terça-feira, 30 de abril de 2013

Diversificar




Buenas Galera

Andei um tempinho afastada do grupo no face, no inicio me senti triste, era como se faltasse uma parte minha, mais os dias passaram e eu consegui mudar o foco pra outras coisas que estavam um pouco abandonadas, e me fez um bem enorme, ta vendo como o PS (poder superior) sabe o que faz...rs..

Continuo escrevendo no blog, pq gosto, me faz bem, e sei que aqui eu aprendo e repasso muita coisa o qual aprendi no dia a dia.

E Diversificar, foi mais uma das coisas das quais eu aprendi que me fez muito bem.

Existem fases na nossa vida, as vezes ficamos mais tempo do que deveriamos e por algum motivo essa fase é interrompida, sem nosso conscentimento pra que possamos virar a cabecinha e olhar ao redor.
Hoje estou olhando ao redor, estou me permitindo descobrir outro mundo além da dependência e codependência.

Continuarei escrevendo enquanto em fizer bem, mesmo se encerrando esse ciclo, mesmo renascendo uma nova mulher ainda sinto que o blog faz parte da minha alma.

Hoje aconselho a vcs, olhem ao redor, lembram do post visão de tunel??

Pois então vamos, diversificar nossa visão, vamos olhar pras outras áreas das nossas vidas, vamos respirar outros ares e aos poucos se sentir mais um peixe nesse aquario enorme que é o planeta terra.

Cuide do seu lado profissional
Cuide do seu lado espiritual
Cuide do seu lado fisico
Cuide do seu lado intelectual
Cuide do seu lado emocional

SE PERMITA....SER UMA PESSOA "NORMAL"...

Fiquem com Deus

segunda-feira, 29 de abril de 2013

assim nasce uma Nova mulher




Buenas Galeraaaaaa

Estive bem pensativa nos ultimos dias sobre a minha vida, em como eu era, em tudo que aconteceu e em quem estou me tornando, e to orgulhosa de mim : )
Acho que tudo acontece na nossa vida por um proposito, e ter vivenciado a dependencia quimica de quem amo, contribuiu muito para o meu crescimento.
Em uma entrevista me perguntaram se eu faria tudo de novo...rs
Quem ta de fora tem como resposta um obvio NÃO...rs..mais sinceramente, eu não sei....!!
É verdade é dificil responder a gente nunca sabe como será de fato o "THE END" das histórias das nossas vidas.
O que sei, e que posso responder é que eu Amo o Du, ele foi a pessoa que mais me fez feliz e que mais me fez sofrer.
Com ele eu fui do céu ao inferno, varias vezes...então acho dificil responder se sim ou se não.
Uma coisa eu responderia com certeza, se eu tivesse o conhecimento que tenho hoje, teria muitas atitudes diferentes na nossa relação, eu não seria sua facilitadora nem a pau..kkkk
E hoje me enxergo uma mulher, que finalmente saiu dos seus 15 anos e assumiu os 30...rs
Antes eu era uma adolescente que sonhava com o principe encantado, tudo bem que no meu conto de fadas não combinava uma trilha sonora de passarinhos cantando, festas com valsas e o encontro a meia noite, meu conto de fadas tinha como festa uma have que rolava o final de semana inteiro, um som eletrônico com batidas de arrepiar a alma e uns amassos bem dados no canto escondido da balada...kkk...mais ainda assim eu era uma adolescente romântica a moda moderna...hahaha
Depois casei e tive filhos, uma história não muito bem planejada, não muito bem amadurecida, mais sim seguindo impulsos de salvar uma vida, salvar a minha vida e dar continuidade no "conto de fadas moderno" da adolescente aqui.
Hoje finalmente cresci, me tornei uma mulher, mãe que assumiu a propria vida, que acredita nas suas convicções e está aberta a aprender sempre com as pessoas com os acontecimentos.
Hoje eu aprendi que a melhor forma de superar a si mesma, é se olhar no espelho, sem maquiagem, sem mascará e enxergar quem vc realmente é, mesmo que não goste é se olhar se assumir e parar de fantasiar.
Hoje aprendi que o otimismo é válido quando se usa ele pra dar um gás, um "up" pra se levantar do chão e continuar a caminhar
Hoje aprendi que esse mesmo otimismo se usado de uma forma fantasiosa pode ser fatal, quando vc olha pra sua vida ao invés de enxergar algo bom além do ruim faz o ruim virar bom e aceita isso como verdade e assim resolve viver a vida, achando que o ruim não é tão ruim e que isso é o suficiente pra te fazer sorrir.
Pergunto pq? Pq vives assim menina? Por medo? Medo do novo? Medo da mudança? Medo de não conseguir nadar e morrer afogada no meio do caminho?

Eiii menina acorda, tem areia e terra firme do outro lado tb, vc até pode duvidar da sua capacidade e achar que não consegue atravessar, mais vc se lembra da Fé, de Deus??
Então se fortaleça e se jogue dessa praia que vc finge que é bonita pra não morrer de tristeza se sentindo derrotada ou envergonhada por não ter coragem de assumir que tem medos.

Assuma seus medos, supere seus medos...renasça, mude e cresça

A vida é um eterno aprendizado, sem tentar nunca saberá se é capaz.....e mesmo que caia muito no começo, lembre-se a determinação e a fé te fazem alcançar outros mundos, o SEU MUNDO INTERIOR

Fiquem com Deus...

sexta-feira, 26 de abril de 2013

de bem comigo Mesma




Buenas galera...

Depois que me separei do meu marido, coloquei um propósito na minha vida, aprender a viver sozinha, eu preciso, eu quero e acho que todos deveriam aprender como se faz pra ficar bem consigo mesmo sem depender de algo ou de alguém.

Eu sempre tiver relacionamentos longos, e quando não estava namorando me enfiava em uma maratona de festas, baladas, muita zueira.

Eu nunca fiquei um tempo sozinha pra me questionar, quem sou EU...de verdade, meus sentimentos eram sempre relacionados a pessoas a acontecimentos, eu sozinha era nada, me sentia depressiva.
No inicio do ano passei por isso, fiquei de férias e durante 20 dias meus companheirinhos eram meus filhos de 5 e 2 anos, eles ocupavam meu tempo, me distraiam, preenchiam meu coração, mais quando eu me pegava sozinha no sofá assistindo televisão me sentia vazia, afinal os filhos crescem, e seguem a vida deles, e o que EU faria depois disso.
Olhava pro meus pais e tentava me ver no futuro e imaginar como seria, com todo tempo livre pra mim e se por acaso eu estivesse sozinha, como seria?
Aprendi que não posso condicionar minha felicidade a ninguém, então parei de imaginar que eu viveria feliz com um amor ao meu lado, eu queria me imaginar feliz sozinha pra depois encontrar esse amor.
Fiquei meio depressiva pq constatei que sozinha eu não era nada.
Se passaram 4 meses, desde esse periodo de férias, e aos pouquinhos estou conseguindo encontrar a minha paz e a minha felicidade, me sentir bem comigo mesma, gostar da minha compania, tem horas que bate uma carência, mais percebi que isso passa.
Existem várias formas de se preencher, abaixo segue umas dicas que eu tenho aplicado e tem me ajudado.

Eu vivo o momento, se estou cuidando dos meus filhos, vivo as emoções que aquele momento proporciona.
Eu visito amigos, amo fazer isso, passar uma tarde jogando conversa fora, comendo umas esfihas, tomando uma cerveja, dando um telefonema, conversando no inbox do face, via email é muito bom dar um SALVE pra galera (aproveitando que to sem face...rs..SALVE CICI, NEGO, MADRINHA, e a galera do grupo...rs)
Escrevo, pra mim escrever é terapia, coloco sentimentos, idéias é terapia.
De domingo vou a palestras do evangelho, adquirir conhecimento espiritual.
Canto, ouço musica, choro com as lletras me contagio com elas.
Aprendo formas de me cuiadr, novas tendendias de maquiagem..rs...regime...roupas...
Eu tenho cuidado de mim, e tem em feito muito bem, aos pouquinhos um dia de cada vez, aprendo a ter paciência principalmente comigo mesma, e a me aceitar.
Lembram do lema que comece por mim, então que eu comece a fazer por mim e me sinta bem, ai sim eu conseguirei contagiar as pessoas ao meu redor com alegria...

ALEGRIA DE VIVER...CARA ISSO EU TENHO DE SOBRA...

Um grande abraço a vcs e fiquem com Deus

quinta-feira, 25 de abril de 2013

amor ou Codependência



Buenas

Depois de ler o artigo publicado ontem no blog, vi que codependencia pode ir além da convivencia com um dependente quimico, mais pra não fugir muito ao assunto quero falar sobre a codependencia no universo em que vivemos, (dependencia quimica), antes de expor algumas idéias vamos analisar.
Quando procuramos algo sobre codependencia na internet, costumamos achar essa descrição para os codependentes "Normalmente são pessoas que têm baixa autoestima, intenso sentimento de culpa e não conseguem se desvencilhar da pessoa dependente"
O que não deixa de ser verdade, porém não da pra rotular, pelo menos no universo "dependencia quimica" falarei por mim.
Primeiro o que é  baixa autoestima?
A baixa auto-estima é caracterizada por uma percepção negativa de si mesmo. Pode ser expressa por crenças como “eu sou um fracasso”, “eu não sirvo para nada” ou por uma sensação de incapacidade ou menos valia que é muito difícil de a pessoa conseguir traduzir para si e para os outros(http://patriciaadnet.com/2010/03/o-que-e-baixa-auto-estima/)

Eu nunca me senti assim...rs...acho q as vezes sou insegura mais pesando a minha vida na balança minha autoestima sempre esteve mais alta do que baixa e eu sou uma codependente...rs

