quinta-feira, 12 de julho de 2012

somos Diferentes, uns dos Outros



Bom dia a todos vcs!!

Gostaria de agradecer a fenix pelo carinho...abração minina torço muito por ti...

Está tudo bem graças a Deus, hoje perdi a hora graças ao foguetório dos palmeirenses...kkk, parecia que eles faziam de propósito, soltavam uma leva de fogos ai ficava aquele silencio, quando eu tava pegando no sono denovo vinha a segunda leva..kkk..eu não sabia se ria, se chorava ou se xingava....ai Jezuizi....rs

Bom falando um pouco dos dependentes e codependentes, acompanho muitas histórias, nos blogs e nos grupos eu sempre me impressiono como as atitudes são quase todas iguais, chega a ser engraçado....mais também comecei a perceber que apesar de histórias repetidas, cada um é cada um, todos temos nossa singularidade, então pra tomarmos certas atitudes devemos nos conhecer pra saber qual a melhor atitude a ser tomada pra determinado momento.
Acho que o mais importante é sermos sinceros conosco, e admitir o que eu aguento e o que eu não aguento.
Tem dependentes que se recuperam sem internação, já outros as vezes passam por 10 internações pra ai começarem a se recuperar.
Codependentes que vivem relacionamentos de anos com o parceiro na ativa e dizem que são felizes, e outros que "abandonam o barco" pq declaram que se continuassem seria capaz de morrerem antes de seus parceiros.
Nunca tomemos uma decisão se baseando na história de outra pessoa, vamos olhar pra gente, vamos nos conhecer e descobrir nossos limites, assumir nossos limites não significa ser forte ou fraco, significa agir e não reagir.
Agora vou falar no MEU caso, eu sempre pensei que jamais deveria desistir do meu casamento, que deveira ser forte e me manter ao lado dele, tentei, confesso tentei de tudo me desligar dele emocionalmente vivendo debaixo do mesmo teto.
Só que mesmo eu seguindo minha vida, indo pra academia, focando no meu trabalho indo as festas com meus filhos na maioria das vezes sozinha, eu não conseguia deixar de ser atingida, o campo de força que criei ao meu redor não era suficiente pra me proteger.
Denovo repito no MEU caso, o meu marido é usuario de cocaína, a frequencia que ele fazia o uso variava nos periodos de uma vez por semana até 3 meses limpo, mais como a adicção é uma doença do COMPORTAMENTO, mesmo quando ele não estava fazendo o uso ele ficava insuportável, vou citar um exemplo de uma situação que se repetia varias vezes nos periodos de "sobriedade" dele.
Ele chegava em casa nervoso só Deus sabe com o que, não olhava na minha cara, eu ficava na minha, ai do nada ele: que foi vc tb acha que não presto, que so bandido, vc não me valoriza e bla bla blabla. Eu respondia: Dú ta tudo bem? Vc ta precisando de algo, aconteceu alguma coisa, eu não disse nada, calma mais se vc quiser conversar vamos conversar. Ele fazia cara de "merda" e ficava quieto, daqui a pouco vinha: vamos no shopping preciso comprar uma calça. Eu respondia: Eu to sem dinheiro, o cartão já ta no limite, vc tem dinheiro pra comprar? Se tiver vamos. Ele respondia: Como assim não tem dinheiro, pede o cartão da sua mãe, incrivel, vc nunca tem dinheiro, o que vc faz com seu dinheiro, ta vendo fica indo na academia eu que me lasque, vc me trata feito lixo. Eu respondia: Não vou pedir o cartão pra minha mãe pq já estou devendo as roupas que vc comprou a 2 meses atrás lembra? Ele: Isso joga na minha cara, vc não ta nem ai pra mim. Eu ficava quieta e ia dormir. Ele me procurava de noite.
Ai eu apesar de saber que é por causa da doença, desculpa não conseguia achar isso normal e realmente não conseguia me aproximar dele, mesmo pq já havia me aproximado mesmo sem vontade e no dia seguinte me sentia um lixo, ai eu falava: Du to com sono vamos dormir. Ele ta vendo vc me acha um lixo, ta me rejeitando, deve ter outro só pode.
Bom esse é um exemplo de uma situação que por mais que eu foque na minha vida, por mais que eu entenda ele, eu não conseguia não sofrer com isso, se ele fosse meu filho acho que conseguiria, mais como marido eu não consigo.
Então comecei a me conhecer pra conseguir traçar meus limites, e é por isso que EU cheguei a conclusão que não da pra viver com ele na ativa, que por mais que eu fique la na praia eu não conseguirei me proteger das ondas.

