quarta-feira, 17 de julho de 2013

mais conhecimento menos Preconceito





Bom dia Galera

Quando se fala em dependente químico, quem não convive ou não conhece, logo liga dependente químico a quem vive na cracolândia, muitos dependentes químicos, usuários de outras drogas como cocaína, maconha, entre outras, também não se reconhecem pessoas adoecidas.

Isso acontece por falta de esclarecimento, sim essas pessoas que vivem nas ruas são dependentes químicos, assim como tantos outros que tem uma vida aparentemente normal, usam drogas e acham que tem o controle,  mais vivem no autoengano, e afirmo que esse segundo grupo citado, os que acham que controlam, é muito maior do que o primeiro.

Acredito que isso aconteça devido a forma com que esse assunto é abordado na mídia, mostrando somente um lado, e gerando mais preconceito do que informação, entre os próprios dependentes químicos e a sociedade em geral.

Esse grupo que você ve perambulando nas cracolandias do mundo, são os que se encontram no ultimo estágio dessa doença, abaixo seguem dois exemplos que achei muito interessante:


As 6 Fases da Dependência Química



A Dependência Química é uma Doença Incurável, Progressiva e Fatal que se apresenta em Seis Fases distintas:


Fase do Macaco:  Fase do Namoro com a Droga e/ou o Álcool.
Usa por prazer, Socialmente, ou só pra relaxar. Sente uma profunda alegria e uma N.D.A.

Fase do Pavão:Muita ressaca, sentimento de culpa, amnésia, remorso. Começa a mostrar indisposição perante o uso.


Fase do Leão: Jura que nunca mais vai usar. Começam a aparecer os problemas, mas nega para proteger sua imagem. Continua se achando dono da verdade e que pode tudo.


Fase do Porco: A patologia se torna cronica, problemática e causam muitos danos físicos e emocionais: câimbras, fraquezas, tremores, dormência e inchaços nos membros inferiores.

Falta de higiene pessoal e baixa autoestima.


Fase do Rato: Decadência total na escala social, beirando a marginalidade.
Procura refúgio e acolhimento com pessoas menos favorecidas.Chegando a sarjeta, perdendo tudo ou quase tudo.


Fase do Tatu:Isolamento progressivo e sistemático. Retração total e uma necessidade extrema de refugiar-se para um ambiente fechado, isolando-se da sociedade. Fuga da realidade.
 fonte: http://meumundonaoeumadroga.blogspot.com.br

Ou explicando de uma forma mais abrangente 

Etapas de uma Dependência Química

Desde o momento em que um indivíduo entra em contato com uma droga, talvez o seu objetivo ansiosamente procurado, ele percorre uma séria de etapas que fazem parte da história natural de sua intoxicação.
 
1ª.  FASE. O início do processo da dependência química é pela auto-administração de drogas. A substância escolhida é, em regra, a que tem afinidade com o temperamento do drogado (equivalência  temperamental). É a fase da lua de mel onde a droga satisfaz todas as  expectativas do indivíduo e quando este ainda controla a situação.
 
2ª.  FASE. Neste período há dois marcos fundamentais: 1.): Instala-se a dependência química: viga mestra da toxicomania: 2.): o outro fato marcante refere-se ao mecanismo da tolerância, nem sempre presente.
 
3ª. FASE. Período conflituoso de aparecimento ou agravamento dos sinais ou sintomas psíco-físicos da auto-administração da droga e, quando esta, passa a ser dominante. Aqui configura-se o grande equivoco do drogado que vai buscar na droga liberdade para os convencionalismos e se depara, afinal, com uma dolorosa prisão. A droga já não é mais usada tanto para repetição dos efeitos agradáveis, recreacionais e, sim para evitar o sofrimento decorrente da falta da droga.
 