Resolvi escrever sobre pq me lembro que no inicio de relacionamento com o DU, nos primeiros meses que descobri sua Dependencia quimica, tinha uma amiga, de uma amiga, de uma amiga..rs..que trabalhava em uma clinica para dependentes, lembro que fui conversar com ela, contei o que acontecia e ela me respondeu com um olhar de piedade assim: Filha vc está doente, sua autoestima está la em baixo, vc é uma pessoa emocionalmente adoecida e procura relacionamentos autodestrutivos, vc precisa se cuidar senão ira piorar.
Na hora pensei, essa mulher ta maluca, eu autoestima baixa? querendo procurar um relacionamento autodestrutivo??...paraaa nada a ve...pq eu amo um homem que usa drogas quer dizer que eu me acho um lixo e gosto de sofrer...
Hoje até entendo o que ela quiz dizer, não concordo contudo, mais entendo...porém por falta de esclarecimento sobre a codependencia, a forma com que os familiares são abordados talvez espante as pessoas, eu nunca me achei um lixo e nunca gostei de sofrer.
Eu me relacionei com o Du, pq eu me apaixonei por ele, meus outros dois relacionamentos foram com pessoas "normais" um mais ciumento e o outro não.
Mais acontece que eu ja tinha um padrão de comportamento codependente, cresci achando que os problemas dos outros sempre eram maiores do que os meus, que se colocar em primeiro lugar era egoismo e que isso era feio, hoje entendo que me permiti viver certas coisas pela forma que aprendi a me adequar ao mundo.
Então não da pra ROTULAR...codependente como pessoa que se acha um nada e gosta de sofrer.
No caso de quem convive com a dependência quimica, a codependência nos envolve sorrateiramente, ela vai nos minando, somos envolvidos em um universo de mentiras e manipulações, e não apenas de palavras.
São mentiras e manipulações de sentimentos, de emoções, chega em um ponto em que não sabemos o que estamos sentindo.
Eu por diversar vezes me sentia mau, e não sabia dar nomes, não era só tristeza, só decepção, só raiva, só angustia...era CULPA...e eu não sabia o pq me sentia daquela forma, então me achava uma doida...rs...não estava em paz, mais não sabia explicar o que era e nem pq eu não conseguia me desvencilhar daquilo tudo.
Só consegui enxergar claramente do que se tratava, depois que comecei a frequentar grupos (amor exigente), ler sobre o assunto.
Então passei a entender o que era a dependencia quimica (a doença do comportamento) e passei entender o que era a Codependencia ( a doença de se conviver com um dependente quimico)
Só depois de esclarecida consegui me desvencilhar, consegui separar o AMOR e a DOENÇA.
Hoje eu sei que eu me casei com o Du e formei uma familia por AMOR
E sei também que me permiti viver sofrendo e facilitando a vida dele por CODEPENDÊNCIA.

Vc familiar que tem um dependente quimico na familia, não vc não é um lixo que gosta de sofrer, vc é uma pessoa..alias mais uma vitima das DROGAS, que sente a tristeza de ver quem se ama se autodestruindo, e sofre com a impotência perante essa doença.
A impotência te machuca, pq ela te deixa de mãos atadas, então só resta uma coisa, SE CULPAR...por não ter feito isso, ou não ter feito aquilo

Má noticia: realmente somos impotentes perante a dependencia quimica de nossos entes queridos

Boa noticia: vc não está sozinho, igual a vc existem milhares, hoje mostram muitos dependentes quimicos na televisão, imagine que cada um deles, tem no minimo uns 5 codependentes en volta, fez as contas??
Somos muitos

Outra boa noticia: a dependencia quimica não tem cura e somos impotentes, mais existe uma forma correta de se lutar contra ela, existe um jeito de ser feliz e colher flores no meio do lixão, existe SOU PROVA DISSO.

Sabe como? Busque ajuda em grupos, deixe o preconceito de lado, acredite que vc pode viver e sorrir novamente, tem um bando de gente de braços abertos te esperando pra fazer essa oração que me emociona até hoje:

Eu seguro minha mão na sua, uno meu coração ao seu pra que juntos possamos fazer aquilo que sozinho não consigo. é, força e alegria SÓ POR HOJE

SOZINHO EU NÃO POSSO, MAIS JUNTOS NÓS PODEMOS.

Hoje posso dizer que sou uma pessoa mais feliz do que antes da dependência quimica de um ente querido entrar em minha vida, pq hoje eu aprendi a me bastar pra sorrir, e isso eu faço como ninguém...

Fiquem com Deus

quarta-feira, 24 de abril de 2013

emocionante



http://www.youtube.com/watch?v=DoQzk7AxEUU

ESSE VIDEO ME EMOCIONOU, SÓ QUEM VIVE SABE O TAMANHO DA DOR, NÃO É APENAS O QUE O VIDEO MOSTRA SABEMOS QUE VAI MAIS ALÉM E SABEMOS TAMBÉM QUE APESAR DA LUTA CONTRA AS DROGAS SER TOTALMENTE DESIGUAL, SE USARMOS AS ARMAR CERTAS FICA MAIS FÁCIL DE VENCE-LA.

SOZINHOS NÃO PODEMOS, MAIS JUNTO A GENTE PODE.

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES

UM ABRAÇO KEL

CODEPENDÊNCIA





Buenas

Achei um artigo interessantissimo sobre Codependência vai ai pra vcs.

Codependência: A doença da perda da alma

"Ninguém pode nos ferir sem o nosso consentimento"

Eleanor Roosevelt
Roberto Ziemer
Você se sente diferente das outras pessoas? Desconfortável com elogios? Tem grandes dificuldades para aceitar críticas? Sente-se sozinho ou vazio quando não está com outras pessoas? Critica-se de forma exagerada quando erra? Sente dificuldades para expressar sentimentos? Só aceita ajuda em último caso? Tem medo de perder o controle? Sente-se melhor quando resolve os problemas de outras pessoas? Tem dificuldades para colocar limites ou dizer "Não"? Acredita que se pudesse mudar os outros, sua vida melhoraria?
Estes sintomas não são aleatórios, mas fazem parte de um transtorno emocional chamado de codependência, que vem contaminando, em diferentes níveis, todos aqueles que vivem em nossa sociedade. De forma sintética, a codependência é a doença da perda da alma ou de nossa verdadeira identidade. É uma maneira de sobreviver a situações dramáticas e crescer em ambientes inseguros e dolorosos.
Com o tempo nos distanciamos tanto de nossa verdadeira identidade que acreditamos em sua inexistência e, simultaneamente, nos identificamos completamente com o eu falso ou codependente. Esta separação interna nos leva a acreditar que apenas alguém, ou algo fora de nós, pode nos trazer a felicidade. Atualmente não faltam exemplos que demonstram a força deste mal-entendido: é o casal de namorados que acredita que o casamento vai resolver todos os problemas; é o casal de meia idade que acredita que a viagem para a Europa resgatará o romance na relação; é o gerente que sonha com a diretoria ou presidência da empresa para se sentir realizado. Como comentou Joseph Campbell: "não há nada mais frustrante do que subir uma escada (sonhos e projetos baseados na codependência) e perceber, ao final, que ela estava apoiada sobre a parede errada".
Infelizmente este engano básico é transmitido e reforçado pelas pessoas mais importantes de nossa vida: pais, professores, amigos e mesmo nossos heróis ou figuras de referência. É reforçado, para benefício próprio, pelos meios de comunicação, governos e religiões, que se apóiam na codependência para aumentar seus ganhos ou número de devotos.
Nas famílias disfuncionais, em que os pais usam seus filhos para preencher as próprias necessidades emocionais, as crianças logo aprendem que sentimentos positivos sobre elas mesmas (auto estima) dependem do estado de humor dos adultos à sua volta. Este tipo de relacionamento, gradativamente, vai minando a auto-confiança da criança, estabelecendo as bases para um indivíduo dependente, inseguro, "escravo" das necessidades e desejos alheios.
Muitos padrões de codependência são extremamente valorizados e recompensados, desde o início da interação entre pais e filhos. Crianças extremamente obedientes, desejosas de agradar e que facilmente cedem aos desejos alheios são freqüentemente avaliadas como "crianças exemplares". Ao contrário, aquelas que não se deixam moldar a este padrão são rotuladas de "ruins", "más" ou "egoístas", podendo receber todo tipo de ameaças e castigos.
A codependência é mais evidente nos relacionamentos com pessoas importantes de nossa vida, com as quais compartilhamos algum nível de intimidade, ou com aquelas com quem nos sentimos inseguros ou ameaçados. Nestes momentos perdemos nossa força e direção interiores, e somos repentinamente dominados por sentimentos e pensamentos de fracasso, incompetência e impotência. Este processo é chamado de "regressão etária" - deixamos de nos ver e nos comportar como adultos, e somos dominados por memórias ameaçadoras de situações da infância ou adolescência.
A codependência tem origem e é reforçada nas instituições (família, escola, empresa, igreja) baseadas em regras rígidas de comportamento que impedem a espontaneidade, em que não há espaço para a expressão de nossa verdadeira identidade. Algumas das regras mais comuns nestes ambientes são:
  • Não fale de problemas ou conflitos - isto pode ser interpretado como crítica ou ataque àqueles que estimamos ou dependemos. Além disso, não faça esforços para resolver realmente os problemas, pois ao contrário do discurso, estes precisam perdurar para que algumas pessoas continuem controlando ou comandando;
  • Não expresse sentimentos - sentimentos podem revelar temas ou assuntos proibidos (tabus). Também podem reavivar memórias que a maioria das pessoas gostaria de esquecer;
  • Sempre se comunique de forma indireta - muitos pais, professores ou líderes de empresa têm dificuldade de comunicar-se e expressar-se de forma direta e transparente. Isto obriga a uma comunicação indireta, por meio de intermediários;
  • Não seja egoísta - preocupe-se com os outros em primeiro lugar, principalmente aqueles que têm "problemas". Suas necessidades e desejos não são importantes - coloque-as no final da lista;
  • Faça o que eu digo, não o que eu faço - aqueles que têm poder - adultos (para a criança) e líderes (para os adultos) - muitas vezes não se sentem obrigados a fazer o que falam, mas exigem que as pessoas que delas dependem se iludam com seus discursos;
  • É proibido brincar e relaxar - é preciso estar sempre ocupado, fazendo alguma coisa, atento e preparado para a próxima crise. Relaxar é perigoso, pois permite uma conscientização das regras tóxicas do grupo;
  • É proibido errar - errar é vergonhoso e passível de punição ou humilhação, pois revela que somos imperfeitos, pecadores, distantes da meta cristã ("à imagem e semelhança de Deus"). Por isso, se errar esconda, ou encontre um culpado;
  • Sacrifique-se - não se preocupe com suas necessidades, nem com os sacrifícios que você terá que fazer para "ajudar" (salvar) os outros, ou encobrir suas dificuldades.
Os padrões de codependência
Sob a influência das regras de conduta estabelecidas pelos grupos com os quais convivemos (expostos acima), da qualidade de nossos primeiros relacionamentos e de nossa própria constituição psicológica (tendências inatas), escolhemos papéis ou padrões de codependência que definem nossas escolhas, comportamentos e atitudes. Estes papéis têm a função tanto de encobrir o vazio de identidade, quanto o de dar algum significado à nossa percepção confusa ou distorcida de mundo.
"Salvador" ou "Consertador" - a auto estima destas pessoas passa a depender da capacidade de ajudar ou "salvar" outras pessoas, especialmente as "vítimas", aquelas que não querem se responsabilizar pelos próprios problemas;
"Agradadores" - estão sempre preocupados em agradar, pois não acreditam que as pessoas com as quais convivem possam achá-los interessantes - com base numa auto estima negativa os "agradadores" estão sempre se achando inoportunos ou impróprios;
"Inadequados" ou "perdedores" - sentem-se como os "agradadores" - imperfeitos, "defeituosos", "errados" - mas desistiram de fazer qualquer esforço para agradar. Ao contrário, se envolvem em situações difíceis ou desastrosas apenas para confirmar o papel de "perdedores";
"Perfeccionistas" - acreditam que apenas serão amados ou reconhecidos se forem "perfeitos". Perfeccionistas são extremamente críticos e severos consigo mesmos e com os outros, o que gera relacionamentos conflituosos e estressantes;
"Super-empreendedores" - são escolhidos como "heróis" da família, aqueles que irão encobrir as dificuldades, humilhações e derrotas do passado através de grandes feitos - tornarem-se cientistas renomados, empresários de sucesso, artistas conhecidos. Tem compulsão pelo trabalho, e pouco tempo para relacionamentos com outras pessoas ou consigo mesmo;
"Narcisistas" - são extremamente inseguros e apresentam baixa auto estima, que encobrem com uma "fachada" de autoconfiança elevada e grande capacidade de manipular e iludir os "agradadores", "inadequados" e "super-empreendedores". Não aceitam ser questionados ou criticados, e precisam ser sempre o centro das atenções.
Cura e Transformação
Os padrões de codependência, embora necessários nos primeiros anos de vida, tornam-se, gradativamente, fonte de frustração e limitação interior. Enquanto nossas ações e decisões estiverem sob a influência destes papéis estaremos impossibilitados de ter uma vida plena e satisfatória.
Para modificar esta situação precisamos estar dispostos a encarar um programa de auto desenvolvimento, que seja capaz tanto de nos ajudar a identificar e desvencilhar dos padrões destrutivos (eu falso), quanto apoiar a manifestação de nossa verdadeira identidade (eu verdadeiro), como descrito no quadro abaixo.
Eu falso ou codependente
Eu verdadeiro
Tende a extremos - ou é agressivo ou apáticoAssertivo - consegue afirmar-se de forma construtiva
Não sabe lidar com limites - ou é agressivo ou isola-seSabe lidar bem com limites - sabe dizer "Sim" e "Não" de forma apropriada
Percebe o outro como útil a si mesmoPercebe o outro com suas próprias necessidades
Ou evita assumir responsabilidade ou assume responsabilidades dos outrosAssume responsabilidade de forma apropriada
Controla de forma obsessivaNão preocupa-se em controlar - confia
Rejeita críticas e feedbackAceita críticas e feedback
Expressa a raiva de forma destrutivaExpressa a raiva de forma apropriada
Não têm empatia por outras pessoasTem empatia por outras pessoas
É rígido e perfeccionistaÉ flexível e aberto
Contato pessoal é tóxico, enfraquecedorContato pessoal é energizante e tranqüilizador