Ai o meu conselho é: Vamos procurar nos conhecer, conhecer o que é dependência e o que é a codependência e vamos nos basear nas nossas vidas, nas situações em que elas se encontram e confiando sempre em Deus.
Como buscamos conhecimento?
Respondo: lendo livros sobre o assunto, indo a grupos de ajuda, e não aceitando que está tudo bem quando não está.
Bom dia a todos, que Deus os acompanhe hoje e sempre, um enorme bju

8 comentários:

  1. Caramba!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! vc tá super forte e decidida menina.. é um prazer te-la como amiga..
    Vou me espelhar em vc e ser mais forte para enfrentar as tempestades..
    Forte abraço amiga!!
    Tamujuntas!!!!

    ResponderExcluir
  2. Fofa!

    Você tem razão.. e sabe?
    Você citou situações SUAS, e é incrível como essas coisas já me aconteceram tantas vezes tbm..

    É como a Sol sempre me diz: Eles são diferentes, casas diferentes, vidas difentes, mas o princípio é o mesmo.

    Parabens pela força de olhar pra si de forma tão focada..

    Bom poder vir aqui e tirar algo que alimente meu dia..

    Juntasempre, viu?!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Kel, meninas...vcs já aguentaram demais. Independente de ser um adicto, o nosso companheiro deve ser auto-suficiente, deve se bastar, pelo menos financeiramente e por que não, deve também nos dar pequenos ou grandes mimos, é da nossa cultura, a gente ama o que admira e um homem que depende até financeiramente da gente, não dá pra admirar...não dá pra amar! E eles sabem disso muito bem. Quando ele diz: vc me acha um lixo é pq ele se acha, ele sabe muito bem que vc merece mais. Mas o comodismo faz dele uma pessoa dependente. É uma doença antes de tudo de comportamento. Esse é o nosso receio, mesmo limpos e sem o udo de drogas, eles serão diferentes no comportamento????

    Bjusss, J

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é "J"...demorei mais entendi, e é por isso que me mantenho firme e decidida em não continuar com ele, quando digo na ativa, é na ativa dos comportamentos tb, estou esperando pra ver como será, tenho plena consciência que as coisas podem não mudar muito, ou sei lá talvez...mais to com os pés no chão...sem me iludir achando que ele vai virar um principe encantado..ai que digo que cada um é cada um...já justifiquei muito pra mim mesma, que aceitava esse tipo de comportamento dele em nome no "amor" que na verdade, na verdade descobri que se tratava de codependência, mais o que dizer pras mulheres que ainda pensan assim?...sabe a unica coisa que posso tentar dizer pra ajudar é que se conheçam, aprendam a entender quem vcs são de verdade e assim com certeza farão as escolhas certas...
      Infelizmente vi tb que existem pessoas que preferem ser codependentes o restod a vida do que se assumir, pq se assumir dói mais do que continuar do jeito que está...ai aprendi também que cada um tem seu tempo...e pra mim poder ajudar alguém sem em tornar codependente dessa pessoa devo apenas lhe direcionar a decisão e as consequencias das decisões tomadas serão delas...
      Minha madrinha obrigada por fazer parte da minah recuperação..rs..(ta vendo gente como levei bronca...rs...por isso que do bronca tb)

      Bjaum te adoro...precisamos nos encontrar pessoalmente "j"

      Excluir
  4. Rsrsrsrs, você aprende muito rápido, fico feliz demais com isso. Uma coisa que eu sempre digo, claro que é baseada em minhas experiências e nas situações que a gente vê nos grupos: quem persiste, quem busca sofregamente o conhecimento, quem se dispõe a sair da imobilidade e agir, acaba conseguindo! Então minhas palavras de ordem são essas - PERSISTIR E AGIR. Funciona!!!
    A gente vai se conhecer sim, tenho certeza. Minha filha mora na mesma cidade que vc, qdo for visitar ela te aviso pra tomarmos um café ou comer uma pizza!

    Bjusss,

    J

    ResponderExcluir
  5. É amiga, aceitar que há algo de errado em sofrer com essa doença é o primeiro passo para a recuperação, e não é rápida, levei muitos anos para entender a minha doença e então superá-la...
    Tamujuntas e adorando suas postagens.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadinha giu pela visita...bjaummm...vc tb faz parte da minha recuperação viu...rs...

      Excluir