amor...sigam esses exemplos

    ResponderExcluir
  7. Oi Anonimo, concordo. Mas existem se formos pensar pelo lado que as crianças não escolhem quem irá cuidar deles, acho que a metade da população não deveria ter filhos.
    Vejo muita gente que não é adicto, mas tem zilhoes de defeitos e problemas que não admite e cria muito mal uma criança. A diferença é que a sociedade não a rotula, então ela não se vê como alguém incapaz de fazer uma criança feliz.
    Conheço 2 mães adictas, que falharam muito e hoje tentam recomeçar. Acho que se elas lessem esse post poderiam se sentir mal por ter colocado filhos no mundo, e acho que não deveriam.
    Quando me descobri gravida da minha segunda filha, não tinha planejado e já sabia do problema do meu marido (diferente da primeira gravidez). Me senti mal e pensei que era louca por trazer outra criança ao mundo. Me senti muito culpada, imagina se tivesse lido isso, perderia meu chão.
    Mas essa é minha opinião, e apenas a forma como vejo isso. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu concordo com vc, tem gente que não deveria ter filhos. Por isso que que todo mundo, ou seja, adictos e não adictos, deveria fazer planejamento familiar, pensar se quer ter filhos, quantos, quando, se vai ter condicoes (financeiras, psicologicas) de cria-los etc. A gente tem que estar muito bem preparado pra uma responsabilidade dessa e relamente ter condições de criar bem um filho é fundamental, você como mãe deve saber de todas as necessidades qeu uma criança tem, não to falando em oferecer luxo, mas sim de proporcionar as coisas básicas e em qualidade de vida.

      Eu não quero ferir ninguém com a minha opinião. Mas acho importante ter esse tipo de debate.

      Excluir
    2. concordo contigo, mais nem todos conseguimos PLANEJAR...a vida e nesses planejamentos a gente pode preve certas situações, mais ter o controle sobre tudo é dificil...e finalmente estão surgindo debates no blog...pq as vezes desanima a gente escreve e fica no criiii criii..kkk..bjaum..espero que todos aqui consigam aprender algo uns com os outros...bjus

      Excluir
    3. Realmente, não é possível controlar tudo, a gente não pode prever tudo o que vai acontecer na nossa vida. Mas acho é que um filho não é como uma fatalidade, uma coisa que vem do nada, de repente, sem a gente ter controle. Acho que dá pra fazer planejamento familiar sim e isso evitaria muitos problemas e sofrimentos.

      Bjo

      Excluir
  8. Sou filha de adicto, e agradeço muuuito a Deus por ter nascido! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ele te criou? Assumiu a responsabilidade de pai ou isso recaiu sobre outra pessoa?

      Excluir
    2. Digo mais... quantos traumas e consequências trazemos por sermos filhas de adicto? Meu pai também é adicto. E ESCOLHI PARA MEU FILHOS um pai que não fosse, porque não queria a ausência e os traumas que trago em mim.
      Agradeço a Deus por ter nascido também. Mas não quero o mesmo para os meus filhos!

      Excluir
    3. Olá Carla...tb conheço duas filhas de adictos q sofreram, uma o pai faleceu outra o pai se recuperou...uma não casou, outra casou com um adicto que não foi além na sua doença, talvez tenha sido só usuário, são pessoas bem próximas a mim, esse casal está contruindo a vida deles e me orgulho muito do companheirismo dos 2...elas carregaram traumas e hoje superaram são grandes mulheres, exemplos pra mim...sabe a gente não pode mudar o mundo infelizmente...não podemos mudar o próximo e não conhecemos a realidade de todos...eu conheço a minha e exponho aqui tento passar o maior realismo possível, mais ainda assim é a minha visão, meu modo de sentir, talvez eu pinte mais feio do que é e as vezes mais bonito...vc fez uma escolha que te faça feliz vc plantou vc colherá, e assim será com cada um de nós....o mais importante nisso tudo é que a gente possa se ajudar com nossas experiências lembrando sempre que não da pra generalizar e a VERDADE muda conforme a janela...bjus

      Excluir