Este programa deve contemplar:
  • Uma busca pela verdadeira identidade - na medida em que a codependência se fortalece, perdemos contato com nossa natureza interior (alma). Através da identificação, questionamento e transformação dos papéis falsos descobrimos que existe uma maneira mais espontânea e saudável de estar no mundo;
  • Uma reconexão com nossos sentimentos - sentimentos e emoções são o centro de nossa vida interior, os aspectos centrais que dão significado ao que somos e fazemos. Sem o contato com nossos sentimentos não há possibilidade de cura ("no feeling no healing");
  • Uma conscientização de nossas necessidades - satisfazer nossas necessidades básicas é fundamental para que possamos evoluir e desenvolver nossas capacidades superiores ou espirituais (auto realização);
  • Um espaço seguro - existem poucos lugares em que podemos realmente expressar quem somos, tanto nossas dificuldades e conflitos quanto nossos sonhos e esperanças. Sem um espaço seguro e de apoio não seremos capazes de nos abrir e compartilhar a nossa história, elementos imprescindíveis para a cura;
  • Estabelecendo limites - durante a vida nossos limites físicos e emocionais foram muitas vezes ultrapassados e desrespeitados. Isto criou um sentimento de impotência, baixa estima e desrespeito em relação a nós mesmos. Reconhecer nossos limites e aprender a dizer "Não" são passos fundamentais para gerar um sentimento de valor próprio;
  • Compartilhando nossa historia - o que contamos aos outros sobre nós e a nossa história em lugares inseguros é geralmente superficial e distorcido. Para libertarmo-nos da codependência é necessário re-conhecer e re-contar "como tudo realmente aconteceu" num ambiente seguro. A cura está na verdade.
  • Criando novas regras e mensagens - após nos conscientizarmos e nos libertarmos das regras e crenças destrutivas criadas no passado, estaremos prontos para criar nossas próprias regras e mensagens, baseados no respeito a nós mesmo e aos outros;
  • Aprendendo a brincar e relaxar - à proporção em que nos libertarmos da opressão auto imposta (papéis de codependência) seremos capazes de nos reconectar com nossa criança interior, que representa os aspectos mais genuínos, espontâneos e criativos de nossa personalidade.
Roberto Ziemer é mestre em psicologia social pela PUC-SP e terapeuta formado pelo Grof Transpersonal Center. É palestrante e coordena grupos e seminários em transformação humana e organizacional, utilizando a metodologia dos sete estágios de consciência. É coordenador do Instituto de Psicohistória no Brasil, e professor da "Associação Palas Athena" de São Paulo. É autor do livro Do Medo à Confiança: como realizar seu projeto de vida (Editora Gente), e Mitos Organizacionais: O Poder Invisível na Vida das Empresas (Editora Atlas




 http://www.plenitudeonline.com.br/index.php?paginas_ler&artigos&id=931

terça-feira, 23 de abril de 2013

como a Religião pode atrapalhar?



 Na verdade não é a religião em si que atrapalha, mais a forma erronea de interpreta-la, posso dizer por uma pessoa que viveu isso de perto, eu particularmente não tenho uma religião, acredito em Deus, simpatizo mais com umas menos com outras, enfim.
O Dú é de familia evangélica, uma das igrejas mais tradicionais e de doutrina rigorosa, durante sua adicção, fui com ele e com a familia algumas vezes ao culto dessa igreja, muitas vezes me emocionei bastante, acreditando cegamente em uma palavra muita repetida entre eles : Meu filho vc está liberto, o espirito ruim foi derrotado, vc será um vitorioso.
Nossa eu me emocionava com a emoção e a fé deles nessa frase e também acreditava que como em um passe de mágica, a adicção tinha sido curada e nunca mais eu viveria aquele pesadelo, de ver quem eu amo sendo perdido pelas drogas, me lembro bem que em um culto em especial, eu estava grávida de  meu primeiro filho, ele nasceria dentro de uma semana e o Dú vinha de um perído de ativa onde o uso estava sendo semanal, eu sofria demais chorava sozinha a noite toda, com medo, ansiedade, tristeza, dor, angustia não consegui a dormir, era tudo que eu mais queria mais não conseguia.
Então depois de mais uma noite em que ele me largou na casa da minha sogra e foi se drogar, no dia seguinte ele cheio de culpas e arrependimento, eu com o rosto inchado de chorar a noite inteira, minha sogra diz: É hoje meu filho que Deus vai tomar uma providência, vamos ao culto em tal lugar, fomos, chegando lá, eu parecia um zumbi, estava lá de corpo presente, minha mente e minha alma pairavam em um lugar distande de tudo aquilo, quando veio a palavra do culto, me lembro do ansião dizendo assim:
- Minha filha, Deus tem visto suas lutas, suas noites sozinhas em desespero, chorando de agonia, ele me mandou dizer que vc não está mais sozinha e mandou dizer mais, seu sofrimento terá fim, anota ai daqui 7 dias sua vida se enchera de bençãos e vc não derrubará mais uma lágrima sozinha nas noites de tormenta, pq Deus está contigo e a partir de agora ele te liberta desse calvário.
Não preciso dizer que essa hora eu chorava de soluçar,com uma expectativa danada pra essa "libertação" acontecer, e passar logo esses 7 dias, pra mim agora eu seria feliz pra sempre, não só pra mim, pra minha sogra, pro Du, pra todo mundo, o pesadelo dependência quimica havia acabado.
Passaram-se uns 8 dias e meu primeiro filho nasceu, sim aquele ansião estava certo e a palavra de Deus também, a partir daquele dia eu não choraria mais sozinha, tinha um bebe pra me acompanhar nas noites de desespero que não demoraram a acontecer.
Na época fiquei revoltadissima, cheguei a ir em outros cultos com a familia dele e ele, e sempre ouvia a mesma coisa "o espirito ruim caiu, meu filho está liberto" pra não ser a do contra e não decepcionar nem as pessoas e nem Deus eu me esforçava em acreditar, até que se passaram 6 anos e o tal espirito ruim caia mais levantava denovo e denovo e nada mudava...rs
Culpa da religião? Não culpa minha alias nossa que interpretava tudo errado, afinal Deus faz por nós o que não conseguimos, mas antes ele espera que a gente faça a nossa parte, e ninguém fazia no caso, eu não procurei grupo de ajuda, os familiares dele então não podiam nem ouvir falar, lembro que a minha sogra também se encheu e mudou o discurso: "Ou o espirito ruim cai ou Deus levará meu filho desse mundo", bom não precisava ser Deus pra saber disso, ou o Du parava de usar drogas ou um dia ele ia acabar em um dos 3 C, Caixão, Cadeia ou Clinica.
Quando depois de tanto sofrer tentando controlar a dependencia quimica do Du, eu comecei a entregar os pontos, comecei a entregar minha vida nas mãos de Deus e pedir que ele me guiasse, foram surgindo pessoas, informações e eu fui seguindo as pistas e colocando em prática o que eu aprendia, e um dia voltando a essa mesma igreja em um testemunho de um irmão cego, ele me emocionou e me fez entender como Deus age em nossa vida, a história dele foi mais ou menos assim.
Ele sofreu um acidente e perdeu a visão, depois de tanta tristeza e decepção em sua vida, ele conheceu essa doutrina, se encantou e começou a frequentar os cultos assiduamente. Nos cultos tinham os musicos que tocavam na orquetra os hinos da igreja, nasceu dentro dele uma vontade imensa de participar dessa orquestra, mais ele era cego, como que aprenderia a tocar um instrumento, procurou um professor de musíca da propria igreja afim de que o ajudasse a aprender, ele tentou, mais realmente não estava dando certo, o professor o aconselhou a aceitar a sua limitação, que se Deus havia permitido que isso acontecesse com ele, que deveria aceitar com resignação e se dar por satisfeito em fazer o que lhe era possivel, ele muito triste, foi embora decepcionado, arrasado, derrotado, mais uma voz dentro dele lhe dizia, não desista, seu coração aquecia sempre que se imaginava tocando os hinos durante o culto, ele se ajoelhou e pediu senhor se é da sua vontade me guie e me mostre do que sou capaz, ele tinha um violino em casa, sentou em sua cama, e se e esforçando por lembrar as notas dos hinos que havia tentado ensair antes com o professor, passou a se decidar, dia após dia, passava horas em seu quarto ensaiando sozinho se lembrando das notas, até que conseguiu tocar o primeiro hino, foi correndo mostrar ao seu professor o que ele havia aprendido, ao milagre que Deus estava operando em sua vida, o professor emocionado o abraçou e retomaram as aulas e hoje ele é musicista na igreja e toca nos cultos, em apresentações em outras cidades, ele realizou seu grande sonho, louvar a Deus tocando.
Emocionante não? Me lembro ainda que ele completou: irmão se vc tem um sonho, acredite nele, pra Deus nada é impossivel, Deus diz a vc faça até aonde seu braço alcança, aonde ele não alcançar mais confie em mim que eu farei por vc.
Era isso que as pessoas não estavam entendendo direito, o erro não é da religião que diz estar liberto,  o erro é nós que somos acomodados e queremos que as coisas aconteçam em um passe de mágica, quermos que nossas vidas mudem, que as pessoas mudem em um estalar de dedos.
Não definitivamente não é assim, Deus faz milagres, ele nos salva e cuida da gente todos os dias, mas a caminhada é nossa, quem tem que subir os degraus da escada da evolução somos nós, com nossos proprios pés, trazendo esse exemplo pra nossa realidade a dependencia quimica e a codependencia, se quisermos nos libertar de tamano sofrimento, devemos primeiro de tudo querer de verdade, assim como o cego queria aprender a tocar um instrumento, depois devemos procurar aonde adquirir conhecimento e força pra subir os degraus, devemos praticar, nos esforçar e ir subindo um de cada vez.
Os codependentes devem aprender a lutar pela propria felicidade, aprendendo a amar ao próximo como a ti mesmo, os dependentes devem lutar contra seu vicio pra viver uma vida digna e feliz

