quarta-feira, 18 de julho de 2012

minha vida: riscos, sonhos, medos e esperança



Hoje parei e olhei pra trás, pra exatos 30 anos atrás...e nossa quanta coisa aconteceu, quantas alegrias, quantas tristezas, quanta adrenalina, e hoje somente hoje pareço ter encontrado o real sentido da vida.
Uma garota criada por familia simples, sem luxos, extremamente timida e estudiosa quando criança, e o rótulo de CDF me incomodava demais, eu era apenas quieta..rs achava injusto esse "preconceito"...rs..no inicio da adolescencia aos meus 12 anos, quis fazer parte ta turminha "popular"..e me misturei com o pessoal da bagunça, mais ainda sim mantive as boas notas, era um pessoalzinho bagunceiro mais do bem, eu ainda assim era timida demais, quase muda quando estava com pessoas que não conhecia.
Quando completei 14 anos fui com uma amiga tirar minha carteira de trabalho, eu queria de qualquer forma trabalhar pra comprar minhas coisas, sair, ser INDENPENDENTE...rs...fui estudar a noite e comecei a  trabalhar em abril de 1996.
Teve um dia que teria uma baile em uma escola perto de casa, eu e minhas duas amigas inseparaveis estavamos andando com uma turminha de pixadores, na época me sentia a verdadeira transgressora de regras, eles bebiam e fumavam maconha.Maconha eu experimentei mais não gostei eu desmaiava de sono, e outra morria de medo de experimentar muitas vezes, viciar e acabar igual uns "nóinhas" como chamavamos na época os DQS que ficavam perambulando pela vila, mais experimentei a bebida, e nossa AMEI, fiquei desinibida, fiz sucesso, todos me acharam legal, os garotos começaram a prestar atenção em mim, no colegial fiquei "popular" era a loirinha, gatinha, gente boa que fazia todo mundo dar risada e descolada.
Eu e minha amiga "assaltavamos" a garrafa de pinga do meu avô e misturavamos com coca pra beber antes de sair pra algum lugar, assim iniciei a minha adolescência, nunca experimentei cocaína, não por falta de oportunidade, tive várias, mais por medo de virar "nóia", porém estava seguindo um caminho também trágico o da bebida.
Comecei a namorar, me afastei da "thurma" mais meu namorado também gostava de tomar umas, e bebiamos todo final de semana durante os 6 anos que ficamos juntos, o negócio dele também era só bebida,  ele era extremamente ciumento, brigavamos demais, nessa época aprendi a ser de certa forma "agressiva" pra me defender, eu já era uma codependente e não sabia, tive uma dificuldade enorme de terminar o relacionamento, só consegui quando conheci o Du, que era colega de trabalho dele, me apaixonei a primeira vista, quando vi ele estacionando a moto dele no quintal da minha casa, não sei explicar, mais sabe aqueles momentos em que vc para olha pra pessoa e ouve sininhos...kkk pois é foi assim.
Só tinha 2 enormes impecilios, eu namorava e ele era amigo do meu namorado.
Um dia em uma festa eu sorri pra ele e ele retribuio o sorriso com um olhar diferente, minha perna balançou, alguns instantes depois estavamos sozinhos e ele me entregou um papel com o telefone dele.
Eu senti muitas sensações, felicidade, medo, raiva culpa e principalmente vontade de sair do relacionamento doentio que eu vivia.
Liguei pra ele no dia seguinte, ele se mostrou arrependido de ter me dado o telefone, pq eu era namorada do amigo dele, depois que desliguei o telefone, senti enorme raiva de mim mesma, pq naquele momento percebi, minha vida ta parada, eu to deixando de viver coisas pq não consigo sair de um relacionamento, Deus sabe lá o pq.
Fui tomar banho, chorei e chorei e fiz uma promessa: senhor amanhã eu ficarei em jejum até anoitecer de água e comida, mais me ajuda a decidir a tomar uma decisão da minha vida.
O dia passou rápido, não senti fome e nem sede, escrevia em um caderno as orações Pai Nosso e Ave Maria sem parar.
Chegou a noite, e finalmente consegui dizer ao meu namorado que eu não queria mais, o final do relacionamento foi dificil, tive que ir na delegacia da mulher dar queixa por conta de ameaças, meus pais entraram em desespero e queriam que eu mudasse de estado, mais graças a Deus nada aconteceu, hoje eu e ele somos amigos, ele cresceu muito como pessoa, ele mesmo diz que era um LOUCO, e que aprendeu bastante com tudo e graças ao que vivemos hoje ele é uma pessoa melhor, ele fica pesando dizendo que o Du, é a pessoa certa pra mim...rs..
Bom voltando a história, eu liguei pro Du, contando que havia terminado, não exatamente por causa dele, que conhecer ele sim havia me ajudado a ter forças pra ter essa atitude porém o maior motivo era me libertar de um realcionamento doentio.
Ele ficou mudo, depois disso nos encontramos e ficamos umas 4 vezes, não percebi nada demais no comportamento dele, só muito calado e com a consciencia pesada de estar comigo, então nos afastamos.
Deixei meu telefone e disse, o dia que VC quizer me procura, nisso se passaram uns 9 meses eu havia conhecido outra pessoa (o mais racional dos meus namorados)...rs..e disse ao Du que eu estava namorando e não dava pra gente sair.
Esse meu segundo namorado tb dorava uma cerveja, bebiamos todo final de semana, ficamos juntos 2 anos e meio, nessa época em que tive um relacionamento saudavel, tanto eu quanto ele crescemos muito, nos apoiavamos, estudamos, iamos pra academia e bebiamos junto...é a bebida sempre presente...acabamos nos separando por sermos muito diferentes apesar de muito companheiro, a gente era o oposto, eu era São paulina ele Corinthiano, eu gostava de samba ele de rock, eu adorava sair pra balada e ele caseiro e como uma boa codependente somente eu cedia..rs..acabou que terminamos.
E quando isso aconteceu, estava eu separando algumas coisas desse meu namorado que estavam na minha gaveta, eis que acho o telefone do Du, anotado no papel jogado na minha gaveta, peguei o papel e pensei vo liga,.... não não vou ligar bom vou ligar amanhã, achava dificil ele estar em casa durante a semana em horario comercial, mais ia arriscar.
No dia seguinte as 15:00hs liguei com o coração acelerado, não pensei muito no que falar, eu pensei: "ele nem vai ta la mesmo", vou ver se consigo pegar o celular atual dele, com quem atender.
Pra minha surpresa quem atende, ELE..gelei falei Dú??...papo vai papo vem, falei q estava solteira e deixei meu celular, ele tava sem celular pq tava entre RJ e SP e ficou de me ligar no dia seguinte para marcarmos de nos ver.
No dia seguinte ele não ligou, liguei a noite e ele não estava em casa, deixei recado, na sexta fui toda arrumada pro curso, pensando:"vai que ele liga", as horas passaram ele não ligou, lembro que no bar com a minha amiga falei: "Há quer saber, se um dia tivermos que ficar juntos vou encontrar ele pro acaso em uma balada, e ficaremos, vamos namorar, casar e ter filhos, se tiver que ser vai ser, enquanto isso vou curtir".
Eu estava solteira, "curtindo adoidado" como falam, estava com meus 25 anos estudando e buscando um emprego melhor, as pessoas que se aproximavam querendo namorar ouviam uma resposta: "to bem assim, não vou dizer que namorar nunca mais, porém só se eu me apaixonar de verdade por alguém".
Por acaso, destino, ou conhecidência sei la eu, o meu primeiro ex namorado, acabou fazendo amizade com meu ex cunhado (irmão do meu 2º ex namorado) e começamos a sair  pras baladas juntos  como amigos, em julho era aniversário do meu ex cunhado (irmão do meu 2º ex namorado), ele me chamou e tb chamou o seu novo amigo (meu primeiro namorado)..rs...acho q  deu pra vcs entenderem né...rs
Enfim, iamos todos mais uma vez em uma balada encher a cara e comemorar o aniversário do nosso amigo.
Na sexta-feira o dia da balada, meu primeiro namorado me ligou falando:"vc não sabe quem me ligou que tá em SP querendo sair, o Du".
Eu fiquei muda (até então ele não sabia que eu havia me apaixonado pelo amigo dele no passado), achei q não tinha necessidade dele saber, omiti isso.
Eu fiquei realmente mexida com a ida do Du nessa balada, faziam exatos 3 anos que nunca mais havia visto ele ou falado com ele, pensei mil coisas, fiquei eufórica...rs
Me arrumei toda e quando encontrei ele na casa desse meu ex namorado, percebi que ele se surpreendeu ao me ver
Antes de entrar na balada, fizemos o famoso "esquenta" (beber antes de entrar pra economizar dinheiro) e nisso conversa ia, e nós apenas trocavamos sorrisos e olhares.
Eu voltei a sentir tudo que havia sentido quando o conheci, ouvi os sininhos..rs..o friu na barriga, a mão gelada e suada.
Na balada ao mesmo tempo que nos olhavamos, percebi que ele tentava me evitar, por eu ser ex do amigo dele, porém ele tinha medo de me deixar sozinha e eu ficar com outra pessoa.
Até que a Kel aqui, aprendeu a perder a timidez, e com umas cervejas na cabeça falei pra ele: vc vai ficar só me olhando ou vai me beijar?
Ele sorriu e disse estar morrendo de vontade de me beijar mais não achava certo, se sentia culpado.
No fim nos beijamos, e depois desse beijo, ficamos todos os finais de semana juntos, namoramos, 6 meses depois engravidei casamos, e há 6 anos estamos juntos....

