sexta-feira, 21 de setembro de 2012

até aonde isso me Afeta?





Oi Genteeee...

Eu como uma boa codependente em recuperação, me peguei fazendo essa pergunta pra saber o quanto emocinalmente desligada do meu marido eu me  encontro, então fiz uma relação do que a adicção dele consegue me afetar ao ponto de dominar a minha vida, me fazer REAGIR e não AGIR.

Essas coisas abaixo já me afetaram demais, hoje já não graças a Deus

- Sintomas de recaída
- Passar a noite fora
- Ver ele parecendo um zumbi
- Não chegar pro jantar
- Mentiras do tipo: to no trânsito e estar indo comprar droga

Isso eu aprendi  a não me afetar antes mesmo dele se internar, sabem pq?
Pq eu sabia que nada que eu fizesse mudaria o curso das coisas, eu sentia compaixão pq poxa vida uma pessoa viver dessa forma não é vida, mais fazer o que se ele não fazia nada pra mudar

Coisas que me afetam:

Acho que da pra mim resumir isso em uma frase

FALTA DE RESPEITO.

O problema  maior de se conviver com a adicção ativa, não é que a pessoa vai usar, vai contar mentiras, vai sumir por alguns dias, vender as roupas dela, não vir jantar...
Gente se a pessoa ainda não acordou, que ela  viver dessa forma é prejudicial a ela e que ela pode morrer e só tem a perder o que EU posso fazer a não ser rezar por ela? NADA

Agora se essa pessoa, passa a me ofender, a me prejudicar, a me desrespeitar...ai já é diferente...opa perai...

Vc querer se ferrar é uma coisa agora querer me levar junto é outra

E infelizmente o traço da adicção ativa que grita na maioria dos que convivem com ela, é isso...o DESRESPEITO...

Se não fosse isso tantas familias não desistiriam de seus dqs, abandonariam, as pessoas abandonam pq além de ver alguém se afundando elas vão sendo levadas junto, instinto de sobrevivencia, só acho errado a pessoa não tentar jogar a rede pra resgatar fora isso, como condenar quem se afasta de uma pessoa que além de destruir a propria vida arrasta vc junto?

É triste demais tudo isso...pra mim a DROGA..é o maior mau do século...da humanidade...

PQ não envolve somente a saúde fisica e psicológica de uma unica pessoa, diferente de qualquer outra doença...ela envolve a saúde espiritual, fisica e mental de um grupo de uma familia...

To sendo pessimista?  NÃO
Realista....

Eu acredito em milagres, porém milagres acontecem quando devem acontecer e não quando eu gostaria que acontecesse...isso se chama expectativa...

Eu aceito dar sem receber nada em troca, eu aceito dar ajuda ao meu marido sem que ele me compreenda sem que ele me entenda,  mais pra que eu faça isso eu não devo permitir que ele me atinja e pra ele não me atingir eu não devo permitir que ele falte com o respeito a mim.
Pra isso infelizmente só estando longe..se um dia ele irá retribuir compreendendo as minhas atitudes, como nosso amigo Junior diz, isso será uma dádiva.

Equanto isso se eu tiver que sofrer, sair da minha zona de conforto e aceitar que o que devo fazer é o que eu preciso fazer, e não o que eu gostaria fazer. FAREI me afastarei dele

Que Deus me de forças pra vencer a minha codependencia e fazer o que deva ser feito.

2 comentários:

  1. Kel, entendi perfeitamente seu post, a pessoa ta afundando, nao quer nadar, mas VC QUER NADAR, VC NAO QUER AFUNDAR, VC QUER VIVER !

    Que Deus te de sabedoria e forças amiga, estou orando por ti ! bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Kel, muito bom o seu post. A minha palestra de sexta-feira foi sobre os limites no relacionamento, escrevi um pouquinho sobre isso. Realmente, nós somos todas muito parecidas, mas, os nossos limites são diferentes e únicos.
    Não existe certo e errado, apenas a individualidade de cada uma.
    Parabéns por conseguir separar o que te afeta e não te afeta, isso fará com que você não aceite mais abusos com relação aos seus limites.

    Fica com Deus amiga, paz e serenidade para ti e os pequenos SPH!

    Beijos.

    ResponderExcluir