Fiquem com Deus

segunda-feira, 22 de abril de 2013

visão de Túnel



Buenas Galera

Sobre esse titulo Visão de Túnel, ouvi a primeira vez em uma palestra que foi dada por um adicto em recuperação há 8 anos, e inspirada do post da nossa amiga Emily http://amandoeajudando.blogspot.com.br/2013/04/tregua.html?showComment=1366626596966

Resolvi falar sobre isso.

Nossa vida é dividida em várias "áreas": profissional, intelectual, familiar, emocional, fisica, espiritual, financeira, etc esses foram os que me vieram a cabeça.
É muito dificil encontrarmos alguém que esteja 100% em todas as "áreas" da vida.
Alguns se encontram em dificuldades financeiras, mas tem uma familia unida e saúde em  ótimo estado, outros tem muito dinheiro, mais a familia vive em brigas, alguns tem uma vida espiritual muito intensa, mais profissionalmente não são muito privigeliados, enfim passaria o resto do dia dando vários exemplos.
Agora o que acontece com nós CODEPENDENTES, quando estamos convivendo com a dependência quimica.
Nossa vida deixa de ser esse leque de "áreas" e passa a ser um túnel.
Nós só enxergamos esse túnel, e muitas vezes até vemos uma luz no final dele..a de um trem vindo nos atropelar...kkkk
Nossa vida deixa de ter sentido, tudo porque temos um ente querido envolvido e se afundando nesse mundo triste da dependencia quimica.
Nos esquecemos que temos vida, nos esquecemos das coisas boas que temos ao nosso redor, passamos a focar nossa atenção e energia toda no dependente quimico.
E com o passar do tempo, deixamos de nos dedicar a essas áreas:

profissional: ficams cada vez mais distantes, por vezes omissos e já não desempenhamos nosso papel tão bem, correndo o risco de perdermos um emprego

intelectual: não encontramos tempo ou muitas vezes não temos vontade de aprimorar nossos conhecimentos, elr um bom livro, fazer novas descobertas

familiar: vivemos tristes e cansados demais pra se dedicar com amor a outros familiares, quantos irmãos, filhos, maridos, esposas, pais, passam a ficar em segundo plano pq dedicamos tempo integral a cuidar e se preocupar com a vida do adicto

emocional: Vivemos desesperados tentandoe vitar a próxima dose, o que é impossivel, nos frustramos, nos irritamos, nos desesperamos, entristecemos...sorrir? o que é isso? viramos simplesmente a pessoa encarregada de cuidar, vigiar e proteger o bebe Adicto

fisica: com tanto tempo e energia empenhado em vão pra evitar a próxima dose ou amenizar as consequencias das insanidades do adicto ficamos exaustos, insanos como ele e muitas vezes adoecemos

espiritual: fé o que é isso? passamos noites e noites, implorando, chorando, pedindo a Deus que nunca mais precisassemos viver aquilo, esquecemos de que cabe a nós sair desse buraco que cavamos, passamos até a não acreditar mais em Deus, nos perguntamos a onde está Deus o qual  permite que coisas horriveis, inimaginaveis aconteçam, quanto sofrimento.

financeira: na busca insana em tentar evitar a próxima dose do adicto, fazemos de tudo, chantageamos eles com "presentes", pagamos divida deles, evitamos que a vida dele piore, piorando a nossa tudo em vão.

Essa visão de túnel faz com que abandonemos todas as outras áreas de nossas vidas, passamos a cuidar somente do adicto esquecendo de cuidar de nós mesmos.

Resultado: Dois insandos sentadinhos no fundo do poço de mãos dadas.

Ele perde o emprego por ser relapso por viver atrás da droga, eu perco o emrpego por ser relapsa e viver atrás dele

Ele deixa de se interessar pelos estudos, livros por viver atrás da droga, eu deiso de me interessar pelos estudos, livros por viver atrás dele

Ele se afasta de todos da familia por viver atrás das drogas, eu em afasto de todos da familai por viver atrás dele

Ele arrasa o proprio emocional por viver o ciclo - USO- ABSTINENCIA - RECAIDA, eu arraso meu emocional por correr atrás dele tentando evitar esse ciclo

Ele deteriora a saúde dele pela vida insana em busca das drogas, eu deterioro minha saúde por viver insanamente tentando evitar a sua proxima dose

Ele  perde a fé em Deus por não conseguir parar de usar, eu perco a fé em Deus por não conseguir evitar que ele use

Ele se ferra financeiramente devido ao uso da droga eu me ferro financeiramente tapando os buracos que ele deixou.

Entendem que não da pra focar nossa vida na deles?

Precisamos cuidar das outras áreas da nossa vida.

Precisamos deixar que eles sofram as consequencias de se uso.

Só assim eles podem perceber o quanto estão se dando mau e talvez pedir ajuda

E só assim estatemos de pé pra estender a mão quando for necessário.

Fiquem com Deus...e bora cuidar da nossa vida??


Bjuuuuuuuuuu 

sexta-feira, 19 de abril de 2013

os rtimos da Vida




Buenaaaaaaaaaasss

Eu sempre pensei que, sonhar, amar, flutuar, era o que deveriamos fazer para ser feliz
Eu sempre achei que a vida era uma eterna valsa...
Fui crescendo e enxergando que a vida as veezes, era valsa, as vezes samba, as vezes rock e as vezes beeeemm PUNK.
Então entendi, que não era o mundo que deveria se adaptar ao meu rtimo, mais sim eu que deveria aprender a dançar o rtimo que a vida estivesse tocando.
Aprender não é fácil, é simples...porém não é fácil
Há momentos da vida em que a dança exige certos ritmos que vc ainda não aprendeu a dançar.
Em um momento de grande tristeza, vc deverá aprender a ser otimista
Em um momento de decisão, vc deverá ser realista
Se em algum momento vc estiver cansada e começar a ser pessimista...ok não se culpe, apenas entenda que faz parte da dança da vida passar por essas coisas, e que esse pessimismo está servindo pra vc aprender a identificar que vc não sabe tudo, então vc vai ver que se quiser voltar a dançar sorrindo e levemente existem muitos dançarinos a sua volta dispostos a te ensinar um novo ritmo.
A humildade, a paciência, a resignação, a persistência, a confiança a fé.
Afinal se vc não se permitir errar nessas coreografias e ritmos frenéticos da vida, vc nunca se tornará um verdadeiro bailarino, apenas fingirá que aprendeu a dançar : )

Fiquem com Deus e um conselho...SE PERMITA....VALE A PENA 

quinta-feira, 18 de abril de 2013

autoconhecimento Fundamental para Recuperação





Bom dia Galera

Um excercício muito bom pro autoconhecimento, vai ai um exemplo de um dia.
Vc deve fazer esse exercicio durante uma semana, e mandar a alguém pra que leia, alguém de sua confiança.

Nessa semana, evite falar ou escrever sobre as outras pessoas, se concentre em vc e fale mais de vc.
Esse exercicio abriu a minha visão