4ª. FASE. Neste período, muitas vezes, o dependente químico busca a saída ou a a libertação da droga. Saída, no entanto, não fácil dentro de uma perspectiva feliz para o dependente, pois muitas ocorrências de natureza fatal podem se interpor. Exemplo: morte por infecções (AIDS, tuberculose, septicemia etc), por suicídio, por overdose etc
fonte:  http://usuarios.uninet.com.br/~mbarj/etapas.htm

Deu pra esclarecer?
Se você ainda tem dúvidas e acha que tira um barato de vez em quando não da nada, faça um teste, fique 3 meses sem usar nenhum tipo de droga nem álcool, ai eu falo que você ainda tem o controle...rs...e não está doente, só não se esqueça que essa doença acontece em etapas, nada que o tempo de consumo não faça você ir percorrendo fase a fase...rs

E a vocês familiares, sabem que seu ente querido faz uso de qualquer substância, lhes aconselho, procure um grupo de ajuda familiar para conhecer a doença da dependência quimica e de que forma ela atinge a família toda, nos tornando codependentes.

Site dos grupos:

www.amorexigente.org.br
www.naranon.org.br 

 Agora falando da minha perspectiva e como a dependência quimica do meu ex marido afeta  a mim e a família dele.

Meu ex marido nunca ficou desempregado e nunca morou na rua, acredito que ele foi até a fase do Leão, beirando pra passar pra próxima a do porco, sua droga de preferência é a cocaína, ele experimentou a primeira vez aos 17 anos, hoje ele tem 36 anos e depois de 2 internações nos últimos 2 anos ele está limpo há 6 meses e alguns dias.
Foram 19 anos de uso de drogas, segundo relatos dele, quando ele experimentou a primeira vez, foi apenas por curiosidade, e só foi voltar a ter contato novamente com a droga as 22 anos 5 anos mais tarde, quando enfrentava uma crise em seu casamento, nessa época o uso foi intenso, o que resultou em sua primeira separação.
A família dele tomou conhecimento nessa época de que ele usava drogas, porém por preconceito e falta de conhecimento preferiram culpar a ex mulher dele, por ele agir daquela forma, ninguém se preocupou em buscar ajuda, tamparam o sol com a peneira e pintaram a ex dele como o "diabo de olho azul" que o maltratava, não lhe dava carinho, e a culpa era dela, aquele "bicho ruim" que desgraçou a vida do querido filho e irmão da família "Doriana".
Essa era a história contada a mim.!
Se passaram 7 anos então conheci o "Du" meu ex marido,  um tempo depois descobri seu problema com drogas, e a triste história da vida dele, segundo ele nesses anos que se passaram ele conseguiu ficar limpo uns 2 anos, uma vez indo pra igreja se manteve limpo 1 ano, mais retomando a sua vida tornou a fazer o uso e depois mudando de estado e trabalhando muito ficou limpo mais um ano, porém mais uma vez retomou o uso.
Então nos conhecemos, ele havia voltado a usar drogas 2 meses depois de começarmos a namorar,  depois que engravidei ele ficou limpo 8 meses, mais recaiu, e durante esse período eu também acreditava que coitadinho, a ex dele era culpada por ele estar assim.
Tentei fazer por ele tudo que ela não havia feito, se passaram 6 anos de uso com períodos de sobriedade que variavam de 1 semana a no máximo 3 meses.
Agora ele estava com 36 anos eu com 31 e havíamos formado uma família com 2 filhos no meio da doença da dependência química e da codependência.
Essa doença só traz sofrimento e destruição considero a droga o "anti cristo", descobri nesse período que a ex mulher dele não tinha nada de culpada, talvez mais uma vitima dessa doença, passei a ser acusada pela família dele, pelo filhinho e irmão da família "Doriana" estar daquela forma.
Mais uma vez tampavam o sol com a peneira e acharam outra culpada que não dava carinho o suficiente a seu queridinho adoecido.
Depois de muito sofrer, eu cheguei no meu fundo de poço, e decidi buscar ajuda, cheguei nos grupos de familiares em 2011, e desde então venho aprendendo sobre a dependência química e como ela afeta a minha vida e a do dependente, aprendi a como agir com o dependente químico.
Resultado, estou reconstruindo a minha vida, me separei, voltei pra casa dos meus pais e estou conseguindo organizar as finanças e voltar a viver.
Meu ex marido de 2011 até hoje passou por 2 internações, saiu da última em abril de 2013 e se mantém firme, hoje somos amigos e estamos voltando a nos conhecer, e construindo um relacionamento porém dessa vez saudável.
A família dele, tem convivido com ele agora mais de perto, e até agora ninguém quis buscar conhecimento, continuam tampando o sol com a peneira e resolveram achar outro culpado, "o monstro do filhinho e do irmãozinho", agora a culpa é dele..kkkkk...ninguém quer entender que isso é uma doença, sim foi escolha dele, foi...maaaaaaaaaas...existe formas de se ajudar, uma delas é não facilitar, mas também não adianta só bater ou abandonar...essas são as opções escolhidas porque são as mais fáceis...rs

