quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

comece por aqui: Conhece-te a ti mesmo



Buenas Galera

Um ponto que nós codependentes temos dificuldade, pelo menos eu tenho muito...é a famosa questão QUEM SOU EU SOZINHA?

Vejo que muitas de nós quando entramos em recuperação depois de viver um tempo a adicção ativa de nossos entes queridos, questionamos isso.

Quem sou eu?

As vezes não sabemos nem por onde começar, por vezes até temos algumas respostas mais bem superficiais do tipo: Há eu gosto de dançar, de ler, de assistir filmes, etc, etc.

Ou algumas respostas que temos plena convicção e nos aprecem obvias do tipo, sou solidaria, paciente ou nervosa.

Mais mesmo assim ainda nos perdemos quando sentimos um vazio  mesmo sabendo das coisas que relacionei acima e ai bate o desanimo...a tristeza....

Em uma das leituras espirituais que tenho feito, tem um exercicio muito bom que nos ajuda com o nosso autoconhecimento, e ontem quando cheguei em casa conhecidentemente ao pegar o livro eu abri nessa página, e resolvi postar aqui pra vcs.

Fica a Dica.

919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?
“Um sábio da antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”
a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?
“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. Perguntai ainda mais: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?”
“Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.
“O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhosos julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca a vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.
“Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços?

Fiquem com Deus...bjuu

2 comentários:

  1. Muita boa essa postagem, minha amiga!
    Agradeço por compartilhar conosco.
    Abração e TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  2. e aí kel tudo certo? A eterna busca de saber quem somos. Eu me peguei perguntando isso após minha separação em dezembro, pois parecia que após eu ter deixado de ser D.Q, tinha me tornado um C.D.,
    AGORA BUSCO A MINHA INDEPENDÊNCIA, acabei de fazer uma postagem falando mais ou menos sobre isso. Como já disse antes é sempre bom acompanhar o teu blog. FICA COM DEUS, BJÃO.

    ResponderExcluir