Fica a dica

Bjus

**************************************************

1 - Em que momento do dia me sente "alterada" emocionalmente? (isso vale para coisas boas e ruins)
7:00- incomodada, vi o valor que caiu das minhas férias e pensei ferro tem algo errado só pode meu
12:00- feliz paguei o documento do meu carro
14:20- resolvi tomar coragem e comecei a fazer uma previsão de gastos pro ano que vem..comecei a tentar colocar em ordem a bagunça...cara me assustei...eu to fufu ao cubo...ainda não sei bem como fazer...mais vou acreditar que Deus vai me dar uma luz...nossa fiquei triste de mais e to tentando não ter raiva do Eduardo...pq eu nunca tive o nome sujo até casar com ele...hoje devo sei la quanto nem somo que é pra não chorar...e pensar q a dois meses ele gastou cerca de 4.000 com droga não me ajudou em nada..nadinha...ai eu ligo pra ele e falo..naum tenho dinheiro nem pra colocar gasolina no carro pra descer pra praia..se vc quiser que eu va...meu vai ter q dar um jeito...ele disse q vai dar um jeito...conheço ele...quero vê a hora q ele vier pedir pra mim passar o cartão e eu disser já avisei q não passa...vai fazer fuá...e ainda ter que ouvir dele o seguinte: Ra quando vc tiver aqui, vamos relaxar esquecer os problemas não quero brigar..eu sei o SEU PROBLEMA é financeiro o meu é emocional
Na hora q esse fdp disse que o MEU PROBLEMA é financeiro deu vontade de socar ele pelo telefone...é brincadeira...ele tira o corpo dele fora totalmente e joga o problema que ELE ajudou a causar..alias foi o principal motivo..a anta aqui só foi a troxa que “assinou os cheques”..que bancou a casa sozinha quando ele tava internado...e ele simplesmente joga a bucha pra minha mão assim...dizendo que o problema é MEU...a vai pra puta que pariu..ai eu disse a ele q em janeiro preciso que ele me ajude mais do que  que ele quer me dar...pq tem rematricula do Kauan..e ele me diz que vai ver pq ele precisa arrumar a MOTINHA dele...pq aquele fdp caiu quando tava loko de pó e arranhou a  lataria e como ele vai andar com a motinha assim...eu não briguei..mais fala sério...não me responde...TEM CABIMENTO UMA COISA DESSA? Jesuiiiiiisss..só ele na minha vida
18:00 estava em casa em paz e tranquila comecei ler outro livro
20:00 meu ex marido me liga da praia nervoso falando um monte de coisas eu não entendia nada...falei com a minha cunhada e ela gritava o seu marido não é mais meu irmão, aquele bicho, bateu no meu marido, bateu no Kauan e no meu pai, eu pedindo calma pra ela pra me explicar direito o que estava acontecendo...e ela só ofendia o irmão dela...eu interrompi dizendo ele ta doente se acalma, ela que doente o caramba eu não quero nunca mais ver ele...eu se acalma ele ta precisando de ajuda ele ta piorando...ele quer ajuda? (disse ela) eu quero que ele se dane...essa hora fiquei nervosa e falei a hora que vc ver seu irmão no caixão ai não chora...e comecei a falar...agora vcs me entendem...eu pedi ajuda pra vcs por 6 anos...há 6 anos eu vivi o que vc viveu esses 3 dias com seu irmão....eu sei o q vc ta sentindo..é raiva...mais isso é pq vcs não conhecem a doença dele...é por isso que eu falo VAI PRA GRUPO..mais não...ninguém quer se dar o trabalho, uma hora vcs vão ter que ir se não for pelo amor será pela dor assim como eu...só que quanto mais o tempo passa mais seu irmão piora...essa é a hora de nos unirmos...e falarmos a mesma língua..só que eu preciso que vcs colaborem...expliquei algumas coisas pra ela e ela me entendeu, meu ex marido subiu e trouxe meu filho de volta com ele
2 - Como me senti?
7:00 a – com raiva, mais não adianta respirei fundo e vou la ver o q acontece...rs depois penso no que ou em como fazer
12:00 aliviada e pobre..hhaha to sem grana
14:00 uma idiota imbecil
18:00..em paz
20:00, aliviada, preocupada e triste...depois com esperança...eu não desejaria que essas coisas tivessem acontecido principalmente na frente do meu filho...mais já que aconteceu foi bom pra família dele entender o que acontece com o Eduardo...e que o problema dele é o comportamento que não é só a droga...tira a droga,...mais se ele não se modificar...ele não vai conseguir..que não é apenas NÃO USAR...isso é só o inicio...

3 - Qual sentimento descreveria o que eu senti? - uma palavra somente
7:00 a decepção
12:00 responsabilidade
14:00 estúpida
18:00 tranquilidade
20:00 esperança
4 - Não falar, escrever, etc sobre as atitudes alheias... Durante uma semana você só poderá falar de você! Qto dos meus pensamentos giraram em torno da vida de outras pessoas durante o dia?
Percebi que ainda me magoo com ele...mais tb já aceitei isso...tudo bem não tem problema algum eu sentir, raiva, magoa ou tristeza...ja aceitei isso e não vou ficar me sensurando...me culpando por em sentir assim...apenas vou aprender como fazer que esses sentimentos surjam e vão embora sem causar danos em mim ou em outros...to exercitando pra isso....me aceitei...eu sou assim mesmo...eu tenho a mania de achar que as pessoas deveriam me tratar como eu as trato e quando elas não me tratam igual...mais de maneira que eu considero pior...eu me afeto...mais já to conseguindo controlar isso...e decidi que eu não vou ficar me esforçando pra não deixar meus sentimentos surgirem apenas vou aprender a trabalha-los...assim eu  libero essas energias ou as transformo...mais não as guardo ou finjo que não existem..pq elas existem isso faz parte da natureza HUMANA...e eu sou um ser humano...
O importante é que eu não tive nenhuma atitude que pode machucar quem eu amo e nem me machuquei


 

quarta-feira, 17 de abril de 2013

casal em Recuperação



Bom dia galera!!!

Lembrando ainda de uma palestra que ouvi há um anos atrás de um jovem casal, ele adicto em recuperação só por hoje há 6 anos e ela codependente em recuperação, eles tem filhinho que hoje deve ter seus 3 anos, uma familia muito bonita.

Retomando um pouco a história, ele se internou, ela passou a frequenar o Amor Exigente.
Ele se rendeu perante sua doença
Ela se rendeu perante sua impotencia
Ele decidiu lutar pra viver sem drogas
Ela decidiu ser feliz longe das drogas

Ela disse a ele, te amo e te aceito com seus defeitos e qualidades, mais não aceito as drogas, vc quer viver comigo.
Ele escolheu salvar a propria vida e se dar a oportunidade de ser feliz

Eles hoje tem um lar, tranquilo, sem brigas, sem traições, sem mentiras.

Palavras dela, hoje eu gosto de estar em casa ao lado dele, gosto do nosso cantinho, sou feliz vivendo desse jeitinho nosso.

Claro que existem desentendimentos, hoje somos o termometro do outro, meu comportamento codependente desperta quando algo não está bem com ele, então sentamos e conversamos, ele como um adicto em recuperação sabe que sua mente o manipula então ele tem boa vontade em ouvir meus alertas.

Algumas dicas da nossa convivência:

- Escolhemos o domingo para conversarmos sobre os acontecimentos da semana, pra colocar tudo em pratos limpos, sentamos eu e ele sozinhos e nos abrimos um com o outro.
- Combinamos que não diremos o que estivermos sentindo na hora acalorada da discussão, quando ele tem uma atitude que eu não gosto e que me magoa, eu me calo, anoto as coisas que aconteceram pra não deixar passar e ficar com o sentimento de magoa preso no peito e no domingo exponho com serenidade exponho a ele os acontecimentos e como me senti e isso vice e versa.
-Temos uma religião a qual frequentamos algumas vezes no mês
-Realizamos algumas atividades juntos, estou dando aula de inglês pra ele, mais também temos nossas individualidades e respeitamos isso
-Quando percebo que ele entra em algum comportamento compulsivo, exemplo começa assistir a partidas de futebol do Corinthians, derrepente ta acompanhando ansioso até o piraporinha cotra o XV de Piracicaba, percebo que tem algo errado e falo desliga a televisão e vem dormir, explico a ele que está começando com comportamentos compulsivos, ele com boa vontade me ouve e colabora.
- Ele continua buscando sua recuperação em NA, partilha com o padrinho sempre que preciso

As palavras do adicto ao final da palestra: Minha esposa me ama e me aceita como sou, com minhas qualidades e defeitos, só que usar droga não é defeito, é uma doença comportamental que só traz destruição a minha familia e a mim, então tenho bem claro que se eu quiser viver com ela, será somente sem as drogas.
Ela me aceita o que ela não aceita são as DROGAS.

Obs: Acho válido repassar, pra ver que existe sim um jeito de ser feliz sendo adicto e codependente, AMBOS em recuperação.


Fiquem com Deus

terça-feira, 16 de abril de 2013

a droga do Comportamento



Bom dia

Recebi um email de uma leitora, que namora um adicto em recuperação pedindo que eu falasse sobre o comportamento de um adicto mesmo sem drogas.

Gostaria de começar dizendo que a dependencia quimica é a doença do COMPORTAMENTO, tira-se a droga e continua a "droga" do comportamento, eu ouvi muito essa frase no grupo de apoio o qual eu frequentava, na época meu ex marido estava internado e as pessoas me alertavam: Rachel, não espere que ele saira um principe encantado que ele não vai sair assim, ele vai sair com os mesmos comportamentos os quais ele chegou aqui apenas limpo, a mascará de anjo poderá durar umas duas semanas mais logo cai (foi exatamente o tempo que durou o marido perfeito...kkkk)
O dono da clinica adicto em recuperação há 14 anos me dizia: Rachel, esse é o Du, ele aprendeu a se comportar dessa forma durante 35 anos de sua vida, não é em 5 meses que ele será outra pessoa, ele saira limpo e com algumas "ferramentas" que poderão lhe ajudar em sua recuperação, porém a transformação da personalidade é lenta demora anos, ele pode melhorar em alguns aspectos, piorar em outros e se manter o mesmo em alguns, tudo dependerá dele.
Nessa clinica que ele está, o conselheiro terapeutico disse o seguinte: Rachel o Du é prepotente, egoista, tem complexo de superioridade, não aceita ouvir não, é briguento e mimado, esse é o Du com ou sem drogas.
Relatei tudo isso não pra mostrar que adicto não presta, cada um é cada um.
Mais pra lembrar que o principal problema da adicção é o comportamento, o adicto aprende a se comportar de maneiras egocentricas, o mundo gira ao seu redor, tudo pra manter o uso da droga sem sofrer grandes consequencias, a droga é só a cereja do bolo.
Quando o adicto entra em recuperação pra ele não voltar ao uso da droga ele precisa aprender a mudar uma série de comportamentos que o levam ao uso.
Geralmente uma recaída da seus primeiros sinais com recaidas comportamentais, como arrogância, irritabilidade, instabilidade de humor, manipulação, etc etc.
O que podemos fazer?
Modificar a nós mesmas e ao outro amar incondicionalmente
Agora garota pensa no que vc quer pra sua vida, tire a droga e veja quem é "seu homem", é esse cara com quem vc quer formar a sua familia?
Simples faça essa pergunta a si mesma, usando drogas ou não, é esse cara que eu quero do meu lado?
Pronto e decida
Eu AMO meu ex marido, mais eu não sei conviver com os defeitos de carater dele, os quais a dependencia quimica só faz piorar a cada dia que passa.
Um adicto na ativa, não estaciona a sua doença que é a doença do SE, se não fez vai fazer.
Se hoje ele só foi estupido, mais não te xingou, pode vir a xingar, se te xingou e não te agrediu, pode vir a te agredir, se te agrediu mais não te matou, pode ver a matar....etc etc...isso na ATIVA...ta...em recuperação não já é outra história.

Conselho procurem um grupo de ajuda pra familiares de dependentes quimicos, aprendam a se conhecer, pra saber o que vc realmente quer pra sua vida.

E ESCOLHA SER FELIZ.

Fiquem com Deus

segunda-feira, 15 de abril de 2013

despertar Espiritual




Buenas Galera

Vou falar sobre o tão esperado e sonhado Despertar Espritual. Afinal o que é isso?