Nesse último mês aconteceram dois fatos engraçados, vou contar:

Meu ex marido não se da com o cunhado, então um belo dia minha ex sogra me liga dizendo que estava indo trabalhar e que a filha dela e o marido iam passar na casa dela, e pediu que eu ligasse pro Dú, e pedisse que ele saísse de casa enquanto a irmã dele estivesse lá, pra eles não brigarem, eu respondi:
- Dona Maria, olha seus 2 filhos e seu genro são bem grandinhos, um tem 36 anos e os outros dois tem 22 e 25, a senhora não acha que eles são adultos o suficiente pra aprenderem a se entender? Vá trabalhar em paz, e me desculpa mais eu não vou falar com o Du não. Ela concordou e foi trabalhar.

Outro fato, este aconteceu ontem,  a irmã mais velha se forma esse ano, e a festa de formatura será mês que vem, então a irmã mais nova que é casada com rapaz que o Du não se da, me liga, fala sobre vestidos, se eu vou ir e de repente me solta:
- Então como a gente vai fazer com o Du e com o "João"?
- Eu fazer o que?
- Ela há você sabe é a formatura da "Joaquina", é o dia dela, se o grosso do meu irmão quiser brigar com o João vai estragar o dia dela.
- Bem a única coisa que eu posso fazer é caso eu perceba seu irmão querendo arrumar briga na formatura, é conversar com ele, agora garantir que ele não vá fazer nada, já não dá
- Então mais eu não sei, você acha que ele vai brigar?
- Cunha, ele é seu irmão, seu e da "Joaquina" é o irmão que vocês tem, eu não posso fazer nada, ai é com vocês.

kkkkkkkkkkkkkkk

Olhem só foram 19 anos de uso de drogas, a família dele descobriu o problema há 12 anos atrás, e ao invés de buscarem ajuda buscaram culpados, imagina se tivessem feito a primeira escolha?

Eu acredito que teriam evitado muitos sofrimentos, hoje vejo que desnecessários

Gente ta vendo como buscar ajuda e conhecimento faz a diferença?

Se a família toda estivesse em tratamento, seria muito mais fácil todos viverem bem

Ta esperando o que pra ir buscar ajuda?

Ta esperando bater o pé no fundo do poço e a água da fossa bater na bunda?  

Chega de preconceito minha gente....!!!! Bora ser humilde e pedir água...

Estamos de braços abertos esperando vocês

Uma semana abençoada a todos, fiquem com Deus


 

Um comentário:

  1. Excelente post amiga...Realmente o conhecimento da doença é fundamental, mas, infelizmente uma boa parte das famílias acha que o doente é só o DQ. E sabe...é até bom a família dele estar convivendo um pouquinho com ele, porque assim eles conseguem perceber que os dois lados da história.
    Beijão amiga

    ResponderExcluir