Pois é foi assim...depois conto os 6 anos e a descoberta do vício como foi...

E ca estou, lutando pra que possamos ser felizes, hoje sinceramente, não sei se juntos ou não, mais apenas para sermos felizes....

5 comentários:

  1. HUMMMMMM
    Que delícia de história hein amiga? kkkkkkkkkkkk
    Prova viva de que quando tem que ser, não tem jeito. Eu acho que a gente nasce mesmmo pra ser feliz a gente é que acaba se sabotando. Mas com certeza tudo vai ficar bem vc vai ver.
    BJs.

    ResponderExcluir
  2. É são os acasos do destino...rsrs...Felicidades para vocês, juntos ou não. O mais importante você já está fazendo, buscando a sua felicidade.

    ResponderExcluir
  3. Eu já vejo isso como codendencia latente, rsrsrsrs. A gente já nasce com uma anteninha que "busca" exatamente esse tipo de situação. Pessoas certinhas nem chegam a nos atrair quando somos codependentes natas. Precisamos e procuramos para nossa vida situações e pessoas que tragam exatamente os problemas que buscamos. Nosso inconsciente sente quando achamos a "pessoa certa".
    J

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk...é verdade, tenho a codependencia na genética, na cultura e na espiritualidade...kkkk
      Mais como me disseram que esse ciclo ta acabando...hhahaha...espero ter aprendido, pra não ter que voltar codependente denovo...hahaha

      Excluir