Domingo participando de uma palestra sobre o evangelho de Jesus Cristo, sem querer ou "querendo" ( o PS sabe o que faz)...rs...esse tema apareceu rapidamente no meio da palestra Dependência Quimica, me arrepiei toda...rs..e achei muito interessante vou repassar a vcs o que aprendi.

O palestrante explicava que nós Seres Humanos, temos 3 tipos de consciência.

A consciência Plena, citou como exemplos algumas pessoas que ele julga aparentemente ter tido essa consciêcia em vida: Madre Tereza de Calcutá, Gandhi, Chico Xavier.Seriam pessoas que viveram pra praticar a caridade e o amor ensinado por Jesus Cristo.

A consciência racional, citou como exemplo nós seres humanos em aperfeiçoamento tentanto colocar em prática os ensinamentos deixado por Cristo.

A consciência irracional: Citou como exemplos de irracional nossos instintos.

Nós seres humanos "normóticos"...utilizamos as duas consciências a irracional e a racional ou seja razão e emoção para tomarmos decisões, viver em sociedade.
Se queremos muito uma coisa, nós somos impulsionados pela emoção e utilizamos da razão parar traçar o caminho ou meios para adiquirirmos tal coisa, seja o que for, um alimento, uma paixão, um momento de prazer, etc,. etc.

E já foi provado cientificamente que no nosso cérebro, existe uma região que quando temos fé, oramos, exercitamos um contato com um Poder Superior é acionada, não me lembro o nome da região, mais enfim, são como pequenos cristais que quando rezamos eles "vibram".

No caso dos dependentes quimicos, essa área é "petrificada" eles perdem esse "poder" de se conectar com Deus.

Por isso eles passam a agir sob a consciência irracional em suas atitudes cotidianas, por isso s tornam egocêntricos, por isso esquecem de como amar ao seu próximo, por isso sempre colocam suas vontades acima de qualquer coisa, seja pai, mãe, filho, esposa, irmão, amigos, etc, etc.

Na concepção do palestrante o tal "Anti Cristo" são as drogas, elas vieram pra destruir a humanidade.

Verdade ou não, isso me fez muito sentido...

E me fez entender o despertar espiritual da seguinte maneira.

Em algum momento da vida do dependente quimico, principalmente quando ele passa por um sofrimento muito grande, uma dor inenarravel  (o tal fundo do poço) ele se ve em uma situação onde a unica coisa, a unica saída que ele enxerga pra situação é buscar a sua consciência Racional e pedir a Deus ao PS, a algo maior que ele, que o ajude a voltar a ter uma vida normal onde ele era dono de suas vontades.
Quando isso acontece, ele consegue retomar as atividades no cérebro que são estimuladas pela fé, oração, etc, etc. E assim ter o tal DESPERTAR ESPIRITUAL.

Tendo esse despertar, não podemos esquecer que ele ja tem seu cérebro modificado fisicamente pela droga, então ele mesmo após esse despertar precisa exercita-lo diariamente, mantendo seu contato com o Poder Superior, precisa de vigilância e ajuda de seus entes queridos.

Eles não sabem viver de uma forma equilibrada como as pessoas que não sofrem desse mau, por isso precisam da familia, de amigos, de apoio para poder ensina-los o que é certo e errado, assim como se faz com uma criança.

Precisamos estar atentos pra não cair nas artimanhas, As quais a consciência irracional utiliza da razão para satisfazer seus desejos seus instintos, a tal da MANIPULAÇÃO.

Como saber se estamos agindo de forma correta, sem amar demais ou sem amar de menos?

Buscando ajuda e conhecimento sobre a doença deles DEPENDENCIA QUIMICA e nossa CODEPENDENCIA.

Precisamos dizer NÃO, precisamos lembra-los que essas emoções que ele insiste em viver os traz mais prejuizos que prazer.

Como fazemos isso?
Deixando que as consequencias de seus atos sejem vivenciadas por eles proprios.
Exemplos:
Faltou ao emprego, ele deve se justificar e se for mandado embora, terpa de arcar com as consequencias.
Fez dividas com cartão de crédito e não pagou, terá seu nome sujo.
Bateu o carro e não tem dinheiro pra arrumar, ficará sem carro pra andar.

Esses são só alguns exemplos do que não devemos fazer passando a mão em suas cabeças.

Como agir positivamente e assertivamente.
Ele pede uma compania pra qualquer atividade, o estimule, vá junto, se programe pra isso, não se deve ficar a merce deles, mais ter disponibilidade tb pra estar com seu ente querido e viver momentos agradaveis.
Mostre a ele que vale a pena viver de forma equilibrada, mostre a ele como é gostoso alcançar conquistas pelas proprias mãos e que ele pode e consegue.
Não o trate feito um bebe mimado que não tem capacidade de fazer nada sozinho.
Sim ele tem e ele pode, basta ELE querer e VC deixar.

Tendo o Despertar Espiritual, e aprendendo novamente a caminhar sozinho.

Cara!!! ele conseque.

Obs: Quero deixar bem claro que o que falo sobre a dependencia quimica as vezes assusta, pq o que falo é verdadeiro, eu não vou nunca dizer aqui que é fácil a recuperação, ou o viver sem drogas, mesmo pq não é as estatisticas não em deixam mentir.
Porém digo o caminho é SIMPLES, veja bem SIMPLES e não fácil.

EU ACREDITO DA RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA, INCLUSIVE NA RECUPERAÇÃO DO MEU EX MARIDO E ENQUANTO HOUVER VIDA ACREDITAREI.

Apenas aprendi que não posso e não devo condicionar a minha vida esperando a recuperação dele.
Por isso HOJE eu opitei em viver MINHA VIDA...mantendo a esperança acesa de que sim ele irá conseguir e eu irei ajuda-lo.
Da forma que ele precisa e não da forma que ele quer.

Fiquem com Deus....



quinta-feira, 11 de abril de 2013

codependente em Recuperação.




Bom dia Galera...

Ontem dei uma surtado básica no grupo (levantei o pino da panela de pressão)...e esvaziei...ufaaaaaaa....

Aconteça o que acontecer, irá acontecer pq o PS permitiu que acontecesse e eu sei que ele está do meu lado pra me ajudar quando eu pedir, então mesmo que eu tenha que entrar em campo pra batalha....bora la minha gente...rs

Queria falar sobre  o que é uam codependente em recuperação.
Há mais ou menos um ano, eu ainda estava casada e frequentando o grupo Amor Exigente enquanto o due stava internado, lembro que teve uma palestra de um casal, um adicto em recuperação há 5 anos (hoje acho que fazem 6) e sua esposa uma codependente em recuperação.
Resumindo a história deles, ela era casada com um cara bem de vida mais não era feliz, conheceu o seu atual  marido, se separou e foi morar em um apartamento ao lado da favela, e la ela era a mulher mais feliz do mundo.
Conviveram um tempo até que a adicção começou a mostras as "garras", ela sofreu muito, chegou no seu fundo do poço, e em uma tentativa de evitar que ele saisse pra isar drogas, ele a "atropelou" (passou por cima dela empurrando) e arrancou a porta no pontapé...
Nesse momento, ela 15 kilos mais magra, foi a um orelhão ligou pro par dele, contou o acontecido e disse: Chega ele é seu filho e não meu! E foi embora.
Ele se internou e ela começou a frequentar o grupo Amro Exigente, ela foi aprendendo sobre a dependencia quimica e a codependencia e chegou nessa conclusão:

Aonde existe droga, só existe mentira, destruição, manipulação, traição, sujeira e infelicidade.
Eu sonho em ter uma familia, em ter filhos, em criar meus filhos em um ambiente saudável, e com toda a certeza não será aonde existe um ADICTO NA ATIVA que eu conseguirei.
Foi visitar seu marido e lhe disse: Eu te amo como vc é, com seus defeitos e qualidades, nunca fui tão feliz como ao seu lado, mais eu odeio as drogas.
Eu te aceito mais não aceito as drogas, então escolhe ou vc vive uma vida digna comigo ou fica com sua vida suja e com as drogas.
Ele graças a Deus escolheu a primeira opção, e eles tiveram un filho que hoje deve ter uns 4 anos e só por hoje eles estão bem.

Contei essa história pra mostrar que assim como na dependencia quimica, a codependencia oue stá em recuperação ou não está.
Não existe meia recuperação
Vc que vive com seu marido na ativa e aceita, vive na codependencia achando que está em recuperação.
Assim como o dependente quimico que frequenta reuniões mais ainda acha que pode tomar uma cervejinha de vez em quando e que usa drogas a cada 3 meses, acha que está  em recuperação mais vive recaindo.
São só exemplos tá não to generalizando.
Mais se vc que me le, e é uma codependente e está na duvida, se questione.

O que muda em sua vida?

Será que só pq frequenta sala, significa que está realmente colocando em prática o que se aprende?

Ou será que sua vida é feita desse ciclo aqui conhecido nosso.

RECAIDA-CULPA- ABSTINÊNCIA

Se vc vive esse ciclo, por mais espassado que ele seja...se seu adicto não muda os comportamentos, continua tendo comportamentos de ativa...ele não ta em recuperação.

Ele ta se auto enganando e assim como vc tb se auto engana.

Por isso digo que uma codependente em recuperação não vive com adicto na ativa
Assim como um adicto em recuperação não usa drogas.

Fiquem com Deus

quarta-feira, 10 de abril de 2013

o que Importa?

DESAPARECIDO - (VALPARAIZO BRASILIA) - ENTREM EM CONTATO VIA BLOG CASO SAIBAM NOTICIAS





Bom dia!!

Cheguei no trabalho e fui dar uma espiada nos grupos do face...noticias tristes, um filho desaparecido desde
23/03/2013, depois de uma ligação de traficantes cobrando dividas de drogas, o filho nunca ficou sem dar noticias por tanto tempo, a mãe não preciso dizer como está.
Um marido morto por overdose de COCAINA, deixou uma filhinha de 8 meses orfã, sem contar a esposa, os pais, os amigos, os irmãos, todos que sofrerão uma perda, mais uma perda pras drogas.

Eu geralmente me revolto, fico doida da vida por ver que muita coisa pode ser feita pela midia e nada é feito, se fazem, fazem com muito pouco conhecimento.

Hoje não vou gritar, como costumo fazer.

Apenas direi o que importa nessa luta desigual contra as drogas?

Pra mim importa acreditar, ter fé e esperança na recuperação.
Mais também importa saber que as chances são pequenas, pra que eu não me iluda, e se um dia meu familiar for derrubado por esse monstro, eu ainda consiga ficar de pé.

É muito lindo ter certeza da vitória e acredito que devemos crer sempre, mais também devemos nos preparar para uma possivel derrota.
Isso não é falta de fé, é humildade.
É se saber impotente perante as decisões do outro e escolher viver, aconteça o que acontecer.

Nesse momento gostaria de deixar a essa mãe, e a essa esposa, essa nossa oração.

Eu seguro minha mão na sua e uno meu coração ao seu, para que juntas possamos fazer aquilo que sozinho eu não consigo.

Muita paz pra vcs...Mãe e  Esposa, que Deus conforte o coração de vcs nesse momento.

Fiquem com Deus

terça-feira, 9 de abril de 2013

responsabilidade ou Culpa?




Bom dia

Quero falar a vcs sobre um assunto que pra mim foi fundamental ter discernimento para conseguir caminhar em minha recuperação, a diferença entre responsabilidade e culpa, achei dois termos na internet que achei bem legal vamos lá:

"O complexo de culpa é que nos condena ao sofrimento inútil, que nos paralisa diante da vida e das pessoas, que nos amedronta diante das novas possibilidades, engessando nossa vida e desativando todo o cabedal de virtudes que possuímos e que poderiam estar trabalhando a nosso favor e a favor dos que nos cercam
A responsabilidade faz evoluir, a culpa faz sofrer, por isso é que acredito que a necessidade de desenvolver nossa capacidade de perdoar o outro, tem muito a ver com o auto-perdão evitando o complexo de culpa.

Acredito que perdoar o outro é mais fácil do que perdoar-se, sendo assim, o exercício do perdão ao outro alarga nossa tolerância e nossa compreensão, diminuindo nosso sentimento de culpa diante dos erros diagnosticados no outro e, conseqüentemente, em nós mesmos."

Fonte:http://www.portalespiritualista.org/decio-iandoli-jr/621-culpa-e-responsabilidade

Ai não saimos daquele tal triângulo do drama da codependencia: Perseguidor, Salvador e Vítima

Uma hora tentamos controlar ou perseguir os nossos adictos, tentamos controlar as consequencias do seu uso abusivo de drogas a qualquer custo e conseguimos controlar as consequencias, nisso nos sentimos essenciais a vida deles, nos sentimos verdadeiras guerreiras, mulheres, fortes que não abandonam os seus amados, o tempo passa e eles repetem o comportamento de ativa e na maioria das vezes nos acusam, nos ofendem ai passamos a situação de vitima, como pode EU que faço de tudo pra provar meu amor a ele ser tratada dessa maneira...Ó Deus como é pesada minha Cruz, creio em ti e sei que o senhor me abençoara.

E assim vivemos anos...tentando controlar o que com passar do tempo se torna incontrolável (as consequencias da vida ativa de um adicto), quando temos sucesso nos sentimos A GUERREIRA, A MULHER FORTE...e quando não conseguimos somos A COITADA QUE CARREGA A CRUZ E O SENHOR JESUS IRÀ LIBERTAR.

Meninas...Sim senhor Jesus liberta, alias só ele liberta mesmo....desse ciclo doentio que nos enfiamos.
Mais pra isso precisamos QUERER, parar de CONTROLAR...Aceitar a situação, aceitar nosso papel no mundo como meros seres humanos e permitir que as pessoas cada uma colha o que planta.Sendo mais objetiva PARAR DE FACILITAR A VIDA DO ADICTO.

Quando vc da esse passo, vc sente um vazio enorme, tudo pq vc não tinha vida, sua vida era a do outro.
E agora? Como se sentir bem A MULHER GUERREIRA, A MULHER FORTE QUE LUTA EM NOME NO AMOR...xiiii aquela sensação de bem estar que vc tinha foi embora né.
Então vc começa a se sentir a vitima...COITADINHA DE MIM ..só que nessa altura do campeonato, vc começa a perceber que vivia aquilo pq SE PERMITIA VIVIER...
Ai o ESPELHO...aparece na sua frente...e vc SE ENXERGA...sem véus nos olhos e começa a se perguntar.
Quem sou eu?
Agora eu digo...O SENHOR JESUS CHEGOU PRA LHE AJUDAR...
Começando a ensinar a vc a se perdoar.
Começando lhe fazer entender que vc não
não é Deus, que vc não salva ninguém, que sua obrigação nesse mundo é se melhorar.
Quando vc se enxerga dessa forma uma pessoa normal como as outras cheias de erros e acertos...o orgulho fica ferido, porém vc quando se perdoa...se ve leve...vc se aprende perdoar as pessoas verdadeiramente.
E agora sim o SENHOR JESUS TA FELIZ E ORGULHOSO DA FILHA QUE TEM.

Pq ele viu como vc aprendeu a ser VERDADEIRAMENTE HUMILDE
VERDADEIRAMENTE A CONFIAR NELE ENTREGANDO O QUE VC NÃO PODE CONTROLAR NAS MÃOS DE SEU PAI.
E PQ AGORA ELE SABE QUE VC TEM FÉ E QUER SE TORNAR UMA PESSOA MELHOR.

Entenderam?

segunda-feira, 8 de abril de 2013

me Reconstruir



Buenas

Recebi esse comentário no pos Como impor Limites?

Acho que este é o ponto de partida e quem sabe no futuro incluir aqui publicações sobre o que você gosta o que te faz feliz...A vida não pode se limitar a dependência né? Boa sorte e boas escolhas!

Pois é amigo anônimo...eu sei de muitas coisas que me fazem feliz...apesar da convivencia com a dependencia quimica nunca deixei de faze-las. como praticar esportes, viajar com as crianças, jogar papo fora com amigas, sair pra balada e me acabar de dançar, namorar, beijaaaa...ler livros, assistir filmes...sair com as crianças...estudar..

Mais o tempo foi passando e fui estrapolando meus limites...e hoje na minha atual condição, não consigo fazer a metade das coisas que eu amava...continuo fazendo algumas as quais eu posso realizar..sem precisar de grana por exemplo.

E hoje o que em completa é poder ajudar familiares de dependentes quimicos, hoje o que me faz feliz...é ajudar os codependentes como eu...

Obrigado pelo incentivo, infelizmente terei que aguardar usn 3 anos antes de retomar alguns projetos...mais não os abandonei,  estão apenas esperando a oportunidade de continuar.

Ta vendo galera como é importante RESPEITAR OS NOSSOS LIMITES...

A gente fica passando em cima dos tais limites..e só prejudicamos aos nossos adictos e a nós mesmas...de NADA ADIANTA..

Engana-se quem pensa que se dedicndo indondicionalmente ta ajudando alguém..ta é sim caminhando de mãozinha dada rumo ao FUNDO DO POÇO.

Mais prometo que assim que tiver conquistas de alguns projetos divido aqui com vcs...por enquanto...minha vida...tem se resumido em viver e se resconstruir...e o blog faz pas parte dessa MINHA RECONSTRUÇÃO..

bjusssss

sexta-feira, 5 de abril de 2013

conversando com um Adicto em recuperação


Adicto: Boa Tarde
Rachel: Olá
Adicto: Não concordo quando vc diz que um adicto está usando drogas a mais tempo do que o relatado (2 anos)
Rachel: Não Pq?
Adicto: Até pq acredito eu que vc não deve saber qual a droga dele de escolha, aquela droga maldita
Rachel: Crack, tudo bem mais dificilmente ele começou no crack, certo?
Adicto: Deixa vc dependente em menos de uma semana, nunca se sabe.
Rachel: Eu sei, acredito que existam excessões, mais aprendi com terapeutas que antes da dependência quimica levar o adicto a perceber os prejuízos do consumo da droga, ele deve ter iniciado o uso há no minino 5 anos, provavelmente ele ja consumia bebida alcolIca e fui subindo a escadinha ou não?Vc conhece alguém que começou, que experimentou o crack a primeira vez sem nunca ter usado outras drogas?
Adicto: Isso é muito relativo
Rachel: Ainda não conheci, por isso disse provavelmente.
Adicto: Então
Rachel: Ele deve ter iniciado o uso de alguma droga antes
Adicto: Veja bem, vc sabe qual a droga que mais mata no mundo?
Rachel: Cigarro
Adicto: Não
Rachel: Sim, segundo pesquisas é a que mais mata, depois vem o alcool. Pq o consumo é em maior número do que as drogas ilicitas, ou vc diz que mata mais por proporção?
Adicto: Essa pesquisa eu discordo
Rachel: Então vc diz por proporção? Ai tb eu discordo
Adicto: Até pq o alcool veio primeiro, o que mais mata é o alcool.
Rachel: O restante das drogas perdem feio pro alcool e cigarro, esses matam muito mais.
Adicto: Sim e muito
Rachel: No meu caso, meu ex marido iniciou o uso de drogas desde os 17 anos, e até hoje nunca roubou e nem foi parar na rua, sabe pq? Pq vivia cercado de facilitadores, eu inclusive, facilitei a sua vida de ativa por 6 anos, são 20 anos de uso, as chances dele chegar a morar na rua acredito que são baixas, acho mais fácil ele ter uma overdose igual ao chorão, devido a droga de preferencia dele Cocaína que mata mais lentamente, do que o crack, mais tb mata.

Adicto: Rachel, usei drogas durante 22 anos, e estou limpo há 4 anos e digo a vc.
Rachel: Que bom, acredito demais na recuperação do meu ex, as pessoas se incomodam com algumas verdades, as quais eu agradeço muito a minha madrinhade ter tido a paciência de ficar me enchendo o saco, aguentando as minhas grosserias, se não fosse por ela eu demoraria muito mais pra chegar no fundo do meu poço.
Adicto: Sabe quem foi a grande responsável por isso? A minha esposa, ela nunca desistiu de mim.
Rachel: Não, VC não desistiu de VC, o responspavel foi VC
Adicto: Errado
Rachel: Afinal um adicto que NÃO queira se recuperar, pode-se fazer o que for que não adianta.
Adicto: Concordo
Adicto: A primeira mão estendida foi a da minha esposa
Rachel: Ela estendeu a mão, mas vc quiz pegar.
Adicto: posso falar?
Rachel: Pode
Adicto:ok, tenho 7 minutos, certo?
Rachel: OK
Adicto: Nunca soube que existia um lugar que era possivel parar de usar, por esse motivo, digo que foi ela a grande responsável, pois ela deu o primeiro passo antes mesmo de eu pedir ajuda,acredito que depois sim, veio o meu real desejo de parar, entendeu?
Rachel: entendi, porém a escolha de continuar voltando e de quem?
Adicto: minha jovem, sempre será minha
Rachel: então!! Eu dei uns 1oo passos, antes dele pedir ajuda e ele quiz continuar voltando? Não infelizmente. Fui em NA, IGREJA, CLINICA, PSICÓLOGO, conversei, bati, chinguei, gritei, aceitei...em fim e nada adiantou. Pq?
Adicto: Meu anjo, quero que vc entenda, que existe casos e casos, estou falando de mim.
Rachel: Eu sei que existem casos e casos, o que eu não entendo, é quando as pessoas dizem que o que eu falo não é verdade pq é a minha história, assim como muitos se identificam com a sua, infelizmente a maoiria acaba sendo como o meu EX, Infelizmente.
Adicto: Nunca disse que não é verdade, agora tenho o direito de discordar certo?
Rachel: Sim, tem todo de discordar, mais não de dizer é errado.
Adicto: Algumas coisas que vc diz, não condiz com outros adictos, sua história é sua, não é pq vc passou que todas irão passar.
Rachel: Sempre quando discordo de algo, eu justifico, explico o que aconteceu, e digo oq ue fiz pra superar, então tem esposas que se identificam, percebo ser a maioria, mas as pessoas tem reservas de falar da propria vida, é dificil se expor, eu me exponho mesmo, e comecei a fazer isso, pq queria encontrar uma forma de ser feliz ao lado do Du, mesmo na ativa, e era impossivel.
Adicto: Depende, vivi feliz na ativa muitos anos, até pq não tinha perdido o controle de nada, quando EU usava a droga era tudo bem, quando A DROGA, passou a me usar ai as coisas mudaram de figura.
Rachel: Sua esposa era feliz nessa época?
Adicto: Minha esposa não sabia que eu usava
Rachel: Então ela não teve muitos prejuizos por isso não sofreu? Eu soube da adicção do Du com tres meses de relacionamento.
Adicto: minha esposa sofreu muito
Rachel: Sofreu mais sem saber da adicção? Eu comecei a sofrer os sintomas da codependencia cedo e demorei 6 anos pra acordar.
Adicto: Rachel
Rachel: Diz
Adicto: A adicção vai muito além do uso de drogas
Rachel: Eu sei é a doença do comportamento, a droga é só a cereja do bolo.
Adicto: Meu comportamento eram outros, por isso , digo que minha esposa sofreu muito.
Rachel: Eu falava pra minha sogra que se o problema fosse só a droga, eu comprava e deixava de estouque em casa
Adicto: Vou te contar uma coisa, tentei matar minha mulher 4 vezes, tinha uma sindrome de corno que não acabava nunca.
Rachel: kkkkkkkk
Adicto: Que só aumentava, quando eu usava, minha história é muito longa.
Rachel: Agora te pergunto, se vc tivesse na ativa ainda, tua esposa estaria contigo?
Adicto: Nunca
Rachel: Então não to errada
Adicto: Pq? Sei muito bem que se eu voltar a usar perco tudo, inclusive a minha familia.
Rachel: Não estou errada, quando falo pras esposas não aceitarem certas coisas de seus adictos na ativa, quando digo que é impossivel ser feliz na ativa com alguém.
Como ser feliz assim? Impossivel Te digo o que digo pro Du, aonde tem droga só tem destruição, vc pensava que era feliz, hoje vc descobriu o que é felicidade tu é livre.Antes vc era dominado pelo seu vicio, so controlava as consequencias, pq provavelmente tinha alguém que sofria essas consequencias no seu lugar, até que vc passou a sofrer as consequencias na pele, e graças a Deus a sua esposa e  a VOCÊ, resolveu parar.
Adicto: Não concordo, quando diz que alguém sofria em meu lugar
Rachel: ta bom desisto..kkkkkk, quero falar com sua esposa kkkkk
Rachel: A sua esposa não sofria as consequencias do seu uso?
Adicto: Ninguém sofrima mais que eu na ativa.
Rachel: Vc tentou matar ela 4 vezes?? Todos sofrem. Todos. Acredite só o dono da dor sabe o quanto dói (Zeca Pagodinho) Só lhe peço quando discordar de algo justifique, sabe pq?
Pq tem muitas esposas codependentes na ativasssa, facilitando a vida do Adicto, e quando leem comentários de um adicto em recuperação, pegam esse comentário como uma oração, uma mensagem vinda de Deus.
Aditco: rsrsrsrsrs
Rachel: Eu já fui assim kkkkk e me enxergo fácil nos outros. Falar pra uma codependente apaixonada que o AMOR TUDO SUPORTA é falar pra ela pula junto do prédio com seu amado...kkkkkkkk
Adicto: fala sério
Rachel: Sério, a codependência tb mata sabia?
Adicto: Olha ninguém sofre mais do que o proprio adicto na ativa, sei que vcs sofrem, mais não mais do que nós, isso é fato
Rachel: Não se mede dor...hahahaha Vcs aliviam e a gente não
Adicto: Sabe qual a forma que vcs aliviam?
Rachel: Sei, jogando a culpa em vcs.
Adicto: rsrsrsrsrsrsrsr
Rachel: Ai depois nos sentimos culpadas por culpar vcs.
Adicto: Desisto..rsrsrsrsrs


Rachel: por isso digo todos sofrem igual
Adicto: Não
Rachel: Lembra de trocar o sapato?
Adicto: Vcs não usam, não sabem a dor que é
Rachel: Adicto é adicto sempre discordando  kkkkkkk
Adicto: Imagina um adicto usando droga e chorando, vc imagina isso?
Rachel: Imagina uma mulher mandando seu marido embora e chorando pq quer ele perto? vc imagina?
Adicto: Imagino
Rachel: Então, dor não se mede.
Adico: Não estou aqui medindo sua dor, falo da minha, eu sofri mais que todos
Rachel: Ué ta falando que vcs sofrem mais do que a gente?
Adicto: Pq a dor é minha, minha dor foi a maior do que de todos, entendeu?
Rachel: Não entendi
Adicto: Eu tb acredito na de vcs, ninguém da minha familia sofreu mais do que eu, entendeu?
Rachel: Como vc sabe que sua dor foi maior da que da sua esposa? Como vc tem certeza disso?
Adicto: Pq a dor é minha simples assim
Rachel: Egoisticamente falando entendo..rs
Adicto: rsrsrsrsrsrsrs
Rachel: Do ponto de vista do adicto é assim mesmo, já das codependentes que pensam mais no outro do que elas mesmas é o contrario, somos mais solidarias até demais....kkkkk
Adicto: Quem ficou 4 dias com loucos na institução? Fui Eursrsrsr. Com certeza vcs são muito mais dodói do que nós rsrsrsrsrs
Rachel: Quem aguentou o marido doido dentro de casa foi sua mulher, sua mulher tentou lhe matar tb?
Adicto: não, não
Rachel: então vc não sabe o que é isso
Adicto: falando sério, não passei 4 dias e sim 19.
Rachel: e o pior aguentou coisas de doido do proprio marido, que sejam 19 dias, o que são 19 dias se comparando com anos .
Adicto: Vou te falar uma coisa que talvez vc não goste.
Rachel: pode falar a vontade..rs.
Adicto: Vcs todas só passam por isso pq se permitem passar, não são obrigadas
Rachel: eu sei, tu acha que me ofendo com isso e eu sei tb que vcs usaram drogas pq quiseram
Adicto: Quando vc me deixar concluir um assunto vc me fala ok, vou deixar vc falar..rsrsrs
Rachel: Fala, fico quieta..rs
Adicto:Posso falar por mim, minha infancia não foi das melhores, e nem das piores, tinha tudo que eu queria dentro das possibilidades dos meus pais, usei drogas pq quiz, ninguém colocou um revolver na minha cabeça pra mim usar, fato, entendeu.
Rachel: entendi, prossiga
Adicto: Pedi ajuda, mais não queria parar, pedi pq estava perdendo minha familia, então minha esposa foi até uma instituição e fui fazer o tratamento, fiquei nesse tratamento durante um tempo e depois fiquei limpo 60 dias, recai, voltei na clinica pra pedir internação e eles não me deram, ai fiquei limpo mais 3o dias, recai, não voltei,não falei nada pra ninguém ai sim começou todo meu maior sofrimento, poir não conhecia NA.
Minha esposa foi nesse lugar e falou que eu precisava ir lá, nunca fui fiquei usando foram 1 ano e 6 meses, e ela indo a todas reuiniões abertas possiveis, e tentando me levar e eu não ia.
Só que nessa história toda eu vinha tomando remédios receitados pela clinica.
Rachel: Igualzinho meu ex
Adicto: Minha esposa dava o remédio na boca, eu a manipulava e jogava fora pra usar drogas, isso foram meses e meses
Rachel: Vc foi preso?
Adicto: Não nunca fui preso, não cheguei a esse estágio.
Com o tempo minha sindrome de corno só aumentava
Rachel: Achei que instituição fosse prisão, desculpa. Vc foi pra instituição de doido isso?
Adicto: Até que no dia 19/07/2009 eu surtei, depois de uma quantidade absurda de drogas, uma coisa de louco  mesmo
Rachel: Ja  presenciei varias de baba até
Adicto: Fui levado pra instituição e não tinha vaga, resolvi voltar pra casa da minha mãe
Rachel: sua esposa estava com vc ainda?
Adicto: minha esposa nunca me deixou, sempre esteve ao meu lado, sempre acreditou que eu iria conseguir, quando  digo trancado é era trancado mesmo

Rachel: entendi trancado, acorrentado, etc
Quando digo deixar, não digo desacreditar, é isso que as pessoas não entendem.

Adicto: então fiquei 19 dias internados e la conheci o NA, sai dia o de agosto e fui ao uma sala dia 10 de agosto, estoui no NA até hoje, nunca recai, e só por hoje não preciso usar nunca mais
Rachel: Graças a Deus vc não matou sua esposa, e os que não conseguem, e os que matam as esposas, os pais os filhos, por isso acho arriscado dizer as pessoas aguentem tudo pelos seus adictos.
Adicto: Digo  pra não desistir dos seus adictos e não pra aguentar tudo.
Rachel: Desculpa, eu te entendo quando vc diz que o amor tudo suporta, porém uma codependente quando não está em recuperação entende essa frasesinha ai, como morra por ele.
Sei que sou radical reconheço isso, porém, percebo que quando alguém tem a coragem de dar opinião contraria , algumas caem matando, no sentindo de  o sua ruim o amor tudo suporta , não me incomodo com julgamentos, me preocupo com a consequencia que essas idéias, podem surtir efeito na cabeça delas...o tal do AMOR TUDO SUPORTA.
Durante muito tempo eu li sobre isso, eu ouvia muitas esposas lutando em nome do amor, porém se eu não tivesse ouvido umas verdades da minha madrinha eu lutaria ainda de forma errada, facilitando a vida dele.

Obs: Teve mais conversa, porém pra preservar o anonimato dos envolvidos estou encerrando por aki, acho que da pra vcs lerem e tirarem algumas conclusões.